Pinhal de Leiria – um enorme desafio

Pinhal de Leiria – um enorme desafio

Nasceu de uma conversa com o Ministro da Agricultura no contexto da preparação da Agroglobal.

A tragédia do fogo de Outubro 2017 do Pinhal de Leiria pode abrir uma oportunidade para outras ocupações culturais de apreciável valor agrícola, social e ambiental.
Na área ardida, principalmente na zona leste do pinhal, encontramos áreas significativas com esse potencial:

– Solos podzolizados, planas ou com declives moderados;
– Água no subsolo;
– Clima permitindo todo o tipo de culturas em regadio, nomeadamente horticultura;
– Disponibilidade de tecnologias de rega e drenagem adaptadas aos solos em causa;

OBJETIVO

Criação de zonas de culturas irrigadas – solos de melhor aptidão – criando faixas de interrupção da floresta, dificultando, ou mesmo impedindo, propagação de incêndios e, em simultâneo, unidades de produção agrícola rentáveis, utilizando modernas tecnologias e tornando as áreas em causa mais “vividas”. Essas zonas seriam concessionadas a agricultores experimentados, sob a forma de arrendamento, em unidades dimensão viável.
Esta solução foi adotada com enorme sucesso em Bordéus (França), nas Landes, num contexto edafo-climatico semelhante, exatamente na sequência de grandes fogos em 1937-49.
Hoje são aí cultivados mais de 100 000 hectares – antes pinhal – com cenoura, batata, alho francês, milho etc., ou seja, entre 10 a 15% da área total do maciço florestal, constituindo uma das zonas mais ricas da agricultura francesa.

PROPOSTA

– Avaliação pelos serviços competentes do Ministério da Agricultura da consistência técnica destas reflexões.
– Criação, desde já, de uma pequena unidade de produção (20-25 hectares) para confirmação do potencial produtivo referido. A Agroglobal/Valinveste seria a “alavanca” mobilizadora das empresas (fertilização, sementes, perfuração, equipamento de rega etc.) que apoiariam o projeto. A gestão seria da Associação de Regantes do Vale do Liz e eventuais lucros seriam doados para apoio às vítimas dos incêndios.

O nome do projeto é –  PROJETO NAÇÃO VALENTE

Mais informação: http://www.agroglobal.pt/
Comente este artigo
Anterior Tribunal de Contas Europeu quer política agrícola a complementar coesão e ambiente
Próximo Rude recebeu na cova da beira parceria internacional

Artigos relacionados

Comunicados

Dupla de monovarietais com a assinatura da Real Companhia Velha

Depois de novas colheitas no que toca ao rosé e a cinco brancos e de uma novidade absoluta – Quinta de Cidrô Marquis branco 2014 –, é a vez da Real Companhia Velha começar a lançar os tintos da Quinta de Cidrô. De anos seguidos; os dois de uma só casta; […]

Nacional

Inaceitável amadorismo

[Fonte: Rádio Renascença]

Há uma semana, o nosso país sentiu uma alta brutal da temperatura atmosférica. Houve avisos e as autoridades tomaram precauções excecionais. Mas não todas: hoje ainda faltam 18 das 38 aeronaves que deviam ter sido ativadas a partir do quarta-feira passada. […]

Nacional

Alqueva está na rota do cultivo de canábis

[Fonte: Renascença]
Não há plantações de canábis na área de influência de Alqueva, mas o presidente da Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas do Alqueva (EDIA), José Pedro Salema, confirma a existência de contactos nesse sentido.
Clique aqui para  ver o video. […]