“Os incêndios acontecem porque não comemos chanfana”

“Os incêndios acontecem porque não comemos chanfana”

[Fonte: Vida Rural]

A importância da agricultura coesão territorial foi o tema de abertura do 1º Congresso Ibérico do Milho, que decorre até hoje (14 de fevereiro) em Lisboa.

Henrique Pereira dos Santos, arquiteto paisagista, enfatizou que atualmente não estamos numa fase de degradação dos sistemas naturais mas sim num processo de recuperação desses mesmos sistemas. Citou Aquilino Ribeiro com a frase “o melhor do país cheira a estábulo” e defendeu a necessidade de pastorícia para manter paisagens e prevenir o drama dos fogos florestais: “A floresta arde não porque os proprietários não limpem as terras mas sim porque não comemos borrego”, justificou. Pereira dos Santos disse ainda que a fertilidade dos solos deixou de ter como base os rebanhos e passou a depender de adubos: “E deixámos de comer mão de vaca”, atirou.

A utilidade social para as terras marginais é para este arquiteto o fulcro da questão: “o agricultor é um criador de valor e não apenas um produtor de alimentos ou fibras e a produção resolve-se no mercado”. Por isso defende que a PAC não deve remunerar sistemas produtivos mas sim pagar serviços ao ecossistema, tendo como base o papel decisivo da atividade na regulação do fogo.

A terminar a sua apresentação, Henrique Pereira dos Santos referiu que é mais barato e eficiente financiar um rebanho de cabras sapadoras e um pastor, do que uma equipa de sapadores florestais: “O problema é que as políticas públicas refletem mais o interesse das pessoas que as desenvolvem do que o interesse da comunidade. E é esta dissonância cognitiva entre as políticas públicas e as necessidades do mundo rural que temos de resolver nas próximas gerações”.

Comente este artigo

O artigo “Os incêndios acontecem porque não comemos chanfana” foi publicado originalmente em Vida Rural.

Anterior Limpar as florestas nacionais vai dar benefícios fiscais
Próximo Cristas culpa Governo pela execução de apenas trinta por cento dos fundos para a Agricultura

Artigos relacionados

Nacional

Quase dois mil hectares perdidos em Penela


O incêndio que atingiu vários concelhos da região Centro na semana passada queimou cerca de 1.800 hectares de floresta no município de Penela, distrito de Coimbra, disse hoje o presidente da Câmara.
“Atingiu uma mancha florestal muito grande, sensivelmente 1.800 hectares de área ardida. […]

Dossiers

Novo regime de concessão de vistos de residência para o trabalho sazonal de outros países vai facilitar a agricultura

A transposição, em 28 de agosto de 2017, da Diretiva 2014/36/ da União Europeia introduziu profundas alterações Lei que regula as regras, os termos e condições, bem como, os procedimentos referentes à contratação de cidadãos estrangeiros para o exercício de actividade profissional subordinada. 

Nacional

Açores: 522 mil euros para reforço do abastecimento de água à agricultura no Pico

[Fonte: Agricultura e Mar]
O secretário Regional da Agricultura e Florestas afirmou que o investimento de 522 mil euros que o Governo dos Açores aplicou na obra do furo de captação de água do Cabeço Pequeno e ligação à rede existente, […]