“Se não chover nos próximos dias, estamos perdidos”

“Se não chover nos próximos dias, estamos perdidos”

Produtores de gado transmontanos estão inquietos. Já falta água e comida para os animais e, sem precipitação, o próximo ano agrícola pode estar em risco.

A apreensão estende-se a todas as subregiões. A falta de chuva está a afetar a atividade agrícola em Trás-os-Montes e a deixar preocupados sobretudo os produtores de gado, que temem não conseguir alimentar os animais.

“Isto vai de mal a pior. Os pastos estão secos e os animais já quase não têm que comer no campo”, diz à Renascença Manuel dos Santos.

Com uma exploração de 50 vacas de raça barrosã, no concelho de Montalegre, Manuel dos Santos teme ter de vender os animais se a seca se mantiver. “Não tenho outro remédio que não seja vender algumas vacas, porque o feno e a palha que armazenei não dá para todas”, desabafa, cruzando os braços em atitude de resignação.

Em Chaves, o pastor António Correia guarda as suas 200 ovelhas num terreno onde já não é fácil encontrar vegetação verde. Encostado ao cajado manifesta tristeza e desalento. “Se não chover nos próximos dias estamos perdidos. Elas [as ovelhas] até andam acabrunhadas, porque já não encontram que comer e em casa não tenho nada para lhes dar. Isto está muito mau.”

António vive do rebanho e de uma pensão de 200 euros. Nem quer pensar em vender os animais, mas diz que não terá outro remédio se não houver pastos. “O gado é a minha sobrevivência e, se tiver que me desfazer dele, o que será de mim?” É ele quem responde de imediato à própria pergunta: “Olhe, vou ter que me deitar a pedir para dar de comer à mulher e aos filhos.”

Também os criadores de gado ovino e bovino do Planalto Mirandês estão apreensivos face ao futuro das suas explorações pecuárias.

Andrea Cortinhas, secretária técnica da Associação Nacional de Criadores de Ovinos de Raça Churra Mirandesa (ANCORM), explica à Renascença que, “por esta altura do ano, já deveria ter chovido, as sementeiras estão feitas e os nossos lameiros, que alimentam o gado, não têm erva suficiente”.

Segundo a técnica, “a falta de chuva, nesta altura, coloca em causa a produção de alimento para os animais, o que leva a que produtores tenham de gastar mais dinheiro na compra de forragens e farinhas, para fazer face a uma eventual escassez”.

A zootécnica acrescenta que “as terras estão adubadas e é preciso água para que as culturas se possam desenvolver”. Contudo, “os lençóis freáticos estão quase secos e os ribeiros já mal correm”.

É “um panorama que poderá ficar pior do que o que aconteceu em 2017 e 2018”, ressalta Andrea Cortinhas, referindo-se ao período em que a seca produziu “efeitos nefastos no efetivo dos ovinos de Raça Churra Galega Mirandesa”.

“A continuar assim, vamos ter um ano de fome”

No Planalto Mirandês, as preocupações com a falta de água estendem-se aos produtores de bovinos de raça mirandesa. O secretário técnico da Associação de Produtores de Raça Bovina Mirandesa, Válter Raposo, reforça que “choveu muito pouco este ano”, o que “vai refletir-se nas pastagens”.

“O pouco pasto que há está adiantado para a época. Mesmo que venha alguma chuva, a produção de alimento para o gado continua comprometida.”

A falta de chuva preocupa também os agricultores que, por esta altura, já deveriam estar a plantar batatas e hortícolas. Na veiga de Chaves, encontramos Américo e Natércia. Preparam-se para, com a enxada, abrir os regos para plantarem a batata. Os seus rostos cobertos de pó denunciam a “secura do terreno”.

“Estamos a deitar as batatas à terra, mas não sei se vale a pena”, diz Américo à Renascença. “A terra está tão seca que o mais certo é não chegarem a nascer.”

Natércia acrescente que, devido à falta de água, ainda não plantou “o cebolo nem as couves”. “No ano passado, por esta altura, já tinha cebolinhas novas e este ano ainda nem sequer estão plantadas”, desabafa. Também ela acredita que os produtores agrícolas da região podem ter a sina traçada: “A continuar assim, vamos ter um ano de fome.”

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Rádio Renascença.

Anterior Governo estende prazo para apoiar produtores florestais afetados pela tempestade Leslie
Próximo Olona apuesta por eliminar los derechos históricos para favorecer el acceso de los jóvenes al sector

Artigos relacionados

Cotações ES

Estabilidad en el mercado de las canales de vacuno


Repeticiones generalizadas de las cotizaciones de las canales de vacuno, en un mercado más estable. La demanda de este tipo de carne es importante en estos momentos, […]

Últimas

PJ deteve suspeito de atear fogo florestal em Ovar

A Polícia Judiciária (PJ) de Aveiro deteve um homem de 50 anos suspeito de ter ateado um incêndio florestal no passado mês de maio no concelho de Ovar, […]

Últimas

Empresa albanesa de produção e processamento de azeitonas procura parceiros

Uma empresa albanesa que actua na apanha, conservação, embalagem e comercialização de diversos produtos alimentares,e tem como principal actividade a produção e processamento de azeitonas, […]