Painel Online gratuito sobre Manejo Fitossanitário para Altas Produtividades

Painel Online gratuito sobre Manejo Fitossanitário para Altas Produtividades

[Fonte: Voz do Campo]

Programa SolloAgro da ESALQ/USP promove Painel Online gratuito sobre Manejo Fitossanitário para Altas Produtividades

Os investimentos em conhecimento e especialização para o desenvolvimento sustentável e crescimento da agricultura brasileira têm sido cada vez mais fundamentais para que a atividade agrícola do país atinja os resultados desejados, tanto em produtividade quanto em benefícios para o produtor.

Com o objetivo de contribuir para que esse processo seja realizado de forma assertiva, o Programa SolloAgro de Educação Continuada em Agricultura Sustentável, do Departamento de Ciência do Solo da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ/USP), promoverá, no dia 27 de março, um painel online sobre Manejo Fitossanitário para Altas Produtividades.

Serão três palestras de trinta minutos cada, com temas interligados. Na sequência, acontecerá uma mesa redonda de mais trinta minutos, coordenada por um moderador, com discussão entre os palestrantes e respostas aos questionamentos dos participantes.

Os palestrantes convidados para o painel são o Prof. Pedro T. Yamamoto, do Departamento de Entomologia e Acarologia (ESALQ/USP), , que falará sobre o Manejo de Pragas, o Prof. Pedro J. Christoffoleti, do Departamento de Produção Vegetal (ESALQ/USP), explorando o tema Manejo de Plantas Daninhas, além do professor Prof. José Octávio M. Menten, do Departamento de Fitopatologia e Nematologia (ESALQ/USP), que abordará o Manejo de Doenças e Registros de Produtos.

De acordo com o professor Yamamoto, o conceito de Manejo Integrado de Pragas (MIP) foi desenvolvido para diminuir ou eliminar os efeitos colaterais indesejáveis da utilização indiscriminada de produtos fitossanitários, tais como resistência de praga, surtos de pragas secundárias e ressurgência da praga alvo de controle. Com isso, é possível evitar a contaminação ambiental, a presença de resíduos em alimentos e no solo, além da morte de organismos não-alvos. “O MIP busca a estabilidade do agroecossistema e  menos efeitos danosos das pragas, com melhoria do equilíbrio biológico e da sustentabilidade do sistema. O produto final que se espera é a menor dependência”, explica.

Já, segundo o professor Christoffoleti, o objetivo da agricultura moderna é produzir mais por menos, procurando preservar a sustentabilidade dos sistemas produtivos, tanto no aspecto ambiental quanto econômico. “Para obtenção deste propósito é essencial que as tecnologias estejam pautadas em genética avançada, melhoria da eficácia de uso dos recursos do ambiente de produção e manejo inteligente dos fatores redutores de produtividade”. Acrescenta que, neste último fator, destacam-se as perdas provocadas pelas plantas daninhas, que podem ser da ordem de 35%. “Para seu controle, o manejo integrado é com certeza a melhor alternativa, porém a principal ferramenta utilizada são os herbicidas. Assim, é fundamental conhecer o comportamento dos herbicidas nas plantas e no solo, sua eficácia de controle e sua seletividade para as culturas”, avalia.

No quesito manejo de doenças e registros de produtos, o professor Menten destaca que as doenças de plantas causam danos de cerca de 15% no rendimento de culturas agrícolas. “Dentre os diversos métodos de manejo, os fungicidas têm papel importante. Caso não sejam usados, os prejuízos médios podem chegar a 20%. Fungicidas mais novos são mais eficientes, usados em menores doses e com menores toxicidade e efeitos ambientais adversos. São mais amigáveis”. Ainda, segundo Menten, os fungicidas só podem ser comercializados e utilizados após serem registrados. “Um dos grandes problemas é a morosidade de registro de novos fungicidas, em especial com novos mecanismos de ação. Há necessidade de se modernizar a legislação e os procedimentos de registro no Brasil”, observa.

Serviço:
Evento: Painel Online “Manejo Fitossanitário para Altas Produtividades 
Horário: 19:00
Programação:
19h: Manejo de pragas – Prof. Pedro T. Yamamoto – Departamento de Entomologia e Acarologia (ESALQ/USP)  
19h30: Manejo de plantas daninhas – Prof. Pedro J. Christoffoleti – Departamento de Produção Vegetal (ESALQ/USP)
20h: Manejo de doenças e registros de produtos – Prof. José Octávio M. Menten – Departamento de Fitopatologia e Nematologia (ESALQ/USP)
20h30: Mesa-redonda com discussão entre os palestrantes e respostas aos questionamentos dos participantes.
21h: Encerramento

Para assistir ao Painel gratuitamente, inscreva-se  aqui  (obs.: a transmissão será no mesmo endereço eletrônico)

Autoria:BPA Comunicação Integrada | Rafael Albuquerque (no Brasil)

Comente este artigo

O artigo Painel Online gratuito sobre Manejo Fitossanitário para Altas Produtividades foi publicado originalmente em Voz do Campo

Anterior Coerência, e não conveniência, precisa-se! - Maria Cândida Marramaque
Próximo Governo revogou 14 quilos de leis

Artigos relacionados

Últimas

UAlg traz a Algoz especialista internacional em doenças de citrinos

Imprimir
Por • 24 de Maio de 2017 – 15:35

Greening numa laranja

O agrónomo Thomas Stopyra vai estar esta quinta-feira, dia 25 de Maio, no auditório da Caixa de Crédito Agrícola, em Algoz, para proferir a palestra «A situação atual da citricultura na Florida». […]

Últimas

Governo apresenta plano de combate ao desperdício alimentar no final do ano

[Fonte: Vida Rural]
O Secretário de Estado da Agricultura e Alimentação, Luís Vieira, anunciou esta semana que até ao final do ano será apresentado pelo Governo um plano nacional de combate ao desperdício alimentar. Para isso, será criada uma Comissão Nacional de Combate que incluirá dez ministérios e várias entidades da sociedade civil portuguesa. […]

Sugeridas

Portugal não vai conseguir acordo melhor para fundos europeus, avisa Carlos Moedas

[Fonte: ECO]
O Governo português está a procurar melhorar a proposta feita pela Comissão Europeia relativa ao orçamento plurianual de 2021-2027, que implica um corte de 7% nos fundos comunitários para a Política de Coesão a receber por Portugal e de 15% para financiar o Desenvolvimento Rural. […]