Indústria Alimentar – Projecto ValorNatural

Indústria Alimentar – Projecto ValorNatural

Projecto ValorNatural visa valorizar subprodutos agrícolas através de aplicações industriais

“ValorNatural – Valorização de Recursos Naturais através da Extracção de Ingredientes de Elevado Valor Acrescentado para Aplicações na Indústria Alimentar” é um projecto em curso em Portugal, que pretende valorizar os subprodutos resultantes de diferentes culturas. Segundo os promotores desta iniciativa, «o interesse pelo uso de aditivos alimentares tem aumentado exponencialmente nos últimos anos, muito através da indústria que necessita de melhorar o tempo de prateleira dos seus produtos e torná-los mais apelativos», mas «os malefícios para a saúde humana associada aos aditivos têm como consequência o aumento da procura de alimentos isentos de aditivos sintéticos».

O projecto reúne 15 parceiros, que afirmam possuir «fortes competências e capacidades nas áreas agro-alimentares e um interesse crescente nas áreas têxtil, cosmética e farmacêutica». Os parceiros são: Instituto Politécnico de Bragança (IPB); Tecpan – Tecnologia e Produtos para Pastelaria e Panificação, Lda; Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP); Instituto de Ciência e Inovação em Engenharia Mecânica e Industrial (Inegi); Instituto de Soldadura e Qualidade (ISQ), Centro Nacional de Competências de Frutos Secos (Cncfs); Novavet – Produtos Agro Pecuários, Lda; Afonso, Lopes & Cia, Lda; Deifil Technology Lda; M. Ferreira e Filhas Lda; Paralab – Equipamentos Industriais e de Laboratório S.A; OWNYA/Vera Mata – Soluções Perfumadas, Lda; Ponto Agrícola Lda.; Queijaria Vaz; Cooperativa Agrícola de Alfândega da Fé, CRL.

Os promotores referem que o projecto ValorNatural «visa instituir uma fileira produtiva de ingredientes naturais para a indústria agro-alimentar». O foco é a «investigação e desenvolvimento de ingredientes naturais e inovadores para a indústria, da classe dos corantes, aromas e bioactivos», a par de «novos processos de extracção, refinação e conservação».

Tendo em conta «as necessidades da área em questão e o interesse dos parceiros industriais», já foram estabelecidos objectivos. Os objectivos são os seguintes: «desenvolvimento de corantes de origem natural por extracção de matrizes vegetais e bio resíduos»; «desenvolvimento de aromas naturais e modelos de aromas»; «desenvolvimento de bioativos de origem natural por extracção de bio resíduos de Agaricus bisporus L.; «desenvolvimento de processos inovadores para extracção e refinação de ingredientes a partir de matérias-primas naturais»; «desenvolvimento de novos processos de conservação de matérias-primas naturais».

O promotor líder é a Tecpan e a coordenação é da responsabilidade do IPB e do Centro de Investigação de Montanha (CIMO), do IPB. Pode consultar aqui mais informações sobre este projecto.

O artigo foi publicado originalmente em Revista Frutas Legumes e Flores.

Comente este artigo
Anterior Cientistas estudam estratégias para tornar telecomunicações mais resistentes
Próximo Sessões de informação "Por uma Gestão Ativa da Floresta"- parceria Projeto "Limpa e Aduba", da CELPA

Artigos relacionados

Dossiers

Adaptar o território às alterações climáticas – Concretizar P-3AC

A Estratégia Nacional de Adaptação às Alterações Climáticas (ENAAC 2020) estabelece uma estrutura institucional tendo em vista o planeamento e desenvolvimento de uma sociedade e de uma economia resiliente, competitiva e de baixo carbono […]

Sugeridas

Exportações da fileira do pinho subiram 3% em 2019 para 1.876 ME

As exportações da fileira do pinho subiram 3% em 2019, face ao ano anterior, para 1.876 milhões de euros, destacando-se as de ‘pellets’ com 99 milhões de euros (+45%), avançou hoje o centro PINUS. […]

Comunicados

Tempestade Elsa causa avultados prejuízos em vacarias de Vila do Conde

A tempestade Elsa provocou a noite passada elevados prejuízos em várias vacarias do concelho de Vila do Conde. A APROLEP já alertou a Direcção […]