Covid-19: Pandemia reforça ajudas agrícolas diretas a animais e arroz

Covid-19: Pandemia reforça ajudas agrícolas diretas a animais e arroz

O Governo aumentou este ano, por causa da pandemia de covid-19, os prémios por vaca em aleitamento, ovelha e cabra, vaca leiteira e arroz, mas deixou de fora o tomate para transformação, segundo um despacho hoje publicado.

 

A ministra da Agricultura, num despacho hoje publicado em Diário da República, com efeitos retroativos a 01 de janeiro, explica que o aumento se deve à situação epidemiológica causada pela pandemia da doença covid-19 e visa “minimizar” os seus impactos nos rendimentos dos agricultores.

A decisão surge depois de a Comissão Europeia ter permitido aos Estados-membros rever as decisões nacionais sobre transferência de fundos entre pilares, tendo Portugal decidido recorrer este ano a um instrumento da Política Agrícola Comum (PAC) para transferir fundos, do 2.º pilar — desenvolvimento rural (FEADER) afetos ao quadro de programação 2021 -2027, para o 1.º pilar — pagamentos diretos (FEAGA).

“Mantendo-se o nível percentual no total do envelope financeiro afeto aos pagamentos diretos, procede-se à repartição do respetivo aumento, no montante de 16,7 milhões de euros, pelas diferentes medidas que o integram em função da atual proporção”, diz a ministra no despacho explicando que o tomate para transformação não beneficia do aumento por “ter sido excedido o limiar de área garantida para o pagamento específico por superfície” no Pedido Único de 2019.

A verba que seria destinada ao tomate é assim, por decisão da ministra, reafeta ao prémio por ovelha e cabra, atendendo a que, devido ao atual contexto epidemiológico, o setor dos ovinos e caprinos “tem sido um dos que registou maior queda de preços”.


No sector pecuário, os valores a pagar por cabeça serão:

Vaca em Aleitamento – 137€/animal

Vaca Leiteira – 94€/animal 

Ovelha e cabra – 22€/animal

No Pagamento «Superfícies», e uma vez que o Tomate para Transformação já tinha ultrapassado o seu envelope financeiro, o pagamento excecional agora determinado reflete-se apenas no Pagamento Específico ao Arroz, que será de 222€/hectare.

Subscreva as nossas newsletters aqui.

Continue a ler este artigo no SAPO 24.

Comente este artigo
Anterior Jerónimo Martins financia em cinco milhões de euros um projeto de reflorestação em Arganil
Próximo PSD quer ouvir na AR gestora afastada do Programa de Desenvolvimento Rural

Artigos relacionados

Nacional

Governo define regime de produção de vinhos com DOP na região de Lisboa

O Governo definiu o regime de produção e comércio dos vinhos com denominação de origem protegida (DOP) na região de Lisboa, determinando, por exemplo, que os operadores […]

Nacional

IPMA prevê aumento de temperatura sem grande dramatismo em Portugal este verão

O verão deverá trazer temperaturas altas a Portugal, mas num cenário menos dramático do que na Europa média e do norte, […]

Nacional

Conversas AgroGlobal. António Serrano da Jerónimo Martins Agroalimentar: “é importante, depois da crise, pensar na importância da soberania alimentar”

A AgroGlobal prossegue a ronda de conversas sobre os desafios e efeitos da crise no sector agrícola. Esta semana foi a vez de António Serrano, […]