PDR com 536 milhões de euros para a floresta

PDR com 536 milhões de euros para a floresta

O Secretário de Estado da Agricultura e Alimentação, Luís Vieira, afirmou hoje que o “Governo está empenhado na “promoção e captação de investimento para a floresta, estabelecendo medidas que diminuem o risco que os incêndios rurais e as pragas e doenças representam para a floresta”. Luis Vieira, que falava em Lisboa na sessão de abertura da 2ª edição do “Prémio Floresta e Sustentabilidade”, referiu que o PDR dispõe de uma dotação de 536 milhões de euros para a floresta, estando contratualizados 2.707 projetos, envolvendo um apoio público de 314 milhões de euros. Até ao momento, adiantou, foram pagos 153 milhões de euros, sendo Portugal o país com a terceira maior execução do PDR ao nível da União Europeia. O Secretário de Estado destacou ainda o facto dos concursos aos apoios florestais estarem a ser “regionalizados” de forma a aumentar a eficácia da resposta às necessidades de cada região.

Para além da vertente do investimento, Luis Vieira abordou os outros vetores que estruturam a Reforma da Floresta: o ordenamento florestal e a gestão sustentável. No campo do ordenamento, referiu que os Programas Regionais de Ordenamento Florestal estarão prontos até ao final do primeiro semestre, sendo que o próximo desafio é a sua transposição para os Planos Diretores Municipais, com recurso aos Gabinetes Técnico Florestais Intermunicipais. As Zonas de Intervenção Florestal e os Baldios são parceiros chave no âmbito da gestão sustentável, estando o Governo, sublinhou Luís Vieira, a preparar apoios específicos para a melhoria de gestão destas áreas.

Durante a sua intervenção, o Secretário de Estado destacou ainda a aprovação do Programa Nacional de Regadios, com uma dotação de 530 milhões de euros, para apoiar a instalação de 95 000 hectares correspondente a novas áreas e à requalificação de regadios. “A Reforma da Floresta e o Regadio procuram responder aos desafios que nos coloca um dos principais problemas do nosso século – as alterações climáticas. Estas constituem um aspeto crítico a que as florestas têm de responder, seja através da sua adaptação, seja através do seu papel na mitigação das mesmas”, sintetizou Luís Vieira.

A forma como o novo Quadro Financeiro Plurianual da União Europeia  e a nova PAC irão responder às políticas no domínio da Floresta e do Regadio foram também abordadas. “A nova PAC será apresentada no princípio de junho, procurando o Governo no processo negocial que se avizinha, acautelar a existência de uma dotação financeira adequada para a Floresta e para o Regadio, assim como uma maior flexibilidade nas elegibilidades, para garantir o reforço das políticas nestes domínios”, assegurou o Secretário de Estado.

O Prémio Floresta e Sustentabilidade é uma iniciativa da CELPA-Associação de Industria Papeleira e do Grupo Cofina, com o patrocínio do Ministério da Agricultara, Florestas e Desenvolvimento Rural.

Comente este artigo
Anterior SIMAB debate influência dos mercados abastecedores no tecido empresarial e no crescimento económico - 2 de Maio 2018 - Lisboa
Próximo Refundar os Serviços Florestais e Aquícolas em Portugal Continental

Artigos relacionados

Sugeridas

Bruselas trabaja en una herramienta para el uso sostenible de los fertilizantes

[Fonte: Agropopular – UE]
La Comisión Europea ha anunciado que está trabajando en el desarrollo de una herramienta que ayudará a los agricultores a gestionar el uso de nutrientes y fertilizantes en sus explotaciones. Ha recordado que sus propuestas de reforma de la PAC incluyen, […]

Nacional

“Este é o ano de consagração da FICOR”, diz o presidente da Câmara de Coruche

[Fonte: Gazeta Rural]
Coruche recebe de 30 de Maio a 2 de Junho a FICOR – Feira Internacional da Cortiça, certame que visa promover e divulgar o único produto em que Portugal é o maior produtor mundial, mas também afirmar o concelho como capital mundial da cortiça. […]

Comunicados

Com um aumento de importações de 112 %, os Estados Unidos são o principal fornecedor de soja da Europa

[Fonte: Comissão Europeira]
Por outro lado, a Europa continua a ser, de longe, o principal destino das exportações de soja dos EUA (28 %), seguida da Argentina (10 %) e do México (9 %).
Tal faz parte da aplicação da Declaração Conjunta acordada entre os Presidentes Juncker e Trump em julho de 2018, […]