Portugal acolhe terceira conferência anual iPlanta

Portugal acolhe terceira conferência anual iPlanta

Começa amanhã (27 de fevereiro) e decorre até dia 1 de Março, a terceira conferência anual iPlanta, no Auditório do ITQB NOVA, em Oeiras.

Esta conferência visa desenvolver o uso de RAN de interferência (uma das novas técnicas de reprodução), seja por modificação genética seja por aplicação externa. Depois de Roma, em Itália, e de Poznań, na Polónia, onde se realizaram, respetivamente, a primeira e segunda edição, este ano será Portugal a receber um dos mais importantes debates internacionais sobre a necessidade de usar a biotecnologia para o desenvolvimento de novas formas de proteger as culturas agrícolas de doenças e pestes.

Promovida pelo CiB – Centro de Informação de Biotecnologia e pelo Laboratório de Biotecnologia de Células Vegetais, da Unidade de Investigação Green-it, a iPlanta contará com a presença e a intervenção de vários investigadores de diferentes países, que falarão sobre o desenvolvimento de novas metodologias através da utilização do RNA de interferência, um processo biológico no qual as moléculas de RNA inibem a expressão de um gene, neutralizando as moléculas específicas do RNA mensageiro (ácido ribonucleico responsável pela transferência de informações do ADN). De acordo com a organização, a importância deste encontro reside na necessidade urgente de encontrar soluções mais eficazes, através da aplicação de RNAi, uma das “novas técnicas de reprodução, no combate às interações patogénicas enfrentadas pelas culturas, responsáveis pela perda de quantidades substanciais da produção agrícola mundial, incluindo em Portugal, onde todos os anos se perdem cerca de 40 % de culturas. Em termos globais, os números são semelhantes. Segundo estimativas da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO), entre 20% a 40% das culturas são destruídas todos os anos devido a pragas e doenças.

Com o estimado aumento populacional, a agricultura moderna enfrenta um dos seus maiores desafios: garantir o abastecimento de alimentos para 10 mil milhões de pessoas daqui a apenas 30 anos. Mas poderá a produção de alimentos aumentar sem o recurso a metodologias como, por exemplo, o RNAi? Para o investigador Pedro Fevereiro, presidente do CiB-Centro de Informação de Biotecnologia, Professor Auxiliar do Departamento de Biologia Vegetal na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e Chefe do Laboratório do Grupo de Biotecnologia Vegetal no ITQB NOVA, a realização da III Conferência iPlanta em Portugal “é uma oportunidade para debater e divulgar os aspetos científicos e técnicos desta tecnologia, de forma a se efetivar a sua utilização na proteção das culturas agrícolas contra pragas e doenças.”

O artigo foi publicado originalmente em Vida Rural.

Comente este artigo
Anterior Acordo do Mercosul atrasado
Próximo Sim, chef?

Artigos relacionados

Notícias apoios

Distrital de Beja do PSD vê com muita preocupação redução das medidas agroambientais

A Comissão Politica Distrital do Partido Social Democrata vê com muita preocupação a informação do Ministério da Agricultura no que concerne à […]

Notícias florestas

Census alertam para perda de pessoas no mundo rural

O Interior de Portugal perdeu população de forma acentuada na última década e hoje cerca de 50% da população concentra-se nas áreas metropolitanas de Lisboa […]

Nacional

Investigadores defendem que metas de limitação do aquecimento global devem ser antecipadas

As estratégias que se centram em 2100 “são inconsistentes com o objetivo do acordo de Paris, que é manter o aquecimento abaixo dos dois graus centígrados e, […]