Reino Unido devolve 1400 toneladas de frango com salmonela ao Brasil

Reino Unido devolve 1400 toneladas de frango com salmonela ao Brasil

O Reino Unido devolveu 1.400 toneladas de frango do Brasil devido à presença da bactéria salmonela, indicou a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento brasileira, na quarta-feira, em conferência de imprensa.

De acordo com Tereza Cristina, num intervalo de 15 meses, o Reino Unido devolveu 16 contentores de frango com salmonela e um contentor com problemas na refrigeração da carne, totalizando 1400 toneladas de aves.

A governante abordou o assunto depois uma reportagem, publicada na quarta-feira e realizada em parceria com a ONG Repórter Brasil e a organização Bureau of Investigative Journalism, dando conta que o país sul-americano teria “exportado milhares de toneladas de frango contaminado com salmonela nos últimos dois anos”, sendo que mais de “um milhão dessas aves” teriam sido enviadas para o Reino Unido.

A Repórter Brasil acrescenta ainda que o frango vetado entre Abril de 2017 e Novembro de 2018 no Reino Unido voltou para o Brasil e acabou revendido no mercado brasileiro.

“No mercado brasileiro, o produto vetado pode seguir dois caminhos, a depender do tipo de salmonela presente. Se forem bactérias com risco potencial à saúde humana – o que acontece em menos de 1% dos casos, segundo o Ministério da Agricultura –, o frango contaminado é cozido, e a carne é processada em subprodutos, como nuggets, salsichas, linguiças e mortadelas de frango”, afirmou a ONG.

“Já se a contaminação for por bactérias que, de acordo com os padrões brasileiros, não apresentam riscos à saúde, o produto in natura é colocado no mercado interno e chega aos talhos e supermercados”, acrescentou a Repórter Brasil, depois de ter pedido esclarecimentos à pasta da Agricultura e à Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA).

Segundo a ministra, a decisão sobre o que é feito com o produto devolvido é do fornecedor.

Tereza Cristina destacou ainda, na conferência de imprensa difundida no ‘site’ do Ministério, que a presença da bactéria de salmonela não coloca em risco a saúde do consumidor caso o produto seja cozinhado.

“Se cozinhar, fritar ou assar não tem problema nenhum. As salmonelas existem, não há problema nenhum”, disse a governante.

O Brasil é o maior exportador da carne do mundo, enviando, em média, 337 mil toneladas de frango por mês para o exterior.

Aos jornalistas, a ministra comentou ainda o acordo comercial entre a União Europeia e os países do Mercosul, declarando que não vê entraves às exportações brasileiras.

Tereza Cristina frisou que já existem exigências sanitárias na relação entre os países em causa, e que o acordo não trará mais riscos nesse sentido.

“Acho que não muda nada para nós porque onde a produção está, ela tem que estar legalizada. O Brasil tem leis ambientais, como o Código Florestal, e temos que exigir o cumprimento da lei”, declarou.

O acordo comercial entre os dois blocos económicos, assinado na sexta-feira passada, depois de 20 anos de negociações, prevê o fim da maioria das taxas de importação entre os países da União Europeia e do Mercosul (Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai) e acesso preferencial por meio de quotas.

Os países signatários comprometem-se também a implementar e cumprir o acordo climático de Paris, que prevê limites à emissão de gases do efeito estufa e um suporte financeiro de países ricos aos mais pobres para se adaptarem às mudanças climáticas e adoptarem energias renováveis.

Tereza Cristina anunciou também a criação de um fundo para ajudar na modernização da indústria de vinhos e espumantes brasileiros, com o intuito de a tornar mais competitiva diante dos produtos do mercado europeu, que começarão a chegar ao Brasil com benefícios fiscais.

No caso do vinho, o imposto actual, de 27,5%, chegará a zero no prazo de oito anos.

O acordo precisa ainda de ser aprovado pelos parlamentos dos países de cada um dos blocos.

Continue a ler este artigo no Público.

Comente este artigo
Anterior Estudo mostra onde é fundamental reflorestar para melhorar clima
Próximo Só de trigo mole terão sido contratadas 4.5MT

Artigos relacionados

Sugeridas

Previsões agrícolas do INE: Produção forrageira inferior ao normal em Maio de 2019

Previsões agrícolas do INE, Maio 2029
As condições meteorológicas ocorridas ao longo do mês de Maio contribuíram para a rápida perda de humidade das pastagens e forragens, […]

Últimas

6 anos após da inauguração, Barragem de Veiros regista o primeiro enchimento e já está a descarregar

Inaugurada em maio de 2015 a Barragem de Veiros, no concelho de Estremoz, começou hoje a fazer descargas pela primeira vez, o que significa que atingiu a sua cota máxima. […]

Cotações PT

Cotações – Coelhos – 5 a 11 de abril 2021

Na semana em análise as cotações médias nacionais do coelho vivo (de 2,2 a 2,5 kg) e do coelho abatido (de 1,1 a 1,3 kg), mantiveram-se novamente estáveis em relação à semana anterior. […]