IN VINO VERITAS: As características das vinhas influenciam o potencial das aves como aliadas no controlo de pragas

IN VINO VERITAS: As características das vinhas influenciam o potencial das aves como aliadas no controlo de pragas

Estudo da Universidade de Évora (UÉ) demonstra que as características das vinhas influenciam o potencial das aves como aliadas no controlo de pragas. Essencial para “facilitar uma agricultura mais biológica e com menor uso de químicos” o resultado final, “são melhores vinhos e a proteção da natureza” evidencia Rui Lourenço, investigador do LabOr-MED e primeiro autor do artigo publicado na revista Ecological Indicators.

Um grupo de investigadores do Instituto Mediterrâneo para a Agricultura, Ambiente e Desenvolvimento (MED) e do Departamento de Biologia da UÉ envolvidos neste estudo apontam que as “vinhas de pequena dimensão rodeadas por paisagens heterogéneas estão potencialmente mais protegidas de pragas de insetos”, isto porque estas promovem uma maior diversidade funcional de aves. São o cartaxo-comum, a cotovia-comum, a cotovia-escura, a felosa-poliglota, o rouxinol-do-mato, a toutinegra-de-cabela-preta, ou ainda a poupa, as aves insetívoras comuns nas vinhas que apresentam maior potencial de controlo de pragas.

O investigador recorda que estas aves alimentam-se de lagartas, traças, escaravelhos, cigarrinhas e outros invertebrados, combatendo de forma natural as pragas nas vinhas e os resultados agora divulgados “permitem aos vitivinicultores definir boas práticas, beneficiando os produtores mas também a biodiversidade” destacam.

“A heterogeneidade da paisagem junto às vinhas pode ser alcançada através da conservação de habitats ripícolas, sebes naturais, árvores, muros de pedra e edifícios rurais, e esta complexidade estrutural beneficia as comunidades de aves fornecendo alimento, abrigo e locais de nidificação” frisa o investigador. Os índices de diversidade funcional são indicadores da composição das comunidades de aves que se baseiam não só nas espécies presentes, mas também nas suas características (por ex. peso, estratégia de alimentação, local de alimentação e dieta). Assim, a diversidade funcional pode refletir o potencial do serviço de biocontrolo fornecido pelas aves.

“As aves têm um grande potencial no controlo de pragas porque muitas espécies são insetívoras, têm várias funções (por ex. variedade de habitats de alimentação e comportamentos), e são comuns na maioria dos habitats” destaca Rui Lourenço, adicionalmente, destaca que “existem provas que as aves desempenham o serviço de biocontrolo em vinhas e noutras culturas”, acrescenta o doutorado em Biologia pela Universidade de Évora que se têm dedicado há mais de 20 anos à investigação na área da ecologia e conservação de aves.

Desta forma, as vinhas formam paisagens com gestão intensiva, sendo suscetíveis a diversas doenças e pragas causadoras de prejuízos consideráveis verificando-se aqui várias espécies de insetos que podem tornar-se pragas, afetando principalmente as folhas e as uvas, exemplo disso, a traça da uva ou a cigarrinha-verde.

As comunidades de aves foram amostradas neste estudo utilizando pontos de escuta em 31 parcelas de vinha localizadas no distrito de Évora que representavam diferentes práticas de gestão e contextos de paisagem. Nestes pontos de escuta os investigadores detetaram a aves por audição e observação, “um método que permitiu contabilizar sobretudo as aves que estavam nas vinhas e com maior potencial de prestar serviços de controlo biológico, descartando as que estavam em habitats mais afastados” elucida Rui Lourenço.

O Investigador MED da academia eborense destaca que “a diversidade funcional de aves foi mais elevada em vinhas pequenas rodeadas por paisagem mais diversificada com árvores”, quando comparadas com vinhas de média dimensão rodeadas sobretudo por parcelas agrícolas, ou ainda em vinhas de maior dimensão e frequentemente rodeadas por outras vinhas.

Assim, sublinha-se o facto das vinhas de menor dimensão situadas em paisagens mais heterogéneas que incluam zonas arborizadas parecem ter uma maior biodiversidade funcional de aves, “facto que deverá estar associado a um maior potencial do serviço de biocontrolo fornecido pelas aves insetívoras” realça ainda a este respeito o investigador.

É inequívoco o valor que o vinho e a vinha têm para o nosso país, “e são muito relevantes para a economia regional em muitos países e as aves podem ser importantes aliadas da chamada “vinecologia”, realça o investigador da UÉ, integrando as práticas ecológicas na viticultura “que vão de encontro à procura crescente por parte de consumidores de vinhos de qualidade e promotores da sustentabilidade ambiental” conclui Rui Lourenço.

O estudo foi desenvolvido no âmbito do projeto “Novas ferramentas para a monitorização e avaliação de serviços de ecossistemas em sistemas de produção tradicionais do Alentejo sujeitos a intensificação”, financiado pelo programa Alentejo 2020.

Comente este artigo
Anterior Alentejo terminou o mês de fevereiro com 8 barragens totalmente cheias (c/dados)
Próximo Agroportal alcança cerca de 1 Milhão de utilizadores em 2020 - relatório anual

Artigos relacionados

Nacional

Bombeiros dão 24 horas para Proteção Civil fazer “regularização de pagamentos”

O presidente da LBP, Jaime Marta Soares, disse à Lusa, sem precisar montantes, que se trata de “milhões de euros” relativos a despesas feitas pelas associações de bombeiros em 2019 e 2018, […]

Últimas

Furacão Lorenzo – Açores – 3

-> 3ª actualização
**SITUAÇÃO DE RISCO EXTREMO**
O Furacão Lorenzo é neste momento um ciclone de categoria 4 posicionado a noroeste de Cabo verde. […]

Nacional

(In)certezas para 2017 – Editorial de Teresa Silveira + Suplemento Agrovida

[Fonte: Vida Económica] A vitória, inesperada para os americanos e, mais ainda, para os europeus, de Donald Trump nos Estados Unidos em novembro, […]