Grupo de investigadores prova que oliveiras portuguesas são tão produtivas quanto as estrangeiras que proliferam no Alentejo

Grupo de investigadores prova que oliveiras portuguesas são tão produtivas quanto as estrangeiras que proliferam no Alentejo

[Fonte: Rádio Portalegre] Um grupo de investigadores provou que o potencial produtivo das variedades da oliveira portuguesa é tão rentável quanto o das variedades estrangeiras que atualmente proliferam nos campos do Alentejo.

Esta foi a conclusão do projeto “Oleavalor”, para a valorização de variedades de oliveira portuguesas, que tem como objetivo principal “salvar a qualidade do azeite”, produzido em Portugal.

Os trabalhos, em marcha desde 2016, reúnem investigadores do Politécnico de Portalegre, da Universidade de Évora, do Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária (INIAV) e do Centro de Biotecnologia Agrícola e Agroalimentar do Alentejo (CEBAL).

Em declarações à Rádio Portalegre, Francisco Mondragão Rodrigues, professor na Escola Superior Agrária de Elvas e coordenador do projeto, explicou que o Oleavalor já permitiu comprovar que as variedades de oliveira portuguesa, nomeadamente a galega, cobrançosa e carrasquenha, têm a mesma rentabilidade das estrangeiras, desde que produzidas de forma adequada.

Mondragão Rodrigues, não tem dúvidas de que a falta de informação e conhecimento dos agricultores tem contribuído para o abandono do olival português.

Ao longo dos últimos quatro anos, a equipa do politécnico de Portalegre tem trabalhado diretamente com olivicultores de Elvas, campo Maior, Monforte e Serpa, de forma a demonstrar que é possível reduzir custos e ter mais rentabilidade com as variedades autóctones.

O mesmo responsável indicou que o projeto já permitiu desenvolver novas técnicas de enraizamento, controlo de pragas e vacinas contra vírus, considerando que estes avanços podem reverter, nos próximos anos, a preferência por variedades de oliveira estrangeira.

O Oleavalor foi apresentado, segunda feira, na BioBip, a incubadora de empresas do Instituto Politécnico de Portalegre (IPP). O projeto implica um investimento de quase 800 mil euros, financiado por fundos comunitários, através do Alentejo 2020.

Comente este artigo
Anterior XI Jornadas da Amendoeira realizam-se em Espanha a 30 de Maio
Próximo Peste Suína Africana na China - Oportunidade para as Cooperativas da Fenapecuária

Artigos relacionados

Dossiers

Previsões agrícolas do INE: Produção forrageira inferior ao normal em Maio de 2019

[Fonte: Agricultura e Mar]

Previsões agrícolas do INE, Maio 2029
As condições meteorológicas ocorridas ao longo do mês de Maio contribuíram para a rápida perda de humidade das pastagens e forragens, com a consequente diminuição de biomassa e valor nutritivo.
Segundo as previsões agrícolas do Instituto Nacional de Estatística (INE), […]

Últimas

Padaria lituana procura tecnologia de automatização de fabricação de biscoitos

[Fonte: Agricultura e Mar]
Uma padaria lituana está à procura uma tecnologia de automatização de fabricação para actualizar a sua linha de fabricação.
O mecanismo actualizado deve ser capaz de dobrar um pedaço de massa de biscoito com recheio de uma maneira específica, […]

Últimas

“Passei a ter um trabalho mais parecido com aquilo que tinha com o meu pai, há 30 anos”. Produtores da Terceira convertem-se ao leite biológico

[Fonte: SAPO 24]

“O caminho dos Açores é mais natural, mais verde, com um produto melhor e vendido com um bom preço, que é aquilo que nós tentamos fazer ou que estamos a dias de apresentar. Acho que é esse o caminho de futuro para os Açores: é […]