Reino Unido devolve 1400 toneladas de frango com salmonela ao Brasil

Reino Unido devolve 1400 toneladas de frango com salmonela ao Brasil

O Reino Unido devolveu 1.400 toneladas de frango do Brasil devido à presença da bactéria salmonela, indicou a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento brasileira, na quarta-feira, em conferência de imprensa.

De acordo com Tereza Cristina, num intervalo de 15 meses, o Reino Unido devolveu 16 contentores de frango com salmonela e um contentor com problemas na refrigeração da carne, totalizando 1400 toneladas de aves.

A governante abordou o assunto depois uma reportagem, publicada na quarta-feira e realizada em parceria com a ONG Repórter Brasil e a organização Bureau of Investigative Journalism, dando conta que o país sul-americano teria “exportado milhares de toneladas de frango contaminado com salmonela nos últimos dois anos”, sendo que mais de “um milhão dessas aves” teriam sido enviadas para o Reino Unido.

A Repórter Brasil acrescenta ainda que o frango vetado entre Abril de 2017 e Novembro de 2018 no Reino Unido voltou para o Brasil e acabou revendido no mercado brasileiro.

“No mercado brasileiro, o produto vetado pode seguir dois caminhos, a depender do tipo de salmonela presente. Se forem bactérias com risco potencial à saúde humana – o que acontece em menos de 1% dos casos, segundo o Ministério da Agricultura –, o frango contaminado é cozido, e a carne é processada em subprodutos, como nuggets, salsichas, linguiças e mortadelas de frango”, afirmou a ONG.

“Já se a contaminação for por bactérias que, de acordo com os padrões brasileiros, não apresentam riscos à saúde, o produto in natura é colocado no mercado interno e chega aos talhos e supermercados”, acrescentou a Repórter Brasil, depois de ter pedido esclarecimentos à pasta da Agricultura e à Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA).

Segundo a ministra, a decisão sobre o que é feito com o produto devolvido é do fornecedor.

Tereza Cristina destacou ainda, na conferência de imprensa difundida no ‘site’ do Ministério, que a presença da bactéria de salmonela não coloca em risco a saúde do consumidor caso o produto seja cozinhado.

“Se cozinhar, fritar ou assar não tem problema nenhum. As salmonelas existem, não há problema nenhum”, disse a governante.

O Brasil é o maior exportador da carne do mundo, enviando, em média, 337 mil toneladas de frango por mês para o exterior.

Aos jornalistas, a ministra comentou ainda o acordo comercial entre a União Europeia e os países do Mercosul, declarando que não vê entraves às exportações brasileiras.

Tereza Cristina frisou que já existem exigências sanitárias na relação entre os países em causa, e que o acordo não trará mais riscos nesse sentido.

“Acho que não muda nada para nós porque onde a produção está, ela tem que estar legalizada. O Brasil tem leis ambientais, como o Código Florestal, e temos que exigir o cumprimento da lei”, declarou.

O acordo comercial entre os dois blocos económicos, assinado na sexta-feira passada, depois de 20 anos de negociações, prevê o fim da maioria das taxas de importação entre os países da União Europeia e do Mercosul (Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai) e acesso preferencial por meio de quotas.

Os países signatários comprometem-se também a implementar e cumprir o acordo climático de Paris, que prevê limites à emissão de gases do efeito estufa e um suporte financeiro de países ricos aos mais pobres para se adaptarem às mudanças climáticas e adoptarem energias renováveis.

Tereza Cristina anunciou também a criação de um fundo para ajudar na modernização da indústria de vinhos e espumantes brasileiros, com o intuito de a tornar mais competitiva diante dos produtos do mercado europeu, que começarão a chegar ao Brasil com benefícios fiscais.

No caso do vinho, o imposto actual, de 27,5%, chegará a zero no prazo de oito anos.

O acordo precisa ainda de ser aprovado pelos parlamentos dos países de cada um dos blocos.

Continue a ler este artigo no Público.

Comente este artigo
Anterior Estudo mostra onde é fundamental reflorestar para melhorar clima
Próximo Só de trigo mole terão sido contratadas 4.5MT

Artigos relacionados

Sugeridas

Agricultores pedem mudanças na gestão da água de Alqueva

Agricultores querem garantia de água para os precários que instalaram culturas intensivas, aumento das afluências vindas de Espanha e mais capacidade de bombagem em Alqueva. […]

Últimas

Oferta de emprego – Enólogo – Alcácer do Sal

Descrição: A Herdade da Comporta está a recrutar um enólogo para a sua equipa de Enologia. […]

Nacional

Solos contaminados. Falta de legislação específica custou 45 milhões a Portugal

O valor é avançado pelo presidente da Agência Portuguesa do Ambiente, que há seis anos espera que a proposta que apresentou seja aprovada. Nuno Lacasta refere que a não aprovação, […]