Opinião: O mundo maravilhoso do eucalipto

Opinião: O mundo maravilhoso do eucalipto

 

João Vaz

Assisti recentemente a uma palestra na Figueira da Foz sobre a “Floresta, incêndios, mitos e equívocos”. A longa apresentação defendeu os “incontestáveis” benefícios da “floresta do eucalipto”, recorrendo a muitos números e gráficos. Só faltou dizer que o “eucalipto não arde em Portugal”, mas arde na Austrália onde provoca gigantescos incêndios, causando centenas de mortes, e é apelidado de “gasoline tree”.

Paralelamente o orador convidado, representante da indústria do papel e da celulose (CELPA), passou um atestado de incompetência às instituições estatais, desde o Ministério do Ambiente à Proteção Civil. Não faltaram as críticas aos ambientalistas, “uns doidos que se acorrentam a árvores”. A cereja em cima do bolo: o apelo ao consumo de papel, vamos imprimir emails para “proteger a floresta”.

No final algumas perguntas incómodas, desde a poluição gravíssima no rio Tejo até ao facto do investimento da indústria da celulose em “floresta certificada de produção de eucalipto” ter estagnado (6% do total). Se realmente os terrenos “improdutivos” abundam e são baratos, porque não investe a indústria e “organiza” o território? A resposta foi esquiva, porque fica mais caro ter meios de proteção, certificar, tratar quimicamente,…etc. E por isso, a desregulação (“alguém viu o arranque de eucaliptais ilegais?”) e a desorganização florestal não incomodam a indústria da celulose e do papel. O eucalipto após o incêndio rebenta de novo, expande-se, invade e nem precisa de ser plantado. Temos 400 milhões de eucaliptos em Portugal. São plantados por uma única razão: dinheiro.

Comente este artigo
Anterior As energias renováveis na Agricultura - Nuno Vacas
Próximo Opinião – Os fenómenos naturais e as suas perversões

Artigos relacionados

Nacional

“No reino do abutre”. Um destino no Alentejo para ver aves que não se encontram em mais outro lugar

Em pleno inverno, num dia bafejado pela presença de sol após dias de chuva, mas marcado pelo azar da ausência de espécies de abutre à […]

Nacional

EDIA junta-se ao projecto “km.0” para divulgação junto dos seus clientes

A EDIA — Empresa de Desenvolvimento e Infra-Estruturas do Alqueva acaba de se juntar ao projecto “Km.0” – Quilómetro Zero. Uma iniciativa promovida pela Universidade de Évora que juntou um conjunto de parceiros para a dinamização da produção local de produtos agro-alimentares, […]

Internacional

The robots weeding organic farms and patrolling for greenhouse pests

Robots that use artificial intelligence to recognise the health of fruit and vegetable crops and when they’re ready to harvest are being […]