Indústria Alimentar – Projecto ValorNatural

Indústria Alimentar – Projecto ValorNatural

[Fonte: Revista Frutas Legumes e Flores]

Projecto ValorNatural visa valorizar subprodutos agrícolas através de aplicações industriais

“ValorNatural – Valorização de Recursos Naturais através da Extracção de Ingredientes de Elevado Valor Acrescentado para Aplicações na Indústria Alimentar” é um projecto em curso em Portugal, que pretende valorizar os subprodutos resultantes de diferentes culturas. Segundo os promotores desta iniciativa, «o interesse pelo uso de aditivos alimentares tem aumentado exponencialmente nos últimos anos, muito através da indústria que necessita de melhorar o tempo de prateleira dos seus produtos e torná-los mais apelativos», mas «os malefícios para a saúde humana associada aos aditivos têm como consequência o aumento da procura de alimentos isentos de aditivos sintéticos».

O projecto reúne 15 parceiros, que afirmam possuir «fortes competências e capacidades nas áreas agro-alimentares e um interesse crescente nas áreas têxtil, cosmética e farmacêutica». Os parceiros são: Instituto Politécnico de Bragança (IPB); Tecpan – Tecnologia e Produtos para Pastelaria e Panificação, Lda; Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP); Instituto de Ciência e Inovação em Engenharia Mecânica e Industrial (Inegi); Instituto de Soldadura e Qualidade (ISQ), Centro Nacional de Competências de Frutos Secos (Cncfs); Novavet – Produtos Agro Pecuários, Lda; Afonso, Lopes & Cia, Lda; Deifil Technology Lda; M. Ferreira e Filhas Lda; Paralab – Equipamentos Industriais e de Laboratório S.A; OWNYA/Vera Mata – Soluções Perfumadas, Lda; Ponto Agrícola Lda.; Queijaria Vaz; Cooperativa Agrícola de Alfândega da Fé, CRL.

Os promotores referem que o projecto ValorNatural «visa instituir uma fileira produtiva de ingredientes naturais para a indústria agro-alimentar». O foco é a «investigação e desenvolvimento de ingredientes naturais e inovadores para a indústria, da classe dos corantes, aromas e bioactivos», a par de «novos processos de extracção, refinação e conservação».

Tendo em conta «as necessidades da área em questão e o interesse dos parceiros industriais», já foram estabelecidos objectivos. Os objectivos são os seguintes: «desenvolvimento de corantes de origem natural por extracção de matrizes vegetais e bio resíduos»; «desenvolvimento de aromas naturais e modelos de aromas»; «desenvolvimento de bioativos de origem natural por extracção de bio resíduos de Agaricus bisporus L.; «desenvolvimento de processos inovadores para extracção e refinação de ingredientes a partir de matérias-primas naturais»; «desenvolvimento de novos processos de conservação de matérias-primas naturais».

O promotor líder é a Tecpan e a coordenação é da responsabilidade do IPB e do Centro de Investigação de Montanha (CIMO), do IPB. Pode consultar aqui mais informações sobre este projecto.

Comente este artigo

O artigo Indústria Alimentar - Projecto ValorNatural foi publicado originalmente em Revista Frutas Legumes e Flores

Anterior 1º Congreso Ibérico del Maíz - 13 y 14 de febrero - Lisboa (ES)
Próximo Sessões de informação "Por uma Gestão Ativa da Floresta"- parceria Projeto "Limpa e Aduba", da CELPA

Artigos relacionados

Sugeridas

Governo abre mercado da Coreia do Sul à exportação de carne suína

Há um novo mercado para a carne fresca de suíno e  processados de suíno. Os operadores nacionais podem, a partir de agora, exportar estes produtos para a Coreia do Sul, um mercado que representa um potencial de cerca de 50 milhões de consumidores, que se somam aos 15 milhões de consumidores do mercado do Camboja, […]

Sugeridas

Medidas de Apoio Excecionais e Temporárias – 6.ª vaga (3.ª Tranche)

[Fonte: IFAP]
Informa-se que se encontram abertas, a partir de 22 de março de 2018, as retiradas de mercado para distribuição gratuita no âmbito das “Medidas de Apoio Excecionais e Temporárias – 6.ª vaga”, para 1.000 toneladas de “3.ª Tranche – […]

Sugeridas

Condutores de tratores vão ser obrigados a formação específica já em 2021

[Fonte: Vida Rural]

Os condutores de veículos agrícolas vão ser obrigados a ter formação específica. A partir de fevereiro de 2021, não basta ter carta de condução ou licença para conduzir tratores ou máquinas agrícolas, de acordo com o Despacho nº 1819/2019 publicado em Diário da República. […]