Politécnico de Coimbra dá a conhecer os mais inovadores projetos de investigação

Politécnico de Coimbra dá a conhecer os mais inovadores projetos de investigação

A mostra de projetos de I&D (IPC2SOCIETY) realiza-se amanhã, (11 de abril), no Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra (ISCAC) e vai dar a conhecer 50 dos mais inovadores projetos de investigação desenvolvidos no Instituto de Investigação Aplicada do Politécnico de Coimbra (i2a – IPC). O Encontro procura promover a transferência de conhecimento e tecnologia para as indústrias e comunidade, para melhor desenvolver produtos, processos e serviços.

Com o apoio do INOV C 2020, a primeira edição do IPC2SOCIETY realiza-se amanhã nas instalações do Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra (ISCAC). É uma iniciativa que dará a conhecer 50 dos mais inovadores projetos desenvolvidos no Instituto de Investigação Aplicada (i2a) do IPC.

Dirigida a todos os setores da economia, o IPC2SOCIETY reúne projetos desenvolvidos nas mais variadas áreas do conhecimento que vão desde as Ciências Agrárias, o Ambiente, as Ciências da Educação, Artes e Design, a Informática, Tecnologias e Engenharias e a Saúde, entre outras.

O IPC2SOCIETY ocorre no âmbito de dois projetos em curso no IPC: o Lab2Factory e o INOV C 2020, ambos financiados pelo FEDER, através do Programa Operacional CENTRO 2020.

“O IPC2SOCIETY foi criado com o objetivo de contribuir para uma maior visibilidade dos projetos dos nossos investigadores, e fomentar a criação de parcerias sólidas com os diferentes agentes regionais, nomeadamente PME, tendo em vista a obtenção de soluções inovadoras e o desenvolvimento sustentável. Com uma clara aposta na prestação de serviços à comunidade e no desenvolvimento de projetos em copromoção empresarial, o IPC, através do i2a, dos diversos laboratórios associados e do Centro de Estudos de Recursos Naturais, Ambiente e Sociedade (CERNAS), tem procurado promover, estimular e apoiar os vários projetos de investigação, ao mesmo tempo que incentiva a transferência de conhecimento e tecnologia para o tecido empresarial  e comunidade”, esclarece Carlos Dias Pereira, Diretor do i2a.

Como explica Cândida Malça, Vice-presidente do IPC, “sendo uma estrutura transversal a todo o IPC, o i2a assegura o enquadramento institucional às atividades de IDT&I de cerca de 620 investigadores, 250 dos quais doutorados, que desenvolvem trabalho nas mais variadas áreas do saber técnico-científico nas diferentes unidades orgânicas de ensino que integram o IPC”.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Voz do Campo.

Anterior Mais de 85% da produção agrícola angolana é feita por famílias
Próximo Produção de Plantas em Viveiro. Ação de sensibilização sobre Xylella fastidiosa

Artigos relacionados

Nacional

“O substrato é um elemento de extrema importância para a cultura”

Mariana Anjos, Projar
Há dez anos falava-se na instalação em solo, com integração de uma turfa natural. Entretanto tornou-se também uma opção viável o vaso com mistura de substrato (turfa, […]

Últimas

Câmara de Amarante pede ajuda a agricultores para combater a pandemia

A Câmara de Amarante vai avançar com ações de desinfeção de cada uma das freguesias com ajuda de pulverizadores, tanques e tratores cisternas que possam ser cedidos pelos dos agricultores e industriais por causa da pandemia da Covid-19. […]

Últimas

Promoção de kiwis de Portugal nos voos da TAP

De 24 a 28 de Junho, foram distribuídos kiwis produzidos em Portugal aos passageiros dos voos da TAP para Brasil, Marrocos, […]