Seca: Governo disponibiliza 3 milhões de euros para apoiar agricultores

Seca: Governo disponibiliza 3 milhões de euros para apoiar agricultores

O Governo vai disponibilizar, a partir de segunda-feira, mais três milhões de euros para apoiar investimentos de agricultores com explorações situadas em municípios em seca extrema ou severa, foi anunciado esta sexta-feira.

“O principal objetivo desta medida é promover a mitigação dos efeitos da seca extrema e severa como fenómeno climático adverso, através do apoio a investimentos específicos nas explorações em que a escassez de água compromete o maneio do efetivo pecuário, em particular, o abeberamento dos animais e a manutenção das culturas permanentes instaladas”, indicou, em comunicado, o Ministério da Agricultura.

Para este apoio são assim elegíveis investimentos cujos montantes oscilem entre 1.000 euros e 40.000 euros.

De acordo com o ministério tutelado por Capoulas Santos, este apoio aplica-se aos municípios de Albufeira, Alcoutim, Castro Marim, Faro, Loulé, Olhão, São Brás de Alportel, Tavira, Vila do Bispo e Vila Real de Santo António, todos em seca extrema.

Esta ajuda é igualmente extensível aos municípios em seca severa, como Alandroal, Alcácer do Sal, Alcochete, Aljezur, Aljustrel, Almodôvar, Alvito, Arronches, Barrancos, Barreiro, Beja, Benavente, Borba, Campo Maior, Castro Verde, Coruche, Cuba, Elvas, Estremoz, Évora, Ferreira do Alentejo, Grândola, Lagoa e Lagos.

Nesta situação encontram-se ainda os municípios de Mértola, Moita, Monchique, Monforte, Montemor-o-Novo, Montijo, Moura, Mourão, Odemira, Ourique, Palmela, Portel, Portimão, Redondo, Reguengos de Monsaraz, Santiago do Cacém, Seixal, Serpa, Sesimbra, Setúbal, Silves, Sines, Vendas Novas, Viana do Alentejo, Vidigueira e Vila Viçosa.

“Só no início de junho ficaram reunidas as condições meteorológicas para que o Governo português pudesse desencadear esta nova medida, a par de um conjunto de pedidos de derrogação junto da Comissão Europeia”, sublinhou o executivo.

Em causa está, por exemplo, “a possibilidade de permitir o pastoreio em terras de pousio sem qualquer penalização”.

Adicionalmente, segundo o Governo, já está assegurado o pagamento adiantado de, pelo menos, 420 milhões de euros de apoios comunitários para o mês de outubro.

“Está igualmente aberta uma linha de crédito para apoio à alimentação animal, que tem disponível um montante global de 3,4 milhões de euros”, lê-se no documento.

Trata-se de uma linha garantida a 70% pelo Estado, “com um ano de período de carência, à qual poderão recorrer explorações pecuárias com o estatuto de micro-empresa ou PME [pequenas e médias empresas], em valores que podem ir até aos 750 mil euros por empresa”.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Observador .

Anterior UE dá 120 M€ em apoio aos apicultores até 2022
Próximo Pourquoi le glyphosate est un faux problème de santé publique

Artigos relacionados

Comunicados

Agricultores  afetados  pelos incêndios 

Os agricultores e produtores florestais afetados pelos incêndios entre Julho e  Outubro de 2017 consideram insuficientes, e mesmo desadequadas, as medidas de apoio (umas avançadas  e outras anunciadas) pelo Governo, […]

Últimas

Incêndio em Arouca mobiliza mais de 200 operacionais e seis meios aéreos

Mais de 200 operacionais, 60 viaturas e seis meios aéreos combatiam, pelas 16h10, um incêndio que deflagrou na tarde desta quarta-feira em Urrô, […]

Últimas

Aplicação de ecotaxas na UE confronta-se com dificuldades e contestação

O desenvolvimento de taxas com justificação ecológica, as designadas ecotaxas, cuja aplicação a França tenciona acentuar a partir de 2020, confronta-se com dificuldades na União Europeia (UE), […]