O futuro da floresta portuguesa, construído semente a semente

O futuro da floresta portuguesa, construído semente a semente

Com o objectivo de contribuir para uma floresta mais equilibrada, resiliente e biodiversa, o Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas detém quatro viveiros no território nacional, onde são semeadas, testadas e preparadas espécies nativas que serão propagadas pelo país. O PÚBLICO visitou o Viveiro Florestal de Amarante.

O Viveiro Florestal de Amarante estende-se por dois hectares, por onde se alinham três estufas junto ao rio Tâmega. É descrito como um “conjunto de pequenos campos de testes” onde se ensaia o que será, ou o que se pretende que seja, a floresta portuguesa. Foi deste viveiro do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) – e dos restantes três, em Alcácer do Sal, Sabugal e Monte Gordo – que, ao longo das últimas quatro décadas, saíram, ainda em cuvetes, algumas das árvores que hoje preenchem a paisagem natural portuguesa, tendo em vista o reforço do seu cariz autóctone.

Na perseguição deste objectivo, Carlos Silva, engenheiro florestal e técnico do ICNF, é um dos principais obreiros. Enquanto responsável técnico dos viveiros de Amarante, dedica-se ao acompanhamento quase em permanência das plantas que ali germinam, já que, devido à vulnerabilidade e à imprevisibilidade do processo, estas estão sujeitas a diversos factores de risco. “Há doenças que aparecem, há pragas que nos visitam, pelo que temos de ter uma observação muito atenta”, esclarece. Simultaneamente, também os factores climatéricos, como “um calor extremo ou uma humidade muito forte”, devem ser tidos em consideração “para que as plantas sigam o seu caminho sem mazelas”.

De facto, o responsável acredita que o trabalho ali realizado é determinante para que a adaptação das plantas ao terreno seja bem-sucedida e, com isso, que as florestas se tornem “mais resilientes” perante as múltiplas e constantes ameaças que enfrentam actualmente. “Não adianta produzir plantas muito bonitas e em grandes quantidades quando elas vão morrer depois de instaladas no terreno”, ressalva. É, portanto, através de “metodologias e técnicas de produção” distintas e mais trabalhosas, tidas como “exemplos” para os viveiros privados do país, que Carlos e a sua equipa, composta por nove elementos, promovem “plantas mais equilibradas”.

Mudar a paisagem e fomentar “este tipo de reflorestação”

Apesar de representarem apenas 2,7% face ao total de produção nacional, os viveiros detidos pelo ICNF tentam fazer a sua parte no objectivo de uma floresta “mais biodiversa”. No caso específico da infra-estrutura de Amarante, “90% das cerca de 30 espécies produzidas são autóctones”, entre as quais estão o pinheiro-silvestre, o carvalho, o teixo, o zimbro, o amieiro, a bétula e o freixo. Têm como destino as áreas que se encontram

Continue a ler este artigo no Público.

Comente este artigo
Anterior Webinar 30 anos CEACV - Agricultores: guardiões do ambiente - 18 de setembro
Próximo Covid-19: Trump anuncia nova ajuda ao setor agrícola de 13 mil milhões de dólares

Artigos relacionados

Últimas

Fundos devem ser atribuídos num prazo de 60 dias, mas chegam ao “mar” com 49 dias de atraso

Os beneficiários do Programa Operacional do Mar têm, em média, as suas candidaturas aprovadas em 109 dias e não nos 60 que estão definidos no Acordo de Parceria que regulamenta o Portugal 2020. […]

Dossiers

Incêndios. PSD e PCP defendem política florestal comum na União Europeia para evitar fogos

As bancadas do PSD e do PCP no Parlamento Europeu defenderam hoje a criação de uma política comum na União Europeia (UE) para gestão das florestas, […]

Últimas

Empresa de robótica lança ‘Spot’, um cão-robô que ajuda na agricultura

A empresa de robótica Boston Dynamics, dos Estados Unidos da América, lançou Spot, um cão robô que ajuda na agricultura como cão pastor, […]