O que os cogumelos Shiitake podem fazer contra as bactérias

O que os cogumelos Shiitake podem fazer contra as bactérias

“A resistência bacteriana é um problema de saúde pública e por esse motivo iniciámos este estudo que demonstra que os cogumelos shiitake ajudam a combater as bactérias mais resistentes”,concretizou a investigadora da UTAD.

Segundo os investigadores envolvidos no projeto, os cogumelos Shiitake, uma das espécies de cogumelos mais comercializada a nível mundial, possui importantes propriedades organolépticas, mas também biológicas.

“Esta espécie é o principal alvo de estudo no Fungitech, um projeto de investigação e desenvolvimento tecnológico que envolve a empresa Floresta Viva e a UTAD e que tem como objetivo desenvolver, através de uma abordagem multidisciplinar, soluções inovadoras para o setor da produção dos cogumelos e aumentar o conhecimento científico acerca das propriedades medicinais do Shiitake e de outras espécies de cogumelos”, indicou Ana Afonso

No âmbito deste projeto, as investigadoras Ana Afonso e Juliana Garcia, com a supervisão da especialista na área da micologia Guilhermina Marques, avaliaram o potencial antibacteriano de extratos aquosos de duas variedades do cogumelo shiitake contra a “Staphylococus aureus”, uma bactéria que pode provocar desde uma simples inflamação até as infeções mais graves de difícil controlo médico.

“Atualmente, a resistência bacteriana constitui uma das mais graves ameaças à Saúde Pública, havendo bactérias que são resistentes a mais do que uma classe de antibióticos”, frisou a investigadora.

Segundo os envolvidos neste estudo, a “Staphylococus aureus” resistente à meticilina (antibiótico de pequeno espetro pertencente as penicilinas) é um “agente patogénico prioritário” que está incluído no grupo de “prioridade alta” segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), sendo um dos principais microrganismos responsáveis por infeções associadas aos cuidados de saúde.

“O fenómeno de resistência aos antibióticos tem exigido a procura de alternativas”, disse Ana Afonso.

Os resultados até agora obtidos mostram a potencialidade dos extratos de shiitake na prevenção de infeções pela bactéria “Staphylococus aureus” resistente à meticilina, destacando-se as úlceras de pé diabético.

“As úlceras de pé diabético são uma das principais complicações crónicas da diabetes, considerando-se como um problema crescente em todo o mundo e com um impacto socioeconómico significativo”, enfatizam os investigadores envolvidos neste estudo da UTAD.

Segundo os investigadores, que citam dados da Direção Geral de Saúde (DGS), estima-se que em Portugal ocorram anualmente uma média de 1200 amputações não traumáticas dos membros inferiores resultantes desta patologia.

“Agora, pretendemos alargar o estudo a outras bactérias multirresistentes e também avaliar a atividade antibacteriana de outras espécies de cogumelos”, vincou Ana Afonso.

Este será o tema de uma de duas palestras que hoje à tarde serão proferidas no decurso do XXI Encontro Micológico Transmontano, que decorre no concelho de Mogadouro até domingo.

Continue a ler este artigo no SAPO 24.

Comente este artigo
Anterior Quinta da Pacheca é a vencedora absoluta do Best of Wine Tourism 2020
Próximo Governo vai pagar a proprietários para mudar floresta portuguesa

Artigos relacionados

Nacional

ICNF alarga período de licenciamento de caça ao javali até 30 de Setembro

O ICNF — Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas decidiu prorrogar o prazo de licenciamento para as entidades titulares ou gestoras de zonas de caça interessadas em realizar medidas de correcção de densidade de javali, […]

Nacional

Governo invoca “força maior” para evitar penalização a pastor de Arcos de Valdevez

O Ministério da Agricultura decidiu tratar o caso do pastor de Arcos de Valdevez que perdeu 68 cabras como “de força maior” para evitar a penalização no pagamento de ajudas a […]

Últimas

Veracruz investe 50 M€ em amendoal na Beira Baixa. Objectivo: 5 mil hectares

O grupo luso-brasileiro Veracruz está a instalar-se em 2 mil hectares no Fundão e em Idanha-a-Nova. Mas, o objectivo é chegar aos 5 mil hectares de amendoeiras e exportar 70% da produção. […]