PSD quer ouvir na AR gestora afastada do Programa de Desenvolvimento Rural

PSD quer ouvir na AR gestora afastada do Programa de Desenvolvimento Rural

O partido defende que a decisão do Governo acontece “numa altura crucial de encerramento” do PDR 2020, “face complexos desafios que a crise económica do Covid-19 veio trazer ao investimento agrícola”.

O PSD quer ouvir no parlamento a ex-gestora do Programa de Desenvolvimento Rural (PDR) Gabriela Freitas, questionando “a oportunidade” da opção do Governo de afastar a atual equipa.

Num requerimento esta segunda-feira divulgado e dirigido ao presidente da Comissão de Agricultura e Mar, os sociais-democratas defendem que a decisão do Governo, conhecida na sexta-feira, acontece “numa altura crucial de encerramento” do PDR 2020, “face aos novos e complexos desafios que a crise económica do Covid-19 veio trazer ao investimento agrícola”.

A opção da ministra da Agricultura, embora legítima, levanta dúvidas quanto à oportunidade”, defendem os deputados do PSD Emília Cerqueira e Ricardo Baptista Leite, que assinam o requerimento.

Por um lado, defendem, “está em risco a estabilidade das respostas criadas no PDR 2020 em resposta à crise económica do Covid-19”, acrescentando que, por o programa se encontrar na sua fase final, “é crucial imprimir elevado esforço técnico e experiência na sua conclusão”.

“Por último, estando previsto a manutenção da equipa em causa até 2022, não se alcança a necessidade de alteração repentina e parece não coincidir com as orientações de estabilidade e responsabilidade financeira”, consideram, justificando o pedido de audição da entidade gestora do programa na Assembleia da República para prestar esclarecimentos sobre a sua execução até junho de 2020.

O Ministério da Agricultura confirmou na sexta-feira que iria alterar a equipa de gestão PDR 2020 para “imprimir uma nova dinâmica” face à recuperação económica e ao novo período de programação de fundos europeus.

Confirma-se que a composição da equipa de gestão do PDR 2020 vai ser alterada”, indicou fonte oficial do ministério liderado por Maria do Céu Albuquerque, em resposta à Lusa, acrescentando que, “atempadamente, será dada a conhecer a nova equipa”.

Até aqui, a gestão do PDR 2020 estava entregue a Gabriela Freitas, que contava com Manuela Azevedo e Silva e Hélder Bicho como adjuntos.

O Programa de Desenvolvimento Rural de Portugal foi aprovado na sequência da decisão de Comissão Europeia em dezembro de 2014 e visa o apoio às atividades do setor agrícola assentes numa gestão eficiente dos recursos.

O artigo foi publicado originalmente em Observador.

Comente este artigo
Anterior Covid-19: Pandemia reforça ajudas agrícolas diretas a animais e arroz
Próximo Relatório analisa necessidades financeiras nos setores agrícola e agroalimentar em Portugal

Artigos relacionados

Dossiers

The future CAP post 2020

A COPA – Confederação Geral das Cooperativas Agrárias Europeias e o Cogeca – Comité das Organizações Profissionais Agrárias expuseram no dia 27 de Abril os pontos a serem trabalhados para a futura PAC .

Internacional

Unanimidad entre las OPAS y Cooperativas: todas consideran insuficiente el presupuesto previsto para la PAC

La Comisión Europea publicó el miércoles -27 de mayo- su nuevo proyecto de presupuesto comunitario para el período 2021-2027 y la PAC se llevará […]

Últimas

Viveros California reforça departamento de investigação e desenvolvimento

A Viveros California, que produz plantas de berries, sobretudo de morango, anunciou a contratação de Joe De Ruse para o seu departamento de Investigação e Desenvolvimento, […]