Origem dos alimentos: proteção dos consumidores ou protecionismo? – Francesco Montanari

Origem dos alimentos: proteção dos consumidores ou protecionismo? – Francesco Montanari

Quando comecei a trabalhar no setor agroalimentar, há quase 20 anos, nunca teria podido imaginar que a rotulagem dos géneros alimentícios pudesse vir a ter a importância de que se reveste hoje a nível normativo e comercial. Da mesma forma, dificilmente teria podido antever que alguns aspetos da rotulagem alimentar acabassem por gerar divisões tão profundas entre os atores da cadeia agroalimentar e os Estados Membros da União Europeia (UE).

Nas últimas duas décadas, o legislador europeu tem vindo a construir um quadro normativo complexo e abrangente para a rotulagem dos géneros alimentícios, privilegiando uma abordagem harmonizadora.

Neste contexto, o Regulamento (UE) n.º 1169/2011 é o texto jurídico de referência da matéria em apreço.

Apesar da ação harmonizadora, há em boa verdade áreas em que a normativa UE reconhece a possibilidade aos Estados membros de adotar, sob respeito de determinadas condições, medidas nacionais.

Isso é exatamente o caso da indicação do país de origem (ou do lugar de proveniência) nos rótulos alimentares, que, desde 2014, tem levado muitos países UE – incluindo Portugal e, mais recentemente, a Espanha – a estabelecer requisitos específicos para determinadas categorias de produtos (maioritariamente para o leite e o leite como ingrediente em produtos lácteos, mas também para tomate, arroz, pasta, a carne de coelho (sic) e a carne como ingrediente em alimentos processados).

Antes de mais, importa referir que a própria legislação UE requer obrigatoriamente a indicação do país de origem em relação a muitos alimentos (peixe, fruta e legumes, azeite, mel, carne bovina, suína, ovina, caprina e de aves de capoeira, entre outros).

Fora destes casos especificamente regulamentados pela lei, a normativa europeia estabelece o princípio geral segundo que a indicação do pais de origem é obrigatória sempre que a sua omissão possa ser enganosa para o consumidor, admitindo também que as empresas agroalimentares possam disponibilizar esta informação de forma voluntária. Além disso, a partir de 1 de abril de 2020, será obrigatória a indicação do país de origem do ingrediente primário de um alimento caso seja indicada a origem desse alimento e esta seja diferente da origem do ingrediente primário.

No caso específico do leite e do leite como ingrediente em produtos lácteos, a obrigatoriedade da indicação de origem tem sido excluída a nível europeu principalmente por causa dos custos que um tal requisito implicaria sobretudo no caso dos produtos sujeitos a processamentos mais complexos (manteiga, iogurte, queijos) e que inevitavelmente acabariam por se refletirem no preço final de venda.

Perante um quadro jurídico bastante completo, é legitimo questionar-se sobre as razões que motivaram muitos países europeus a adotar regras nacionais em matéria de origem. Embora muitas das medidas nacionais em apreço teriam sido elaboradas como resposta a exigências manifestadas por uma maioria de consumidores nacionais, parece-nos que os argumentos invocados pelos Estados Membros não tenham sido sempre sólidos e completamente convincentes, deixando a dúvida que se trate, na verdade, de medidas protecionistas com o único objetivo de valorizar a produção nacional.
Além disso, a coexistência entre as regras UE e as regras nacionais que têm sido adotadas nos últimos anos levanta muitas questões de ordem jurídica e política.

Em primeiro lugar, apesar de muitas destas medidas nacionais ter sido autorizadas pela Comissão Europeia antes da sua entrada em vigor, permanece aberta a questão se tais medidas deveriam ter sido previamente notificadas à Organização Mundial do Comercio de modo a excluir qualquer entrave às trocas comerciais entre a UE e os seus parceiros internacionais.

Em segundo lugar, numa ótica europeia, estas medidas acabam por contribuir para uma fragmentação regulamentar do mercado europeu indesejável e em contracorrente com a abordagem harmonizadora. O facto de alguns países (Itália e Roménia) terem introduzido normas nacionais sem sequer respeitar os procedimentos de consulta previstos a nível europeu constitui um precedente muito grave pela integridade do mercado europeu no que diz respeito à livre circulação dos produtos alimentares. Além disso, não nos podemos esquecer que perante o Tribunal de Justiça da UE pende neste momento um processo (Groupe Lactalis, C-485/18) em que está em questão, entre outros, exatamente a legitimidade das medidas nacionais em matéria de origem face à existência de uma base jurídica que atribua tal competência à UE (como no caso do leite e do leite como ingrediente em produtos lácteos).

De qualquer das formas, o que mais surpreende no contexto europeu é a necessidade política absoluta e imprescindível de estabelecer requisitos nacionais adicionais e obrigatórios em matéria de indicação da origem quando, como já referido, a legislação europeia permite que os operadores do setor agroalimentar forneçam essa informação de forma voluntária. Além disso, nada obstaria à realização de soluções mais ambiciosas e abrangentes de self-regulation impulsionadas pelos setores interessados a nível nacional ou até europeu.

Dada a sua relevância económica, o setor agroalimentar tem-nos habituado a disputas comerciais internacionais decorrentes da implementação de políticas alegadamente protecionistas. No entanto, a nível europeu, onde vigoram princípios fundamentais e fortemente integradores, como o princípio de cooperação leal entre os países do clube UE e do reconhecimento mútuo na área da livre circulação das mercadorias, a regulamentação da indicação da origem nos rótulos alimentares tem fomentado tensões institucionais sem precedentes. Embora não seja o caso português, nalguns contextos nacionais específicos trata-se, infelizmente, do resultado duma propaganda política de matriz nacional-populista e eurocética a que nem o setor agroalimentar parece estar imune.

Francesco Montanari

Doutorado em direito europeu pela Universidade de Bolonha, especialista em direito agroalimentar e Diretor dos assuntos jurídicos e regulamentares da Arcadia International, antena Ibérica, Lisboa

Comente este artigo
Anterior Turismo e características regionais destacam vinhos portugueses em Dusseldord
Próximo Évora. CONFAGRI esclarece agricultores no âmbito dos Regimes de Apoio aos Pagamentos Diretos

Artigos relacionados

Opinião

A Agricultura Portuguesa alcançou em 2018 resultados menos favoráveis do que os obtidos, em média, nos últimos anos – Francisco Avillez

De acordo com os dados publicados pelo INE, em Dezembro de 2018, no âmbito da primeira estimativa das Contas Económicas de Agricultura (CEA), os principais indicadores económicos evoluíram, neste último ano, de forma menos favorável do que em 2017 e do que na média dos últimos 5 anos, […]

Sugeridas

Aprender com as Crises – Jaime Piçarra

Se olharmos para os últimos 15 anos, concluímos que a evolução do setor agroalimentar e, naturalmente, da Fileira Pecuária, foi marcada por duas alterações fundamentais: do lado da oferta, a sofisticação dos processos de produção e de fabrico nas diferentes fases e operadores da fileira, devido às imposições legais ao nível da segurança alimentar na sequência das crises (dioxinas, […]

Opinião

Economia Circular: uma importante perspectiva na fertilização das culturas – Manuel Chaveiro Soares

Desde há vários anos que a Portaria nº 631/2009, de 9 de Junho, vem sendo objecto de discussão, pois é reconhecidamente inexequível e fortemente condicionadora da valorização agrícola dos efluentes pecuários (estrumes e chorumes). Ademais não considera os adubos minerais que, por sinal, são predominantes […]