As energias renováveis na Agricultura – Nuno Vacas

As energias renováveis na Agricultura – Nuno Vacas

Num futuro próximo, as energias renováveis vão contribuir de modo significativo para a eficiência energética e redução de emissões de gases de estufa no sector Agrícola e Agro-industrial.

Portugal tem condições edafoclimáticas muito competitivas em relação a outros países da Europa: clima, relevo, temperatura, radiação e vento para a produção de Energias Renováveis – Solar (fotovoltaica e térmica), Eólica e Biomassa. A energia solar, passível de ser convertida em energia fotovoltaica e térmica, é possivelmente a fonte privilegiada, já que Portugal permite um período médio de exposição solar anual de 2200 a 3000 horas, valor bastante superior aos obtidos nos países da Europa central, que possuem entre 1200 a 1700 horas.

O potencial de utilização das energias renováveis no sector Agrícola é enorme e ainda há muito por explorar (exemplos):

  • Fornecer energia eléctrica a lugares remotos – onde os custos da montagem de linhas eléctricas são superiores ao sistema fotovoltaico ou onde exista a impossibilidade deste tipo de fornecimento.
  • Alimentar sistemas autónomos, bombas de água para irrigação, sinalização, alimentação de sistemas de telecomunicação, etc.
  • A integração de módulos fotovoltaicos na envolvente dos edifícios (paredes e telhados) é uma aplicação recente, que pode representar reduções de custos de construção e energéticos.

Para se alcançar uma maior utilização das energias renováveis na nossa Agricultura é necessário um programa específico de apoio à implementação das energias renováveis no sector – soluções de autoconsumo, responder à sazonalidade da actividade e potências de energia específicas para a Agricultura. Importante também será a implementação de acções de formação que visem a eficiência energética em máquinas e equipamentos agrícolas e agro-indústrias. Esta formação terá como objectivos responder à problemática da diminuição da dependência energética, redução de custos/consumo, melhoria do rendimento global, e a sustentabilidade das explorações agrícolas (optimização da eficiência energética das mesmas), em sectores muito específicos, tais como regadio e culturas intensivas; aplicação de tecnologias inovadoras, melhoria na gestão de subprodutos e na eficiência energética das agro-indústrias.

Regadios mais eficientes:

  • Auditorias anuais aos Sistemas de Rega;
  • Introdução de novas tecnologias de rega mais eficientes;
  • Instalações de reservatórios de água;
  • Sistemas de medição de caudal;
  • Melhoria das redes de transporte e distribuição de água (tubagens, canais);
  • Avaliação em tempo real das necessidades de água;
  • Sistemas de bombagem, com variadores de frequência, baterias de condensadores, arrancadores suaves – Sistema de Bombagem/Equipamento de Rega – com energia fornecida através de painéis fotovoltaicos;
  • Automatização dos sistemas de comando e controlo à distância;
  • Tarifas mais adequadas (Negociação com Fornecedores, compra de energia agrupada, gestão dos horários, por forma a não consumir energia em horário ponta).

Figura 1 – Apoio à energia renovável nos programas de desenvolvimento rural para 2014-2020.

Figura 2 – Diminuição do efeito estufa (CO2) nas energias renováveis para o cenário de 2008 e 2020 para condições de aumento dos investimentos agrícolas em energia renovável.

Fonte/ Source: Final Report for the European Commission Directorate-General Agriculture and Rural Development – “Impacts of Renewable Energy on European Farmers – Creating Benefits for Farmers and Society” – 5 December 2011.

Assim, uma aposta nas Energias Renováveis é o caminho a seguir para alcançar a melhor eficiência energética nas máquinas e equipamentos agrícolas e agro-indústrias.

A curto prazo, à que envidar esforços e congregar sinergias (Universidades, Associações de Agricultores e Agro-indústria) para tornar efectiva e cada vez mais acessível o investimento nesta área das Energias Renováveis.

https://ec.europa.eu/agriculture/sites/agriculture/files/external-studies/2012/renewable-energy-impacts/full_text_en.pdf

http://www.europarl.europa.eu/RegData/etudes/ATAG/2016/593546/EPRS_ATA(2016)593546_EN.pdf

 

Nuno Vacas

Responsável pela Manutenção e Logística da AGROMAIS

 

Comente este artigo
Anterior Top articles Retour sur l'actualité de la semaine en cinq articles
Próximo Associação Zero teme pela qualidade da água tanto para cosumo como para a...

Artigos relacionados

Últimas

O papel do Engenheiro Agrónomo no mundo contemporâneo – Fernando Mendes Lamas

O Brasil vem experimentando uma profunda transformação em sua agricultura, antes baseada na produção de café e cana-de-açúcar. Enquanto exportávamos café e açúcar, não tínhamos a nossa segurança alimentar garantida. Importávamos em quantidades significativas arroz, feijão, trigo, etc., produtos básicos na dieta alimentar da população brasileira. […]

Opinião

As barragens e Daniel Oliveira – a evaporação da decência intelectual

Costumo gostar de o ler e de o ouvir, o que faço com alguma frequência. Por isso, confesso, o texto que publicou ontem no Expresso sobre Catarina Martins, barragens e evaporação, intitulado “A cultura Twitter evapora a política” constituiu uma profunda desilusão. […]

Opinião

Espírito Agroglobal – Joaquim Pedro Torres

A edição 2016 da Agroglobal foi mais uma inequívoca demonstração da força e vitalidade do setor agrícola…