Irão 380 mil toneladas de leite em pó parar ao lixo? Editorial Teresa Silveira + Suplemento Agrovida

Irão 380 mil toneladas de leite em pó parar ao lixo? Editorial Teresa Silveira + Suplemento Agrovida

Na transição do mês em que se exalta a Liberdade para este ‘Maio, Maduro Maio’ do Trabalhador, as estrofes do poema de Sophia de Mello Breyner Andresen ‘Vemos, ouvimos e lemos / Não podemos ignorar’ interpelam-me para a escrita deste editorial. O eurodeputado do PCP Miguel Viegas visitou em janeiro, em Liège (Bélgica), um dos armazéns usados pela Comissão Europeia para guardar o leite em pó comprado em 2015 e 2016 nas diversas intervenções previstas na Política Agrícola Comum (PAC) para evitar a derrocada dos preços após o fim das quotas leiteiras em abril de 2015. Ao todo, nos vários silos localizados em alguns países europeus, há cerca de 380 mil toneladas de produto armazenado, o qual, ao preço de intervenção de 169,8 euros/100 quilos – acima dos valores médios de mercado do leite em pó para alimentação humana (162,9 euros/100 quilos) -”, não tem suscitado o interesse da indústria. Ora, o prazo de validade de três anos está a esgotar-se para a maioria do leite em ‘stock’. E a Comissão Europeia não mostra ter, para já, qualquer resposta para o problema. Ou seja, se nada for feito, está-se na iminência de ter de destruir centenas de milhares de toneladas de leite. Perante isto, a pergunta que qualquer cidadão de princípios e livre de pensamento tem o dever de colocar é: – Irá a Comissão Europeia permitir, mesmo por inação, tamanha enormidade? Para mais quando há 795 milhões de pessoas que se deitam diariamente com o estômago vazio, como referia há tempos a diretora executiva da UNICEF Portugal, Madalena Marçal Grilo? E quando o ‘Relatório Global sobre Crises Alimentares’ da FAO nos diz que, em 2017, cerca de 124 milhões de pessoas em 51 países foram afetadas pela insegurança alimentar – mais 11 milhões que em 2016 – devido a novos conflitos ou a conflitos que se intensificaram, designadamente em Miamar, no nordeste da Nigéria, Congo, Sudão do Sul e Iémen ou derivado do impacto das secas na produção agrícola e pecuária em países como a Somália, Sudeste da Etiópia e Leste do Quênia, e nos países da África Ocidental, incluindo Senegal, Chade, Níger, Mali, Mauritânia e Burkina Faso? Miguel Viegas lançou o repto para que o leite armazenado possa ser doado ao Programa Alimentar Mundial e ao Alto Comissariado da ONU para os Refugiados. Mas, meses depois, ainda não há respostas. Nem decisões. Mais do que política, esta é, acima de tudo, uma questão moral. Vemos, ouvimos e lemos. Não podemos ignorar.

Descarregue aqui o suplemento Agrovida de Maio 2018 

 

Comente este artigo
Anterior Cersul organiza dia de campo sobre Cereais Biológicos em Elvas
Próximo Feira Nacional do Porco 2018

Artigos relacionados

Últimas

Investigadores identificam vírus que está a afetar mortalmente esquilos em Portugal

Uma equipa multidisciplinar liderada por investigadores do Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos (CIBIO-InBIO), da Universidade do Porto, identificou um vírus que está […]

Dossiers

Portugal em 4.º lugar na produção de vinho da UE com 700 milhões de litros

Portugal foi o quarto maior produtor de vinho na União Europeia (UE) em 2019, com setecentos milhões de litros, uma fatia de 5% do total de uma tabela liderada pela Itália, segundo dados hoje […]

Últimas

CDS já tem candidato à câmara de Évora

[Fonte: Tribuna Alentejo]
Assunção Cristas, líder do CDS-PP esteve ontem em Évora para apresentar o candidato dos populares à Câmara de Évora, […]