OGM | Algodão transgénico pode ajudar a revitalizar indústria têxtil no Quénia

OGM | Algodão transgénico pode ajudar a revitalizar indústria têxtil no Quénia

Com a aprovação da comercialização de algodão Bt, o governo queniano espera recuperar o setor têxtil, em declínio há vários anos, e criar 25 mil empregos até 2022.

O Quénia aprovou em 2019 o cultivo de algodão geneticamente modificado, depois de cinco anos de ensaios de campo. E em março de 2020, o país deu início à comercialização, juntando-se à lista crescente de países africanos produtores de OGM (Organismos Geneticamente Modificados), que inclui a África do Sul (algodão, milho e soja), Nigéria (algodão e feijão), Eswatini, que anteriormente se chamava Suazilândia (algodão), Sudão (algodão), Malawi (algodão) e Etiópia (algodão).

O governo queniano espera que o cultivo de algodão transgénico ajude a revitalizar a indústria têxtil nacional, que no passado foi um grande empregador – em 1980 dava trabalho a 500 mil pessoas e atualmente emprega 20 mil. O setor têxtil foi drasticamente afetado pelo declínio da produção de algodão – 28.000 fardos em 2020, bem abaixo dos 49.000 fardos em 2010 – e pelas importações da China.

Mas este cenário pode mudar se for atingida a meta estabelecida pelo governo do Quénia: ter mais de 80 mil hectares cultivados com aldodão Bt até 2022. Pelas contas do governo, isso criará mais de 25 mil empregos ao longo da cadeia de valor (produção, processamento e comércio). “Ao produzirem algodão Bt, os nossos agricultores garantirão um fornecimento constante de matérias-primas para a indústria têxtil”, explicou o secretário do Gabinete de Agricultura do Quénia, Peter Munya.

Além da comercialização do algodão Bt, o Quénia aprovou testes de desempenho para a mandioca geneticamente modificada resistente à podridão e realizou com sucesso ensaios de campo de milho GM resistente a insetos com a expectativa de iniciar a sua comercialização em 2023. De salientar que a podridão pode resultar na perda de 98% da produção mandioca e a broca e outras pragas são responsáveis pela perda de 40% da produção de milho.

Leia o artigo original aqui.

O artigo foi publicado originalmente em CiB - Centro de Informação de Biotecnologia.

Comente este artigo
Anterior Vinicultores podem candidatar-se a apoio de 1,5 ME para capacidade de armazenagem
Próximo Newsletter on Agriculture & Innovation | Edição 94 | Setembro 2021

Artigos relacionados

Nacional

Associações zoófilas pedem mudança de tutela de animais de companhia

Mais de uma centena de organizações que recolhem animais pediram hoje ao governo que cumpra a intenção de transferir a tutela dos animais de companhia e errantes do Ministério da Agricultura para outra entidade. […]

Nacional

41ª Feira Internacional de Máquinas Agrícola – FIMA AGRÍCOLA 2020 – 25 a 29 de fevereiro – Saragoça

O futuro do mundo agrícola se reúne em Zaragoza de 25 a 29 de fevereiro de 2020, vai se realizar a 41º Feira Internacional de Máquinas Agrícola – FIMA AGRÍCOLA 2020. […]

Sugeridas

Linha Capitalizar – Covid-19

O Setor do agroalimentar tem acesso à linha de crédito Capitalizar 2018 | COVID-19 para fazer face às necessidades de fundo de maneio e de […]