Agricultores contra fim de apoios comunitários ao olival no Alqueva

Agricultores contra fim de apoios comunitários ao olival no Alqueva

A Federação das Associações de Agricultores do Baixo Alentejo (FAABA) alertou hoje que o fim dos apoios comunitários a novos projetos de olival e agroindústrias associadas “pode ter consequências graves” no aumento do regadio no Alqueva.

Num comunicado enviado à agência Lusa, a FAABA refere que “não pode concordar” com a decisão do ministro da Agricultura, Capoulas Santos, de acabar com a concessão de apoios, no âmbito do atual quadro de fundos comunitários, a novos projetos para instalação de olival ou agroindústrias associadas no perímetro do Alqueva, no Alentejo, por a considerar “contraditória, desadequada e irrealista”.

Por outro lado, alerta, a decisão “pode ter consequências graves” no “futuro aumento do regadio do Alqueva, por promover culturas mais consumidoras de água”, e “na adaptação ao regadio da pequena propriedade, em que a cultura do olival se posiciona como a principal opção”.

A decisão foi anunciada por Capoulas Santos, no dia 12 deste mês, na Assembleia da República, no início de um debate de urgência sobre impactos negativos de culturas intensivas e superintensivas requerido pelo Partido Ecologistas “Os Verdes”.

Segundo a FAABA, o discurso do ministro na Assembleia da República “até começou muito bem, criticando a desinformação existente” e “as distorções sobre as consequências da prática da agricultura na zona do Alqueva” e “rebatendo (bem) determinadas ideias que têm sido publicamente invocadas para denegrir a cultura”.

Por isso, a federação diz que as associações e cooperativas de agricultores que a constituem “receberam com grande perplexidade” a decisão do ministro, que consideram “estranha” e dizem que vai “condicionar a plantação de novas áreas” de olival no perímetro do Alqueva.

A FAABA considera também que “houve precipitação” na decisão e, por isso, o ministro “não poderá contar com o apoio dos agricultores” que representa para “implementar” a medida, porque não poderão “admitir que haja discriminação negativa” do “importante setor” do olival.

“Um ministro que historicamente sempre apoiou o setor, quer pública, quer particularmente, que sempre discordou das vozes alarmistas, mal informadas e desconhecedoras da cultura, que têm dito e proclamado os maiores disparates sobre a olivicultura, vem agora, de repente, anunciar que não haverá mais ajudas, neste quadro comunitário, para apoiar a fileira olivícola”, lamenta a FAABA.

Segundo a federação, se Capoulas Santos “não acreditasse na importância e na continuidade do setor, não teria consentido na abertura de mais um concurso para a olivicultura, que terminou há bem poucos dias”, no dia 07 deste mês.

“É pois, no mínimo, estranha esta decisão”, frisa a FAABA, criticando a base da decisão do ministro, ou seja, o facto de já existirem cerca de 55 mil hectares de olival no perímetro do Alqueva e de o Governo entender que “mais do que 30% de uma única atividade no perímetro de rega começa a ser excessivo”.

“E se forem 40%, 50% ou 60%? Onde está a fundamentação técnica e científica para dizer que tal será prejudicial”, questiona.

A FAABA também crítica o facto de o ministro ter pedido à Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas do Alqueva (EDIA) para apresentar “um estudo que permita tomar decisões sobre a continuidade da mancha do olival”.

“Não vemos onde é que a EDIA tem competência técnico-científica” para apresentar o estudo, refere a FAABA, frisando tratar-se de “matérias relacionadas com o ordenamento do território, muito sensíveis, que deverão ser analisadas por especialistas e que poderão levantar outro tipo de questões”, nomeadamente como “serão ressarcidos os agricultores pelo facto de ficarem condicionados na escolha das culturas a praticar”.

O artigo foi publicado originalmente em Gazeta Rural.

Comente este artigo
Anterior Regantes precários no EFMA
Próximo CAPOLIB promoveu sessão sobre Empreendedorismo Agrícola

Artigos relacionados

Últimas

Grupo Luís Vicente com 15 mil toneladas de fruta vendidas este ano

Este ano o Grupo Luís Vicente produziu e comercializou 15 mil toneladas de fruta portuguesa e espera atingir quase 100 milhões de euros de faturação com impulso da marca Maria. […]

Últimas

Madeira. Há 10 anos, um temporal devastou a ilha e depois vieram os incêndios que a tornaram mais frágil

Dez anos após o temporal de 20 de fevereiro de 2010, muitas áreas da Madeira continuam vulneráveis face à eventual ocorrência de chuvas […]

Sugeridas

Novos focos de Xylella fastidiosa levam ao alargamento da Área Demarcada

A Direção Geral de Alimentação e Veterinária emitiu um novo Ofício Circular (12/2019) onde faz saber que prosseguem os trabalhos de prospeção oficial intensiva da bactéria Xylella fastidiosa, […]