PCP quer água gerida pelas associações de regantes e barragens prometidas construídas

PCP quer água gerida pelas associações de regantes e barragens prometidas construídas

[Fonte: Publico]

Comunistas defendem construção de algumas das albufeiras que o actual Governo suspendeu e uma rede de transvases entre barragens para evitar o transporte por autotanques, como aconteceu em Viseu há dois anos.

O PCP quer que a Comissão de Agricultura e Mar e o Parlamento em geral tenha um papel mais activo na fiscalização das acções do Governo para o combate estrutural à seca. Por isso, na reunião desta terça-feira vai propor uma visita às zonas de abrangência dos aproveitamentos hidroagrícolas das regiões que mais estão a sofrer com a seca severa, cuja área aumentou de 5% do território em Fevereiro, para uns significativos 37,5% em Março, a que se veio somar os 0,5% de seca extrema, sobretudo no Algarve.

As zonas onde o armazenamento de água está já a ficar mais deficitário são as de Campilhas e Alto Sado, Mira, Veiros (Estremoz) e Marvão.

Os comunistas querem ainda ouvir no Parlamento, além do ministro e das confederações (CAP, CNA, Confagri e AJAP) que já foram chamadas por PSD e CDS, a Confederação Nacional dos Jovens Agricultores de Portugal (CNJAP) e a Federação Nacional de Regantes de Portugal (Fenareg). Os requerimentos para as audições e as visitas são apresentados durante a reunião na comissão. Neste último caso estão os verdadeiros utilizadores da água e, por isso, os mais habilitados para falar sobre os problemas da sua gestão, defende o deputado João Dias. “A água devia ser gerida por quem a usa; devem ser as associações de regantes a decidir sobre a rede de distribuição e a gestão, como por exemplo, o preço a pagar pelos utilizadores.”

“Nos anos em que a seca se torna um problema grave, tomam-se medidas de contingência, quando o que precisamos é de medidas de fundo para assegurar o armazenamento de água para a agricultura e o consumo humano”, afirma João Dias. Não faz sentido continuar a fazer todos os anos contratos de aluguer de autotanques para abastecer as populações e manter na gaveta os planos de uma série de barragens, aponta.

Por isso, o PCP, embora ainda não tenha tomado posição sobre a construção da polémica barragem do Fridão – que o parceiro de coligação na CDU, o PEV, tem combatido arduamente – defende que é preciso construir mais barragens com dupla utilização de armazenamento e produção de energia. Um dos exemplos é a do Pisão (Crato) no norte alentejano, aponta João Dias que, questionado sobre essa diferença de opinião em relação ao PEV, se apressa a especificar que terão que ser barragens construídas “em harmonia com uma boa política ambiental e a conservação da natureza”.

Além de barragens de maiores dimensões, o PCP defende que se devem também construir pequenas e mini-barragens em cursos de água menores, para aproveitamento agrícola e abeberamento de animais. A que se deve juntar uma rede de transvases entre albufeiras, acrescenta João Dias – entre o Alqueva e barragens alentejanas como a do Monte da Rocha, em Ourique, ou entre a Aguieira e Fagilde, para evitar o transvase por autotanques, como aconteceu há dois anos.

Mas o uso que se dá à água é também um ponto preocupante. João Dias afirma que, no caso do Alqueva, a água está a ser monopolizada para culturas superintensivas, como o olival e o amendoal, deixando de lado muitos pequenos proprietários. A que se soma, nas vilas e cidades, o uso de água da rede pública para a rega de jardins e limpeza urbana – que deviam passar a ser feitas com as águas residuais tratadas, defende o deputado comunista.

Comente este artigo
Anterior Comité de Agricultura do Parlamento Europeu aprova medidas de reforma da PAC
Próximo Governo rejeita atrasos no PT2020. “Estamos entre os melhores da Europa”, diz Nelson Souza

Artigos relacionados

Nacional

Ministra da Agricultura: Sustentabilidade é a palavra de ordem deste Orçamento

«Sustentabilidade é a palavra de ordem deste Orçamento», afirmou a Ministra da Agricultura, Maria do Céu Albuquerque, na audição […]

Últimas

Primeiro-ministro ambiciona uma floresta que seja “um factor de riqueza colectiva”

O primeiro-ministro, António Costa, defendeu nesta quarta-feira, em Figueiró dos Vinhos, que o desafio do Estado é transformar a grande ameaça que tem sido a floresta numa fonte de riqueza para o território. […]

Notícias PAC pós 2020

Orçamento europeu. 27 não chegam a acordo

A reunião de quinta-feira durou até às 6h00 e recomeça às 11h00 desta sexta-feira. A situação está tão complicada que o primeiro-ministro checo […]