Situação de alerta. Cinco incêndios estão ativos no continente

Situação de alerta. Cinco incêndios estão ativos no continente

Os fogos que deflagraram esta sexta-feira em Espinho e Celorico de Basto, no concelho de Braga, Frossos, no concelho de Aveiro, Penha de França, no concelho de Lisboa, e no Barrocal, no concelho de Leiria estão a mobilizar 70 operacionais apoiados por 16 veículos, segundo a Autoridade Nacional de Proteção Civil

Cinco incêndios estão ativos em Portugal continental e outros 15 estão em fase de resolução, segundo a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC). Os fogos que deflagraram esta sexta-feira em Espinho e Celorico de Basto, no concelho de Braga, Frossos, no concelho de Aveiro, Penha de França, no concelho de Lisboa e no Barrocal, no concelho de Leiria estão a mobilizar 70 operacionais apoiados por 16 veículos, refere o site da ANPC.

Em fase de conclusão encontram-se os fogos de Alvados (Leiria), Carvacelos (Cascais), Miomães (Viseu), Nozelos (Bragança), Vale da Torre (Castelo Branco), São Vicente Pereira Jusã (Aveiro), Carvalho de Egas (Bragança), Senhora da Saúde (Aveiro), Abragão (Penafiel), Quinta do Neves (Covilhã) e Crô (Guarda).

Um incêndio no concelho de Albergaria-a-Velha, em Aveiro, obrigou ao início de manhã ao corte do trânsito na autoestrada do Norte (A1) e a A25 (Beiras Litoral e Alta).

A Situação de Alerta decretada pelo Governo vigora até às 23h59 do próximo domingo em todo o território continental, face à subida das temperaturas máximas que aumenta a probabilidade do risco de incêndio em várias regiões do país.

O Executivo alerta para a necessidade de adotar medidas preventivas de forma a minimizar risco de incêndio. Na quinta-feira, um helicóptero da Força Aérea Portuguesa efetuou durante a tarde a primeira patrulha de vigilância e fiscalização.

“Durante o patrulhamento aéreo realizado ontem, foram controladas situações de trabalhos em espaços florestais e viaturas em zonas isoladas que, em coordenação com equipas terrestres da GNR, através da utilização de comunicações rádio, permitiram a sua abordagem e fiscalização. Por outro lado, este patrulhamento aumentou a capacidade de apoio às operações de combate aos incêndios em curso, com a avaliação de possíveis riscos para áreas residenciais”, refere a GNR em comunicado.

Na quinta-feira, mais de 2300 militares da GNR realizaram 1200 patrulhas, percorrendo no total mais de 66 mil quilómetros, em missões de prevenção, fiscalização e combate aos incêndios florestais. Oito pessoas foram identificadas e duas foram detidas em flagrante delito pela prática do crime de incêndio florestal.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Expresso.

Anterior Fuertes descensos en los precios de las almendras
Próximo Desafios para o sector agroflorestal nacional no contexto das alterações climáticas em debate - 11 de setembro - Elvas

Artigos relacionados

Últimas

Apresentação da CULTIVAR “Digitalização” – IX Congresso da APDEA

Conferência no GPP – Gabinete de Planeamento, Políticas e Administração Geral

Na apresentação da nova edição da revista CULTIVAR relativa à Digitalização da Agricultura. […]

Últimas

“Estaremos seguramente num caminho de transferência crescente de mais-valias para toda a fileira”

José Maria Falcão, Presidente da Associação Interprofissional da Fileira Olivícola
“Sem vergonha de copiar soluções com sucesso, mas adaptando à […]

Últimas

“Trabalhamos com diversos parceiros numa relação de amizade e de confiança muito para além dos negócios”

Rui Veríssimo Batista, Herdade de Conqueiros
“Na cultura do milho, a Conqueiros Invest socorre-se de um variado leque de ferramentas de agricultura de precisão, […]