Peste Suína Africana na China – Oportunidade para as Cooperativas da Fenapecuária

Peste Suína Africana na China – Oportunidade para as Cooperativas da Fenapecuária

O cenário mudou

O deflagrar da Peste Suína Africana em Agosto de 2018 na China, mudou completamente o cenário para os produtores do mundo ocidental de proteína animal. Numa primeira fase, a corrida a abates compulsivos, disfarçou a forte necessidade de procura que se está e que continuará a revelar, o que poderá contribuir para anos bastantes positivos para toda a produção de pecuária.

Desde o aparecimento dos primeiros casos da doença, estima-se que o país já tenha perdido 35% do seu efetivo. Análises do Rabobank apontam que até 200 milhões de porcos podem ser sacrificados ou mortos por causa da PSA, avaliando-se que os Chineses precisarão de pelo menos cinco anos para retomar o efetivo para o patamar anterior à doença.

A produção na China

Na China a produção tradicional é ainda muito relevante, efetuada em explorações de pequeno porte e familiares, o que aumenta as dificuldades para lidar com a doença. Este modelo de produção, acrescido a hábito de comercialização em feiras, mercados, movimentação animal em modos tradicionais, etc.. não permite, ou dificulta a implementação de medidas de biossegurança, facilitando a propagação do vírus, levando já a que o mesmo se tenha propagado a países vizinhos, nomeadamente ao Vietname, sexto produtor mundial de carne de porco.

Oportunidade

O mercado Chinês aumentará as compras de proteína de origem animal. Haverá falta de carne de porco, de bovinos e de aves. O preço originará transferência de consumo entre as espécies.  A redução dos efetivos tenderá a fazer diminuir os custos das rações. Haverá oportunidades para os produtores de pecuária, uma vez que a procura irá crescer em todas as espécies.

Acresce ainda como positivo para os nossos produtores, o eventual resultado do conflito comercial entre a China e os EUA, se persistir.

Aproveitemos os ventos favoráveis para solidificarmos financeiramente as nossas empresas, para realizarmos os melhoramentos nas nossas explorações, nomeadamente em questões de otimização da produção, ambiente e território e, se possível para aumentar com sustentabilidade a nossa produção.

Aos produtores das Cooperativas associadas da FENAPECUÁRIA, e para que possamos usufruir, como tanto merecemos, deixo um

Alerta:

“Aumentemos as medidas de biossegurança nas nossas explorações”, nomeadamente de pessoas, bens, transportes, etc. Atenção à chegada às nossas explorações dos trabalhadores do leste da europa e seus familiares, países onde o vírus continua latente.

Cuidado redobrado em portos e aeroportos.

Não esqueçamos a existência da doença, ainda que em javalis, também na vizinha Bélgica.

Peste Suína Africana

É uma doença viral, altamente infeciosa de declaração obrigatória, conforme determina a OIE (organização Mundial de Saúde). Não existe vacina. O vírus é bastante resistente e pode ser transmitido ao animal por meio de alimentos, equipamentos, sapatos, vestuários, e transportes contaminados.

A doença não oferece riscos à saúde humana, pois não é transmissível ao homem.

Vitor Menino

Vice –Presidente da FENAPECUARIA

Vitor Menino
Vice –Presidente da FENAPECUARIA
Comente este artigo
Anterior Grupo de investigadores prova que oliveiras portuguesas são tão produtivas quanto as estrangeiras que proliferam no Alentejo
Próximo II Fórum Smart Farm // Mitos na Alimentação

Artigos relacionados

Sugeridas

Cooperativa Pingo de Leite lança marca de queijo Flamengo de qualidade superior na Feira Nacional de Agricultura

No âmbito da Feira Nacional de Agricultura 2019, a COOPERATIVA PINGO DE LEITE irá apresentar uma nova marca de Queijo Flamengo de qualidade superior. […]

Comunicados

CNA solidária com produtores de leite

Para melhorar Preços à Produção de Leite, Governo e UE devem retomar sistema público de controlo da Produção e do Mercado como foram as “Quotas Leiteiras”. […]

Dossiers

Syngenta firma protocolos de agricultura sustentável com Elaia e Grupo Ortigão Costa

A Syngenta e duas das maiores empresas agrícolas nacionais – Elaia e Grupo Ortigão Costa – firmam protocolos de colaboração para promover as boas práticas agrícolas e a sustentabilidade ambiental nas culturas do olival, frutos secos e tomate indústria. […]