Será que a floresta portuguesa precisa de reforma? – António Gonçalves Ferreira

Será que a floresta portuguesa precisa de reforma? – António Gonçalves Ferreira

Devíamos primeiro tentar saber o que é preciso para que a floresta portuguesa se torne mais forte, e sobre isso há muitas vozes concordantes:

  • Melhorar a defesa da floresta, à escala da paisagem e não à escala da unidade de exploração. As ZIF (Zonas de Intervenção Florestal) são o exemplo óptimo deste tipo de acção, defendem a floresta numa lógica territorial.
  • Ter unidades de produção rentáveis e viáveis financeiramente, aqui a estratégia tem que ser diferenciada. Salvaguardemos primeiro a defesa territorial, assegurando a existência de uma ZIF, implementemos dois instrumentos adicionais:
    • As Sociedades de Gestão Florestal (SGF) e todo o pacote fiscal a elas direccionado, nas zonas onde a dimensão da propriedade é o estrangulamento;
    • Medidas fiscais que incentivem soluções societárias e contrariem o fraccionamento, nas zonas onde a dimensão da propriedade ainda assegura a sua rentabilidade.
  • Ordenar, Monitorizar e Fiscalizar, olhando estrategicamente para a floresta, integrando técnica e conhecimento do terreno, num trabalho conjunto do ICNF, das Autarquias e das Organizações de Produtores Florestais (OPF), porque onde se trabalha em conjunto, e os exemplo são muitos, os resultados são sempre excelentes e, em caso de incêndio, a intervenção dos bombeiros é necessariamente mais eficaz. Fazendo-o a dois níveis:
    • A nível regional através dos PROF – planos regionais de ordenamento do território;
    • A nível local através dos PGF das ZIF (planos de gestão florestal) e dos PMDFCI (planos municipais de defesa da floresta contra incêndios).
  • Despolitizar. Todos queremos uma melhor floresta, nisso ninguém tem dúvidas. Se estudarmos e ordenarmos convenientemente o nosso território, não é a espécie que aí plantamos que cria o problema, a monocultura do eucalipto tem tanto risco como a monocultura do pinheiro bravo. Não podemos é deixar que o território seja abandonado ou que em locais estratégicos para a sua defesa seja efectiva não se cumpra o necessário ordenamento.
  • O seu a seu dono. A limpeza da floresta não existe como objectivo, mas é necessário manter o risco de incêndio baixo e há zonas onde isso é crítico. O interface rural-urbano tem que ser uma prioridade, mas tem que ser o poder autárquico, que permitiu a expansão urbana ou não a acautelou, a suportar os custos dessa realidade.
  • Incentivar em vez de obrigar. Sabemos bem que as coisas não avançam por decreto, se a ZIF funcionar todos quererão fazer parte dela, se a certificação florestal for uma mais-valia efectiva todos a procurarão.
  • Apoiar o investimento, que pelo seu longo período de recuperação tem características especiais, actuando a dois níveis:
    • criando a conta de gestão florestal, que promova o investimento e a estabilidade financeira nas explorações florestais, assegurando um benefício fiscal a quem quer reinvestir os seus rendimentos;
    • garantindo um programa de fundos europeus adequado, em termos de taxas de apoio e de montantes globais afectos.

Para que a evolução que todos procuramos seja mais efectiva o que é preciso então juntar à “Reforma” que o governo propõe?

  1. Planeamento de qualidade, o que implica a suspensão imediata do processo de elaboração dos PROF de modo a que o mesmo incorpore os dados o IFN 6 e não dados completamente desatualizados do IFN 5, que foram recolhidos há mais de 10 anos;
  2. Época dos fogos de Inverno”, a fase chave dos incêndios, em que se garanta a coordenação entre prevenção estrutural e preparação para combate aos incêndios florestais, conhecendo e tornando mais resiliente durante o Inverno o território que teremos que defender no Verão;
  3. Utilização adequada do Fundo Florestal Permanente, direcionando-o para a floresta, como foi criado;
  4. Incentivos fiscais adequados, que desincentivem o fraccionamento e promovam o investimento;
  5. Reinventar a Medida 8 do PDR-2020, numa aposta real no investimento florestal, com instrumentos de política que a tornem mais abrangente em termos territoriais e mais incisiva nos ganhos que pode alavancar;
  6. Seguros florestais, a um custo aceitável, assegurando mais investimento em novas plantações com menor risco;
  7. Sensibilização, formação e extensão, combatendo os usos negligentes;
  8. Apoiar a investigação, especialmente a das espécies florestais autóctones, sobreiro e pinheiro manso, e os centros de excelência do conhecimento que estão em Portugal;

Temos na realidade duas grandes florestas em Portugal, no entanto cada uma delas extremamente diversa, a um nível quase micro-espacial, pelo que soluções únicas não provam e planos traçados a régua e esquadro, à escala 1:100.000, são incompatíveis com a heterogeneidade do nosso território.

Uma arde mais do que a outra, porque a estrutura da propriedade é muito frágil, como tal a rentabilidade é muito baixa e o investimento na gestão é quase impossível. Mas o risco de incêndio está lá, em toda a sua extensão.

Foi com este enquadramento que emergiu uma indústria líder a nível mundial nas suas fileiras mais representativas, se criou um forte movimento associativo, passámos a ordenar e gerir melhor e se estreitou a colaboração entre produtores florestais, as suas organizações e as autarquias.

A floresta precisa de alguma reforma, é verdade, mas o que precisa ainda mais é que os nossos políticos oiçam as vozes que de lá soam …

 

António Gonçalves Ferreira

Presidente da Direcção

UNAC – União da Floresta Mediterrânica

Comente este artigo
Anterior Boas práticas na gestão de eucaliptal
Próximo EU would be foolish to turn down 'offer' of UK free trade agreement, says minister

Artigos relacionados

Últimas

Alho – Cânfora dos pobres – Bruno Estêvão

As origens do alho remontam a cerca de 6.000 anos. Há imprecisão e controvérsia na definição da sua origem, que pode ter sido a Europa mediterrânea ou o continente asiático. A maioria dos estudos indica a Ásia como local de origem do alho. Julga-se que tenha surgido no deserto da Sibéria, […]

Opinião

Também no (Sector do) Leite se constroem muros… – João Freire

Foi publicado em Diário da República, no passado dia 9 de Junho, o Decreto-Lei n.º 62/2017, que “estabelece o regime aplicável à composição, rotulagem e comercialização do leite, dos produtos derivados do leite e aos produtos extraídos do leite”. Entre outras obrigações, estabelece a da indicação (nas embalagens) da origem do leite utilizado como ingrediente nos produtos lácteos, […]

Opinião

O Referencial GLOBALG.A.P., uma “nova” oportunidade para os Produtores Agrícolas – João Rodrigues

Cada vez mais se ouve falar de GLOBALG.A.P., mas muitos agricultores e produtores agrícolas ainda desconhecem as vantagens desta certificação que ao ser voluntária a sua implementação lhe transmite uma característica diferenciadora […]