Só de trigo mole terão sido contratadas 4.5MT

Só de trigo mole terão sido contratadas 4.5MT

No intuito de percebermos melhor os objetivos e requisitos da marca “Cereais do Alentejo” estivemos à conversa com o presidente da ANPOC, José Palha. Começa por elucidar que para os agricultores poderem fornecer cereal à Marca “é necessário que pertençam a uma OP associada da ANPOC, que utilizem semente certificada da Lista de Variedades Recomendadas (LVR) e que aceitem ser acompanhados e auditados pela entidade certificadora que acompanha a marca”.
Já sobre as vantagens de se estar associado à Marca, José Palha recorda que “vivemos num mundo global, em que o mercado há muito deixou de ser local”. E se outros países, com condições edafoclimáticas mais favoráveis para a produção de cereais conseguem produzir quantidade, Portugal tem a qualidade que a indústria há muito reconhece. “Queremos que o consumidor também reconheça essa qualidade” reforça o dirigente, apontando alguns objetivos desta iniciativa, como valorizar aquilo que é nosso e obter o melhor preço, oferecendo naturalmente um produto de qualidade, diferenciado e certificado. Ou seja “queremos um produto diferenciado dando valor à Confiança e Rastreabilidade (Certificação e Lista de Variedades Recomendadas), Qualidade e Naturalidade (3% menos água, sem micotoxinas; menor intensidade de fitofármacos; produto do ano); Produzido no Alentejo; Clima quente e seco e ainda respeito pelo ciclo natural (cultura de Outono/Inverno)”.

Neste momento o cereal mais relevante é o trigo mole

Neste momento o cereal mais relevante, com uma quantidade mais significativa já comercializada através de acordos com as grandes superfícies, é o trigo mole (TM) para panificação, que nesta campanha terá já contratadas 4.5MT. Segue-se o trigo duro para massas, que já teve uma edição limitada experimental, produzida pela Nacional, muito bem sucedida junto do consumidor. Em relação à cevada dística para cerveja, desenvolvem-se trabalhos com as duas grandes marcas nacionais para formalizar o fornecimento.
“Ainda em fase experimental com a Sonae, fornecemos uma pequena quantidade de  triticale para panificação. Este, que até agora foi considerado como um cereal sem aptidão panificável e utilizado exclusivamente na alimentação animal, veio afinal a revelar-se um cereal com grande potencial. As expectativas são de que a utilização deste cereal seja um sucesso” (ver página 30).
A partir desta ação a expectativa é que a própria produção venha a aumentar e é convicção da ANPOC que “ao conseguir uma maior segurança no preço e uma maior estabilidade através de contratos anuais, se diminua a dependência do preço de mercado que é extremamente volátil e, assim, o interesse pela cultura aumente”.

Para ler na íntegra na Voz do Campo n.º 228 (julho 2019)

Uma forma de fazer a diferença num mundo global

O artigo foi publicado originalmente em Voz do Campo.

Comente este artigo
Anterior Reino Unido devolve 1400 toneladas de frango com salmonela ao Brasil
Próximo Cada semente é um excelente produto com um enorme potencial de crescimento

Artigos relacionados

Nacional

Procuradoria russa diz que dados de fogos florestais na Sibéria foram falseados

Vários dados estatísticos sobre os fogos florestais que nas últimas semanas afetam diversas regiões da Sibéria foram manipulados por autoridades locais, […]

Nacional

Prémio de 10.000 euros para projectos de inovação agro-alimentar

O Instituto Europeu de Inovação e Tecnologia, da Comissão Europeia, está a premiar projectos inovadores na área agro-alimentar através do EIT Food, […]

Últimas

Vice-ministro da Agricultura da China eleito para dirigir a FAO

Qu Dongyu sucederá a Graziano Silva na direcção da FAO a partir de 1 de Agosto

O vice-ministro da Agricultura da China, […]