PSD troca PCP pelo PS no banco de terras sem dono conhecido

PSD troca PCP pelo PS no banco de terras sem dono conhecido

[Fonte: Público]

O PSD está disponível para viabilizar o regime simplificado de cadastro predial proposto pelo Governo, mais conhecido pelas terras sem dono, depois de ter negociado nos últimos dias com os socialistas, confirmou ao PÚBLICO o deputado social-democrata, António Costa e Silva.

“Sentimos disponibilidade do PS para alterar” a proposta inicial, explica o deputado, salientando que as três condições apresentadas pelo PSD estão no bom caminho para serem aceites. O partido de Rui Rio defende que não haja inversão do ónus da prova (que não seja o Estado a decretar o abandono da terra), que haja mais publicitação da necessidade de actualizar o cadastro através dos meios de informação e que se ajustem os prazos inicialmente avançados pelo Governo. 

O assunto será debatido amanhã na comissão parlamentar de Ordenamento do Território, onde também será de novo votada uma iniciativa do PCP para suspender por 10 anos o decreto-lei sobre terras sem dono conhecido. Este projecto chegou a ser aprovado na generalidade com o apoio do PSD e do BE (a chamada coligação negativa), levando o Governo a suspender a sua ideia do banco de terras sem dono. Mas agora essa aliança será desfeita, fruto da aproximação entre PSD e PS. Amanhã, o PSD já não dará a mão ao PCP.

O deputado João Marques, do PS, que negociou com o PSD esta matéria nos últimos dias, esteve ontem indisponível para falar com o PÚBLICO sobre o tema.

Na altura em que a proposta do PCP foi aprovada, o ministro da Agricultura, Capoulas Santos, reagiu à coligação negativa com indignação: “É incompreensível”.

“Urgente”

O projecto do banco de terras sem dono que ao fim de 15 anos podem reverter para o Estado fazia parte da reforma da floresta, lançada pelo Governo na sequência dos graves incêndios florestais de 2017. 

A inexistência de um cadastro, que permita conhecer todos os proprietários dos terrenos, sobretudo em zonas de minifúndio, tem sido apontado como um dos problemas urgentes a resolver no âmbito da política de prevenção de fogos.

A ausência de dados sobre os donos do terreno, um problema que afecta sobretudo o Norte e Centro do país, precisamente as zonas mais fustigadas pelos incêndios, dificulta a gestão das áreas florestais.

Perante proprietários ausentes, as Zonas de Intervenção Florestal ou as Unidades de Gestão Florestal foram instrumentos criados para garantir que uma determinada zona é gerida, o material combustível é cortado e as plantações são planeadas com escala. Para isso, o dono do terreno tem de entregar a gestão da sua propriedade às comissões responsáveis por estas unidades territoriais. Mas se não se souber de quem são todos os terrenos, a intenção de criar territórios contínuos intervencionados cai por terra, obtendo-se apenas uma manta de retalhos cheio de buracos.

Comente este artigo

O artigo PSD troca PCP pelo PS no banco de terras sem dono conhecido foi publicado originalmente em Público.

Anterior Capoulas: Vai ser feito estudo. Investimento em olival em Alqueva não está proibido
Próximo Regantes precários no EFMA

Artigos relacionados

Cotações ES

La estabilidad se instala en el mercado de las canales de vacuno

[Fonte: Agropopular – Cotações]

Comente este artigo
#wpdevar_comment_4 span,#wpdevar_comment_4 iframe{width:100% !important;}O artigo La estabilidad se instala en el mercado de las canales de vacuno foi publicado originalmente em Agropopular – Cotações. […]

Comunicados

Gin do Ribatejo destila prata e bronze para Portugal na prestigiada “International Wine & Spirit Competition”

 
Gotik, o primeiro gin ribatejano, conquistou para Portugal a medalha de prata, na categoria de London Dry 40%, […]

Nacional

Montiqueijo reconhecida como empresa Eco-Friendly

[Fonte: Agricultura e Mar]
A Montiqueijo acaba de acrescentar um novo prémio ao seu palmarés. A produtora portuguesa de queijos, […]