Secretário de Estado da Proteção Civil satisfeito com a Operação Floresta Segura

Secretário de Estado da Proteção Civil satisfeito com a Operação Floresta Segura

O secretário de Estado da Protecção Civil elogiou esta quinta-feira a forma como está a decorrer a operação Floresta Segura 2019, da GNR, que, até ao momento, envolveu 7237 patrulhas e percorreu mais de 562 mil quilómetros.

Em declarações à agência Lusa, José Artur Neves salientou que os militares da GNR do Serviço de Protecção da Natureza e do Ambiente e do Grupo de Intervenção de Protecção e Socorro realizaram 4000 acções de sensibilização, que envolveram 66 mil pessoas.

“O reflexo deste trabalho é extraordinário. A reacção que nos transmitem é que a aceitação destas obrigações [de limpeza] é muito boa e sentimos que a população portuguesa e os autarcas estão muito mais envolvidos com esta tarefa, que é obrigatória desde 2006”, disse o governante.

Segundo José Artur Neves, este ano “já não se sente muitas reacções negativas, antes pelo contrário” nas abordagens do dispositivo da GNR que está a percorrer as 1142 freguesias distribuídas por 190 municípios identificados como tendo lugares em risco.

“Sente-se, este ano, que há outro conhecimento relativamente a esta disposição legal e também mais empresas a prestar o serviço nos meios rurais, além de que se sente que a população e municípios se preparam melhor e que há outra cultura de segurança enraizada nos portugueses”, sublinhou.

Salientando que há “ainda muito trabalho para fazer”, o secretário de Estado da Protecção Civil referiu que, até final de Março, ficará concluído o levantamento cartográfico em todas as 1142 freguesias e ainda em outras que não estavam identificadas como estando em risco.

A partir de 1 de Abril, as forças de segurança voltam ao terreno para verificar o que continua ou não em incumprimento e nessa altura serão levantados autos de contra-ordenação e informados os municípios para garantirem a limpeza nos meses de Abril e Maio.

José Artur Neves adiantou ainda à agência Lusa que, actualmente, no país, existem mais de 1600 locais com oficiais de segurança de aldeia instituídos, “o que é absolutamente notável, num projecto que começou há um ano”, no âmbito do projecto “Aldeias Seguras, Pessoas Seguras”.

“Este programa é fundamental para complementar a segurança das faixas de gestão de combustível, porque muitas vezes, e nós percebemos os fenómenos de hoje em dia, muitas vezes os 100 metros limpos em volta da aldeia são insuficientes para garantir a segurança”, frisou.

Continue a ler este artigo no Público.

Comente este artigo
Anterior Brexit: Exportações agroalimentares e agroflorestais representam 575 milhões de euros anuais
Próximo Produtores florestais querem que custos da limpeza dos terrenos sejam imputados aos contribuintes

Artigos relacionados

Últimas

No Tejo, Espanha deve cumprir com Portugal o mesmo a que se obriga internamente

A semana passada ficou marcada por mais um stress hídrico no Tejo. Parece um déjà vu, uma repetição daquilo que aconteceu na seca de 2017. […]

Nacional

Faro é «a capital do mar» durante a terceira edição da Farnáutica

A terceira edição da Farnáutica – Mostra do Mar e da Náutica, a realizar-se de 5 (sexta-feira) a 7 de Maio (domingo), […]

Nacional

João Gonçalves: Norte e Centro “de fora dos apoios comunitários” para a floresta

João Gonçalves, presidente da associação Centro Pinus, que reúne os principais agentes da fileira do pinho, fala de desigualdade entre regiões no acesso aos fundos comunitários como um dos […]