Novo estudo da Comissão evidencia redução na produção devido às estratégias do Prado ao Prato e Biodiversidade – Álvaro Amaro contesta

Novo estudo da Comissão evidencia redução na produção devido às estratégias do Prado ao Prato e Biodiversidade – Álvaro Amaro contesta

O eurodeputado do PSD para Agricultura, lamenta que Comissão Europeia não tenha revisto as estratégias do Pacto Ecológico, apesar dos repetidos avisos relativos ao seu possível impacto no abastecimento alimentar.

Foi apresentado, esta semana, o estudo do Joint Research Centre, da Comissão Europeia, sobre o impacto das estratégias do Green Deal no setor agrícola.

O estudo revelou à Comissão da Agricultura e do Desenvolvimento Rural do Parlamento Europeu que a agricultura será gravemente impactada pelas estratégias “do Prado ao Prato” e da “Biodiversidade”.

Desde logo, com quebras de produção tremendas:

O abastecimento de suínos, aves e carne de vaca, deverá recuar em 15%, comparativamente aos valores atuais.

Prevê-se igualmente uma redução da produção estimada em 13%, nos cereais, de 12%, nas oleaginosas e 8% nos vegetais e nas culturas permanentes.

O estudo prevê ainda uma subida geral dos preços, com destaque para a carne de porco, cujo preço de mercado deverá aumentar em 40%.

A subida do nível geral dos preços não será, todavia, suficiente para compensar os custos decorrentes da adaptação do setor aos objetivos das Estratégias. Em consequência, o rendimento médio dos agricultores baixará bastante, especialmente o dos produtores de cereais e de leite.

Álvaro Amaro lamenta que “a despeito dos repetidos avisos que tenho lançado, o estudo confirma que a dependência do estrangeiro nas categorias de produtos em que não somos autossuficientes, aumentaria significativamente”.

O eurodeputado do PSD lembrou que “este ponto é tanto mais preocupante para países como Portugal, onde os produtores de leite produzem abaixo ou no limiar da rentabilidade” – um aspeto que suscita preocupação uma vez que “com a perda de rendimento prevista neste estudo de impacto, seriam obrigados a fechar portas”.

Face a este paradoxo, Álvaro Amaro, perguntou, no Parlamento Europeu, se “fará sentido reduzirmos a produção na Europa, onde temos os maiores níveis de controlo e de bem-estar animal, transferindo a produção e os “ganhos” em termos de emissões para países terceiros, onde a preocupação ambiental, fiscalização e a segurança são muito inferiores, colocando a Europa dependente de países terceiros?”

Bruxelas, 14 de outubro de 2021

Comunicado enviado pelo Eurodeputado Álvaro Amaro.

Comente este artigo
Anterior CAP e CORTEVA anunciam 2ª edição do programa TalentA no dia internacional das mulheres rurais
Próximo Exportação de Vinho Madeira para a China registou crescimento de 8% em 2020 – Governo Regional

Artigos relacionados

Últimas

Jovens voluntários ajudam na vigilância florestal em Mangualde

No início do mês foram oficialmente implementados os Programas do
Posto de Vigia na Torre da Igreja da Nossa Senhora do Castelo (Câmara Municipal de Mangualde) e
Vigilância Móvel (União das Freguesias de Mangualde, […]

Sugeridas

#MeattheFacts: produtores pecuários da UE querem travar desinformação

A European Feed Manufacturer’s Federation (FEFAC) uniu-se a várias organizações europeias para lançar a uma plataforma informativa que pretende “travar a desinformação” à volta do setor pecuário e da produção de carne. […]

Eventos

Conferência Forestech: ” O futuro da tecnologia florestal” – 15 de setembro – Ansião

No âmbito da sua atividade da AIA – Rede de Aceleração Agrícola e do protocolo estabelecido com o Município de Ansião, a Startup Leiria lança a primeira conferência […]