Praga de gafanhotos preocupa agricultores italianos

Praga de gafanhotos preocupa agricultores italianos

Uma praga de gafanhotos está a invadir a ilha italiana de Sardenha, destruindo várias explorações agrícolas nas regiões de Ottana e Orani. De acordo com as autoridades locais, mais de 2000 hectares de terrenos agrícolas já foram destruídos por estes insetos.

De acordo com a imprensa internacional, esta invasão de gafanhotos deve-se ao aumento das temperaturas naquela ilha italiana depois de vários meses de frio e chuva. A associação de produtores italianos Coldiretti diz, em comunicado, que “há milhões [de gafanhotos] no campo” que estão a aparecer “em terras não cultivadas, mas depois vão para terras cultivadas para comer”.

A associação diz ainda que, neste momento, há pouco a fazer para remediar a situação, com mais de 12 herdades a reportarem terem já sido afetadas por esta invasão. De acordo com a Federação Italiana da Agricultura, esta é a pior invasão de gafanhotos na Sardenha nos últimos 60 anos, esperando-se que a praga aumente e migre para outros territórios.

O artigo foi publicado originalmente em Vida Rural.

Comente este artigo
Anterior A cultura do espargo em agricultura biológica – um investimento a considerar
Próximo Primeiro-ministro diz que agricultura portuguesa vive “belíssimo momento”

Artigos relacionados

Notícias mercados

China defende controlo de alimentos importados como forma de prevenção

As autoridades alfandegárias afirmaram que vestígios do novo coronavírus foram encontrados em carne congelada e embalagens, incluindo vários casos envolvendo o Brasil, […]

Dossiers

El inmovilismo se mantiene en los precios del vacuno


Los precios en el mercado de vacuno siguen invariables a la espera de que la reactivación de la demanda comercial y despeje la alta oferta de animales que soporta el mercado en estos momentos. […]

Nacional

Investigação europeia em gestão florestal faz testes no Vale do Sousa

Para José Guilherme Borges e Marlene Marques, do Centro de Estudos Florestais, o case do Vale do Sousa “é muito positivo” já que permitiu demonstrar a utilização de planeamento colaborativo de gestão. […]