Publicado despacho que identifica as 1002 freguesias prioritárias para a fiscalização da gestão de combustível

Publicado despacho que identifica as 1002 freguesias prioritárias para a fiscalização da gestão de combustível

Está já publicado, em Diário da República, o despacho que identifica as 1002 freguesias prioritárias para a fiscalização da gestão de combustível, no âmbito da defesa da floresta contra incêndios.

A identificação destas freguesias prioritárias permite uma eficiente utilização dos recursos humanos e técnicos das entidades envolvidas na fiscalização do cumprimento das regras de limpeza dos terrenos, num contexto de enorme pressão sobre os recursos públicos decorrente do combate à pandemia de Covid-19 e quando está em causa uma dimensão territorial que excede os 6 milhões de hectares.

No entanto, o despacho da Secretária de Estado da Administração Interna, Patrícia Gaspar, e do Secretário de Estado da Conservação da Natureza, das Florestas e do Ordenamento do Território, João Paulo Catarino, sublinha que o estabelecimento de prioridades não isenta os agentes fiscalizadores de avaliar o cumprimento de todas as regras previstas legalmente, não limitando a fiscalização às áreas e períodos referidos.

Assim, são prioritárias, para efeitos de fiscalização, as 1002 freguesias identificadas no despacho, de acordo com os seguintes prazos:

– Entre 16 maio e 30 de junho de 2021 – os terrenos confinantes a edifícios em espaços rurais (numa faixa de 50 metros) e os aglomerados populacionais, parques de campismo, parques industriais, plataformas de logística e aterros sanitários em espaços florestais (numa faixa de 100 metros).

– Entre 1 e 30 de junho de 2021 – nas redes viária, ferroviária e nas linhas de transporte e distribuição de energia elétrica em muito alta e alta tensão (numa faixa de 10 metros para cada um dos lados), bem como nas linhas de distribuição de energia elétrica em média tensão e na rede de transporte de gás natural (numa faixa de 7 metros para cada um dos lados).

Comunicado enviado pelo Governo.

Comente este artigo
Anterior IFAP: Pagamentos março 2021
Próximo O que tem um trabalhador agrícola imigrante em Portugal a ver com as alterações climáticas?

Artigos relacionados

Últimas

Produtores reagem: tirar carne de vaca das cantinas é decisão “infundada”, “alarmista” e “autoritária”

Várias associações do sector criticaram já o anúncio da Universidade de Coimbra de eliminar a carne de vaca das cantinas universitárias a partir de Janeiro de 2020. […]

Últimas

RIAAC-AGRI – Rede de impacto e adaptação às alterações climáticas nos sectores agrícola, agroalimentar e florestal

Transferência de boas práticas e novos conhecimentos para qualificar as empresas e a intervenção dos agentes de desenvolvimento rural no […]

Sugeridas

Agência para a Gestão Integrada de Fogos Rurais visita proprietários florestais de Oleiros

Técnicos do Município de Oleiros, técnicos da AGIF — Agência para a Gestão Integrada de Fogos Rurais e proprietários florestais do concelho de Oleiros, […]