Tribunal de Contas Europeu quer política agrícola a complementar coesão e ambiente

Tribunal de Contas Europeu quer política agrícola a complementar coesão e ambiente

 O Tribunal de Contas Europeu (TCE) quer que os objetivos da futura Política Agrícola Comum (PAC) complementem o desenvolvimento de outras vertentes comunitárias, como a coesão e o ambiente.

Num relatório divulgado esta segunda-feira sobre a proposta da Comissão Europeia para a PAC pós-2020, o TCE sugere que “os objetivos da PAC devem ser consistentes com os de outras políticas (incluindo as de coesão, ação climática e proteção ambiental)”. “A melhoria da complementaridade da PAC com outras políticas da UE teria um desenvolvimento positivo”, consideram os auditores.

O parecer defende ainda uma maior correspondência entre os resultados atingidos e o apoio financeiro, quer na relação entre a Comissão Europeia e os Estados-membros, quer entre estes e os beneficiários.

A melhoria da complementaridade da PAC com outras políticas da UE teria um desenvolvimento positivo.

Relatório do Tribunal de Contas Europeu

Ainda no que respeita ao financiamento, perante a possibilidade de ser introduzido cofinanciamento no primeiro pilar da PAC (o dos pagamentos diretos), o TCE alerta para o facto de que “a existência ou não de cofinanciamento tem uma forte influência no equilíbrio dos incentivos”, acrescentando que “as taxas de cofinanciamento devem refletir o valor acrescentado da UE aos diferentes tipos e áreas de intervenção”.

Em relação aos objetivos que cada país poderá traçar e aos planos estratégicos para o atingir – que serão monitorizados por Bruxelas – os auditores defendem que “a clareza e a abrangência” dos mesmos são “a chave para o sucesso da PAC pós-2020”.

Os ministros da Agricultura dos 28 deverão manter esta segunda-feira mais um debate sobre a comunicação de Bruxelas relativamente ao futuro da PAC, apresentada em novembro de 2017 e que prevê uma maior subsidiariedade a nível dos Estados-membros e mais flexibilidade nas opções de cada país para alcançar os objetivos traçados.

Comente este artigo
Anterior Falta de fundos no Vitis põe em causa desenvolvimento do setor - Filipe Daniel
Próximo Pinhal de Leiria – um enorme desafio

Artigos relacionados

Nacional

Efeito do tipo de subcoberto no crescimento da árvore e da cortiça em montado

[Fonte: Voz do Campo]
Num povoamento puro e irregular de sobreiro foi estabelecido um ensaio, para estudar o efeito no crescimento anual da cortiça e no seu calibre final, de duas práticas usuais de gestão do subcoberto em montado (tratamentos): i) remoção da vegetação espontânea e incorporação da biomassa no horizonte superficial do solo, […]

Últimas

Regantes precários no EFMA

[Fonte: Gazeta Rural]

A conclusão da Barragem de Alqueva veio criar expectativas de disponibilidades de água para todos os fins e no âmbito agrícola um factor de produção sem constrangimentos, tendo em conta a área regada inicialmente prevista.
A introdução do factor de produção tão importante como é […]

Nacional

ACRAL apresenta projeto que quer «aumentar a visibilidade internacional do Algarve»

O aumento da visibilidade internacional do Algarve e a promoção, divulgação e venda de produtos típicos e regionais, através da centralização da oferta na plataforma “We Shop Algarve” são os objetivos do projeto “Algarve Store & Business Online”, da Associação do Comércio e Serviços da Região do Algarve (ACRAL). […]