PSD tem condições para aprovar proposta sobre terras sem dono conhecido

PSD tem condições para aprovar proposta sobre terras sem dono conhecido

O PSD disse esta segunda-feira que a viabilização da proposta de lei do Governo sobre terras sem dono conhecido vai depender da aceitação de três iniciativas sociais-democratas, nomeadamente a criação do regime simplificado do cadastro predial para os proprietários privados.

“Estamos claramente convencidos, neste momento, pelas informações que nos são dadas, que quer o PS, quer o Governo, estão disponíveis para aceitar as propostas que o PSD tem vindo a apresentar há algum tempo. Sendo assim, não temos razão nenhuma para inviabilizar, ou obstaculizar, de certa forma, aquilo que é o projecto do Governo”, afirmou o deputado do PSD António Costa Silva.

Em declarações à agência Lusa, o social-democrata explicou que a proposta de lei do Governo será viabilizada, “eventualmente, através de uma abstenção” do PSD, manifestando, assim, disponibilidade para alterar a votação da iniciativa do PCP de suspender o decreto-lei sobre terras sem dono conhecido.

Em causa está a aprovação, em votação indiciária, no grupo de trabalho parlamentar do sistema de informação cadastral simplificada, de uma proposta do PCP, apoiada pelo PSD e pelo BE, que suspende, por 10 anos, o decreto-lei do Governo para que as terras sem dono conhecido possam, ao fim de 15 anos, reverter para o Estado.

Na sequência da aprovação da proposta do PCP, o Governo defendeu que a suspensão do decreto-lei sobre terras sem dono põe em causa a reforma da floresta e apelou, em particular ao PSD, que reconsidere a votação indiciária.

Após o PSD ter manifestado abertura para um acordo com o Governo na questão das terras sem dono, o PS pediu o adiamento da votação, em 11 de Junho, da proposta do Governo para alargar o sistema de informação cadastral simplificada a todo o país, na comissão parlamentar de Ordenamento do Território, que é responsável pela ratificação das votações indiciárias, para que, depois, a proposta, com as respectivas alterações, suba a plenário para votação final global.

Registando como “questão essencial” a aproximação do PS às propostas do PSD, o deputado António Costa Silva destacou três iniciativas, designadamente o regime simplificado do cadastro predial para os privados, o investimento em mais publicitação sobre o processo de registo predial e o ajustamento dos prazos de revisão do decreto-lei aos prazos de avaliação do diploma.

“O mecanismo que está criado é só para o Estado e entendemos que deve ser ao contrário. […] Entendemos que deve ser criado um regime simplificado para que os privados possam, de uma forma muito simples, clarificar aquilo que é seu ou não é”, avançou o social-democrata, defendendo que os privados devem ser alertados para o registo da propriedade, tendo em conta as situações de heranças que se prolongam por muito tempo, de emigrantes que nunca trataram ou legalizaram as suas terras, e de população idosa e rural.

Para o PSD, “é fundamental haver muito mais publicitação sobre todo o processo de registo predial do que aquele que estava previsto por parte do diploma do Governo”, propondo mais publicitação nos canais internacionais utilizados pelos emigrantes, como por exemplo a RTP Internacional, que os consulados disponibilizem mais informação e que haja campanhas de informação nas redes sociais e nos órgãos de comunicação social.

“Esta publicitação, para que estes públicos, quer emigrantes, quer famílias que têm o seu património por tratar e por registar, e que o podem fazer, têm aqui um mecanismo de alerta que é fundamental”, sustentou António Costa Silva, considerando que “os privados não podem ficar penalizados daquilo que é seu”.

A ideia de ajustar os prazos de revisão do decreto-lei aos prazos de avaliação visa ajustamentos do próprio diploma “conforme cada uma das avaliações que forem sendo feitas”, para que a lei “funcione de uma forma célere e sirva, efectivamente, as pessoas”, referiu o social-democrata.

Na próxima quarta-feira, a comissão parlamentar de Ordenamento do Território retoma a votação sobre o sistema de informação cadastral simplificada a todo o território nacional, prevendo-se que a proposta de lei do Governo, incluindo a questão das terras sem dono conhecido, seja viabilizada com a abstenção do PSD.

Continue a ler este artigo no Público.

Comente este artigo
Anterior Cotações – Ovinos e Caprinos – Informação Semanal – 17 a 23 Junho 2019
Próximo Agricultores do Baixo Alentejo querem regantes precários incluídos na área beneficiada de Alqueva

Artigos relacionados

Últimas

PDR 2020. Alto Tâmega tem 130 mil euros para pequenos investimentos nas explorações agrícolas

Foto: Designed by rawpixel.com / Freepik

A ADRAT – Associação de Desenvolvimento da Região do Alto Tâmega, no âmbito do Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 (PDR 2020) tem 130 mil euros para apoio aos pequenos investimentos nas explorações agrícolas. […]

Últimas

Em segurança alimentar importa ser rigoroso – Manuel Chaveiro Soares

Ao ler as propostas do Prof. Costa Silva para o Programa de Recuperação Económica e Social 2020-2030, foi com surpresa que deparei com a intenção de promover os produtos alimentares mais […]

Nacional

Governo dos Açores pretende introduzir alterações no POSEI 2020

O Governo dos Açores pretende introduzir alterações no âmbito do POSEI 2020, tendo em vista a reestruturação da produção leiteira e a melhoria da eficiência das explorações nas ilhas de São Miguel, […]