Português vai liderar Grupo de Diálogo Civil da Comissão Europeia sobre Florestas e Cortiça

Português vai liderar Grupo de Diálogo Civil da Comissão Europeia sobre Florestas e Cortiça

António Paula Soares foi eleito presidente do Grupo de Diálogo Civil da Comissão Europeia sobre Floresta e Cortiça.

António Paula Soares, membro da direção da Confederação Europeia dos Proprietários Florestais (CEPF), da direção da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) e Presidente da Associação Nacional dos Proprietários Rurais (ANPC), foi eleito no passado dia 8 de novembro Presidente do Grupo de Diálogo Civil (GDC) da Comissão Europeia sobre Floresta e Cortiça.

O GDC da Comissão Europeia sobre Floresta & Cortiça é de grande importância para garantir um forte diálogo entre as várias organizações da UE envolvidas no setor e a Comissão Europeia. Para garantir que as florestas da UE possam oferecer os múltiplos benefícios esperados da sociedade, é necessária uma abordagem coerente entre as políticas da UE relacionadas com as florestas. Nesse contexto, a plataforma GDC tem um papel essencial a desempenhar para permitir a participação de todas as partes relevantes e contribuir para o enquadramento e desenvolvimento dessas políticas. Kelsey Perlman, em representação do European Environmental Bureau(EEB), e Mårten Larsson, em representação da Confederation of European Paper Industries (CEPI), foram ambos eleitos vice-presidentes para o presente mandato.

Após o anúncio desta eleição, que teve lugar no passado dia 8, António Paula Soares, que tem uma longa e comprovada experiência no setor florestal – incluindo projetos relacionados com a conservação da biodiversidade e bio economia – declarou: “É com grande honra e responsabilidade que início o meu cargo como Chairman do Grupo de Diálogo Civil ‘Floresta e Cortiça’ da Comissão Europeia. As florestas da UE estão cada vez mais sujeitas a uma crescente expectativa por parte de toda a sociedade, sendo o papel das mesmas crucial para alcançar os objetivos atuais e futuros da UE, graças aos seus benefícios económicos, ambientais e sociais. Neste contexto, e à beira de um futuro ‘Green Deal’ Europeu, é essencial que trabalhemos entre todos os diferentes atores da sociedade civil sob a tutela do GDC sobre Florestas e Cortiça, de modo a contribuir para o desenvolvimento de políticas da UE que digam respeito ao setor florestal, e para garantir a consistência entre essas políticas e a aplicabilidade das mesmas”.

Comente este artigo
Anterior Imigração para Portugal já cresceu 18% em 2019 (e ainda vai aumentar)
Próximo EU trade in olive oil

Artigos relacionados

Últimas

Seminário sobre problemas fitossanitários emergentes na Frutitec

Home Agenda Seminário sobre problemas fitossanitários emergentes na Frutitec

Agenda, […]

Últimas

Apoios para aquicultura registam 26 candidaturas com 35 milhões de investimento

O concurso, no âmbito do programa Mar 2020, para apoios ao investimento na aquicultura registou 26 candidaturas, a maioria do Algarve, […]

Últimas

Incêndios: Rede Nacional de Postos de Vigia é hoje reforçada

A Rede Nacional de Postos de Vigia para vigilância e deteção de incêndios rurais vai ser hoje reforçada com a entrada em funcionamento de mais 153, […]