Odemira e Aljezur: o novo paradigma de agricultura sustentável

Odemira e Aljezur: o novo paradigma de agricultura sustentável

Opinião – Nuno Pereira

De zona deprimida e desertificada, passou-se para uma região pujante de atividade. O saldo entre os benefícios e os problemas é largamente positivo.

Os concelhos de Odemira e Aljezur apresentam, desde sempre, um potencial agrícola invejável, devido à conjugação de um conjunto único de fatores edafoclimáticos, como são as características dos seus solos, o clima temperado e a disponibilidade de água de qualidade e em quantidade. Por isso mesmo, em 1965 foi criado o Perímetro de Rega do Mira (PRM), que permitiu equipar e regar cerca de 12.000 hectares de terreno.

É somente em 1988 que é constituída uma região de Paisagem Protegida, que evoluiu posteriormente para a criação de um Parque Natural, cuja área se sobrepõe à quase totalidade do PRM, criado uma vintena de anos antes. A partir desse momento, Natureza e Agricultura ficaram inevitavelmente ligados e obrigados a entender-se e a coexistir para grande benefício da região.

Ao longo dos anos, a região foi consciencializando-se da importância de aperfeiçoar as suas práticas, seguir regras impostas e indo além destas, assegurando com isso a sustentabilidade do território. E é assim que em 1997 surge a AHSA, que ostenta hoje a designação de Associação dos Horticultores, Fruticultores e Floricultores dos Concelhos de Odemira e Aljezur. A associação reúne empresas agrícolas e agroindustriais nacionais e internacionais e contribui hoje, na economia local e nacional, com uma faturação de mais de 200 milhões de euros, grande parte dela destinada à exportação.

Assenta numa agricultura moderna, intensiva, mas sustentável, produzindo mais kg por unidade de área, com menores consumos de água e com necessidade reduzida de utilização de fitofármacos ou fertilizantes. É prática comum a utilização de auxiliares biológicos.

Dos 12.000 de hectares disponíveis no PRM, apenas 58% está a ser regado, 4000 dos quais dedicados a horticultura e apenas 1500 dispondo de algum tipo de cobertura. Está, assim, a ser utilizada pouco mais de uma terça parte da área que a legislação atual prevê poder ser coberta.

Reconhecendo, apesar disso, o impacto visual que as áreas cobertas podem ter, tomou a AHSA, proactivamente, a decisão de ir implementando cortinas de abrigo que, simultaneamente, protegem as culturas, promovem a fauna e a flora locais, enquanto minimizam a intrusão visual das estufas existentes.

Um dos efeitos colaterais de todo este desenvolvimento prende-se com uma alteração substancial do tecido social da região. De zona deprimida e desertificada, com uma população envelhecida e carência de mão-de-obra, passou-se para uma região pujante de atividade, atraindo migrantes de natureza temporária, mas também potencialmente permanente.

Cremos que o saldo entre os benefícios colhidos e os problemas suscitados é largamente positivo, mas não deixam de ser grandes os entraves que se colocam. Entre eles, o maior será provavelmente o do alojamento dos trabalhadores pelo impacto que provoca nos próprios e na população local. Algumas empresas associadas da AHSA participam ativamente na inclusão harmoniosa da mão de obra migrante, através das ações do PMIM (Plano Municipal de Integração de Migrantes) e do CLAIM (Centro Local de Apoio à Integração de Migrantes).

A Associação tem tido um papel decisivo nos trabalhos do Grupo de Trabalho do PRM, onde os vários ministérios e entidades relevantes tentaram reunir consenso relativamente a um conjunto de matérias, nomeadamente quanto ao alojamento da mão de obra não residente dentro das quintas, facilitando, desta forma, as deslocações dos mesmos e superando o problema da falta de casas disponíveis nos núcleos urbanos. Urge concluir os resultados desse Grupo de Trabalho, alinhando posições da câmara municipal, ministérios do Ambiente e da Agricultura, ICNF e CCDR.

Reconhecendo os problemas de vária ordem que ainda subsistem, temos hoje, no entanto, o privilégio de viver numa região que era tradicionalmente conhecida pelas elevadas taxas de desemprego, desertificação e suicídios e que hoje vê crescer a agricultura de sucesso, a par do turismo, bem como todos os serviços de suporte que lhe são subjacentes.

Cabe uma palavra importante ao Estado e aos municípios, no sentido de melhorar acessibilidades, infraestruturas de saúde e de educação, que acolham novos e velhos habitantes numa convivência que tem sido, e se pretende continue a ser, saudável.

O autor escreve segundo o novo Acordo Ortográfico

O artigo foi publicado originalmente em Público.

Comente este artigo
Anterior AlgaEnergy participa na Infoagro Exhibition em Almeria
Próximo Há 3.000 milhões de fundos do PT2020 para as autarquias

Artigos relacionados

Sugeridas

Incêndios. PSD e PCP defendem política florestal comum na União Europeia para evitar fogos

As bancadas do PSD e do PCP no Parlamento Europeu defenderam hoje a criação de uma política comum na União Europeia (UE) para gestão das florestas, […]

Eventos

20.ª Visita Vitivinícola da Associação Portuguesa de Horticultura – 25 a 27 de outubro – Alentejo

A 20.ª Visita Vitivinícola da Associação Portuguesa de Horticultura (APH) realiza-se nos próximos dias 25, 26 e 27 de Outubro de 2019. […]

Nacional

Dia Aberto “Leguminosas forrageiras em rotações culturais para o Baixo Mondego” na Unidade Experimental do Baixo Mondego – Loreto


A demonstração em agricultura e a difusão de informação técnico-científica contribui para a satisfação das necessidades sentidas pelos agricultores e outros agentes económicos que operam no setor da produção agropecuária. […]