Silagem de erva

Silagem de erva

Hoje de manhã fechámos o silo da erva que ensilámos ontem. Curiosamente, há 46 anos atrás, na manhã do 25 de abril de 1974, também o meu pai andava a ensilar erva quando escutou na rádio que acontecera uma revolução no país.

O processo de conservar forragem sob a forma de silagem é ainda mais antigo, tendo já sido usado por egípcios e romanos, em fossas, silos e depois em barris de vinho, durante a época medieval. No século 19 o processo de ensilagem desenvolveu-se na Europa e chegou aos Estados Unidos, de tal modo que em 1888 decorreu o 5º congresso da Silagem em Nova Iorque (para quem quiser saber mais, coloco abaixo o link para um interessante artigo do Beefpoint com a história da silagem).

Este processo de conservação baseia-se na fermentação láctica da matéria vegetal rica em açúcares, nomeadamente milho ou ervas como azevém, trigos, aveia, cevada, em que as bactérias lácticas, na ausência de oxigénio, degradam a matéria orgânica produzindo ácido láctico e outros ácidos orgânicos, baixando o pH, o que permite a conservação ao longo de todo o ano, podendo-se assim aproveitar as plantas da época de maior produção para alimentar os animais ao longo de todo o ano de forma estável e regular. Perdem-se alguns nutrientes em relação à erva fresca, mas a silagem é mais nutritiva e digestiva que o feno (mais informação em link no final).

O milho é cortado e ensilado diretamente, quando já tem cerca de 30-35% de matéria seca. Como a erva verde tem mais humidade, cortámos, espalhamos e deixamos secar 2 ou 3 dias antes de recortar, carregar para os reboques, transportar para o silo, calcar a silagem para tirar o máximo de oxigénio e cobrir com plástico para que não possa voltar a entrar oxigénio. Se houver um buraco no plástico do silo (ou do rolo de erva plastificado) o oxigénio que vai entrar vai permitir o desenvolvimento de bolores e apodrecimento da matéria vegetal.

É possível que algumas pessoas tenham a ideia que alimentar as vacas com silagem é um processo moderno e artificial, por oposição às alimentação direta na pastagem com erva fresca. Pelo contrário, como expliquei atrás, a silagem é um processo natural com milhares de anos. Nem todos os países ou regiões têm condições de pastagem durante todo o ano ou possibilidade para deslocar os animais ao pasto. Por isso as silagens de milho e erva são a base da alimentação das vacas que produzem a maior parte do leite no mundo.

https://www.beefpoint.com.br/silagem-uma-breve-historia-65427/

https://pt.wikipedia.org/wiki/Silagem

O artigo foi publicado originalmente em Carlos Neves Agricultor.

Comente este artigo
Anterior “Tem morrido muita gente, é de lamentar, mas há outras doenças que matam muito mais todos os anos, temos de começar a trabalhar para a economia não parar” diz Pres. COTR
Próximo Previsão para a semana 26 Abril – 02 Maio

Artigos relacionados

Últimas

Rui Garrido: “Vamos ter em formato digital uma Ovibeja que recria o ambiente da nossa feira de sempre”

“Percebemos que podemos recorrer às potencialidades das novas tecnologias para fazermos uma Ovibeja com características muito semelhantes à nossa feira de sempre. […]

Últimas

Nuno Russo: É necessário criar estratégias que incluam a saúde humana, animal e o meio ambiente

O Secretário de Estado da Agricultura e do Desenvolvimento Rural, Nuno Russo, afirmou que «é necessário criar estratégias que incluam a saúde humano, animal e o meio ambiente». […]

Últimas

OE 2021. PSD Açores exige “solução política” da República para cortes no POSEI

O deputado do PSD/Açores na Assembleia da República António Ventura exigiu do Governo uma “solução política” que compense a Região pelos cortes propostos pela Comissão Europeia no […]