Projeto com insetos vai dar origem a investimento de 15 milhões de euros no distrito de Santarém

Projeto com insetos vai dar origem a investimento de 15 milhões de euros no distrito de Santarém

São 15 milhões de euros para um projeto que vai resultar na criação de 55 postos de emprego. A unidade fabril “será uma das cinco primeiras a nível mundial” e estará “na ponta da tecnologia”

Um projeto desenvolvido nos últimos três anos com insetos, para produção de adubos a partir de subprodutos vegetais e de farinha para alimentação animal, prevê um investimento de 15 milhões de euros no distrito de Santarém, disse um dos promotores.

Daniel Murta, da EntoGreen, empresa de Santarém que desenvolveu o EntoValor juntamente com investigadores da Estação Zootécnica Nacional (EZN), polo de Santarém do Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária (INIAV), um entreposto agrícola e produtores de rações animais, disse esta quinta-feira à Lusa que o investimento, que prevê a criação de 55 postos de trabalho, será anunciado na sexta-feira, numa sessão que visa divulgar os resultados do projeto.

A unidade fabril, em fase “avançada” de negociações com um grupo empresarial português e a instalar no distrito de Santarém, permitirá dar escala a uma produção que, no âmbito da investigação, foi realizada em protótipos, com “resultados muito interessantes”, tanto no uso do fertilizante orgânico obtido pela ação dos insetos, como na transformação destes em farinha para alimentação de aves.

Os resultados que serão apresentados na sexta-feira na EZN, em Santarém, mostram que a utilização deste fertilizante orgânico se traduziu num aumento de 16% na produção de batata e, se no tomate para a indústria a quantidade se manteve, a qualidade foi “substancialmente melhor”, disse. Já a farinha de insetos, que permitiu substituir na totalidade a farinha de soja (importada) na alimentação de galinhas poedeiras, não alterou a qualidade dos ovos produzidos, demonstrando que “é possível produzir animais de forma mais sustentável”.

A unidade que deverá resultar do projeto, a desenvolver a partir do próximo ano e com previsão de entrada em laboração no final de 2021, “será uma das cinco primeiras a nível mundial” e estará “na ponta da tecnologia”, declarou. A perspetiva é que venha a ter capacidade para produzir anualmente 2.500 toneladas de proteína de inseto e 500 toneladas de óleo de inseto, gerando 9.000 toneladas de fertilizante orgânico através da conversão de cerca de 36.000 toneladas de subprodutos, recirculando todos os seus nutrientes, adiantou o empresário.

Os resultados preliminares deste projeto “foram bastante animadores”, pois “demonstraram que é possível substituir totalmente a soja por farinha de insetos e produzir de forma eficiente os animais”, bem como mostraram que os fertilizantes gerados “são úteis no solo”, quer na produção de milho, quer na de batata ou de tomate, estando a ser testados laboratorialmente em alfaces.

O EntoValor, orçado em 750.000 euros, contou com apoios comunitários do Portugal 2020, inserindo-se no âmbito da economia circular, uma vez que permite aproveitar os desperdícios vegetais, calculados em cerca de 30%, produzindo fertilizantes naturais, com benefícios para as plantas e o solo (nomeadamente com maior eficácia na retenção de água, fator crítico em situação de seca), afirmou. Por outro lado, os insetos — neste caso a larva da mosca soldado negra — dão origem a “duas fontes nutricionais alternativas: a proteína de inseto e o óleo de inseto, altamente valorizadas, comparadas com farinha de peixe e que começam a ser bastante apetecíveis, por exemplo na indústria de produção de aquacultura”, acrescentou.

Com a construção da unidade, o uso da farinha de insetos, testada nesta fase em aves, será alargada a porcos e peixes, disse Daniel Murta, frisando a diminuição da dependência de mercados internacionais e a perspetiva que se abre à exportação. O empresário sublinhou o apoio do INIAV, onde as empresas puderam contar com a vertente de investigação e desenvolvimento e a possibilidade de submissão de candidaturas a fundos comunitários. Além do INIAV, são parceiros do projeto a AgroMais Plus, a Rações Zêzere e a Consulai.

Ao longo dos 40 meses do projeto, foram desenvolvidas quatro teses de mestrado, vários artigos técnicos e científicos, feitas mais de 50 apresentações em simpósios e congressos e editado um livro em colaboração com a Direção Geral de Agricultura e Veterinária.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Observador.

Anterior Olival do futuro em debate nas VI Jornadas da Olivum - 26 de novembro - Beja
Próximo España reclama a la CE que dé ayudas al margen de la PAC para compensar los aranceles de EEUU

Artigos relacionados

Nacional

Listéria na indústria alimentar em Seminário

No dia 29 de maio a Christeyns Portugal vai dinamizar o Seminário “Listéria na Indústria Alimentar” que acontece entre as 9.30 e as 17h no Lezíria Parque Hotel, […]

Dossiers

DGAV procura médicos veterinários para a bolsa de inspetores sanitários

Foi aprovada para o ano de 2019 uma nova ‘Bolsa de Inspetores Sanitários’ para a Direção Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV). […]

Últimas

Feira Nacional de Agricultura de portas abertas até dia 16

Já abriu a 56ª Feira Nacional de Agricultura / 66ª Feira do Ribatejo e vai até ao próximo dia 16 de junho no Centro Nacional de Exposições, […]