Nova técnica de reprodução em foco na conferência iPlanta

Nova técnica de reprodução em foco na conferência iPlanta

De 27 de Fevereiro a 1 de Março, tem lugar no Auditório do ITQB Nova, em Oeiras, a terceira edição da conferência anual iPlanta, que vai servir para debater e divulgar os aspectos científicos e técnicos da tecnologia RAN de interferência (RNAi). A conferência é promovida pelo Centro de Informação de Biotecnologia (CiB) e pelo Laboratório de Biotecnologia de Células Vegetais, da Unidade de Investigação Green-it, que classificam este evento como «um dos mais importantes debates internacionais sobre a necessidade de usar a biotecnologia para o desenvolvimento de novas formas de proteger as culturas agrícolas de doenças e pestes».

Segundo a organização, este evento «visa desenvolver o uso de RAN de interferência (uma das novas técnicas de reprodução), seja por modificação genética, seja por aplicação externa». Durante os três dias, vai estar em foco o «desenvolvimento de novas metodologias através de RNAi, um processo biológico no qual as moléculas de RNA inibem a expressão de um gene, neutralizando as moléculas específicas do RNA mensageiro (ácido ribonucleico responsável pela transferência de informação do ADN)».

Com o mote “Que futuro para os produtos baseados na tecnologia RNAi – Plantas modificadas ou produtos de pulverização”, a conferência contempla, no segundo dia, uma mesa-redonda com stakeholders «para discutir as aplicações desta tecnologia para a protecção das plantas», indica a organização. Também serão divulgadas «novidades sobre a estabilidade do RNA, nomeadamente no silenciamento genético induzido por pulverização (SIGS) e do silenciamento genético induzido por hospedeiro (HIGS)».

A organização explica que existe uma «necessidade urgente de encontrar soluções mais eficazes» para combater as «interacções patogénicas enfrentadas pelas culturas, responsáveis pela perda de quantidades substanciais da produção agrícola mundial». Estimativas da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) indicam que «entre 20% a 40% das culturas são destruídas todos os anos devido a pragas e doenças», quando existe a pressão de garantir o abastecimento de alimentos face ao estimado aumento populacional.

As duas primeiras edições desta conferência decorreram em Itália e depois na Polónia, como acções COST – European Cooperation in Science and Technology, organização europeia que promove e financia o networking em investigação e tecnologia –, tal como acontece agora em Portugal. Mais informações sobre a terceira edição da iPlanta podem ser obtidas aqui.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Revista Frutas Legumes e Flores .

Anterior Bruxelas aumenta o auxílio nacional aos agricultores até 25 mil euros
Próximo Seminário sobre problemas fitossanitários emergentes na Frutitec

Artigos relacionados

Nacional

Fogos: 128 operacionais combatem chamas em Marco de Canavezes, situação de alerta até terça-feira

Além deste incêndio, outros três figuram entre as “ocorrências importantes” no site da Proteção Civil, um deles o fogo que começou há […]

Nacional

Serviços dos ecossistemas vão ser remunerados

Já foi publicada (30 de julho) em Diário da República a resolução do Conselho de Ministros que aprova a primeira fase do Programa de Remuneração dos Serviços dos Ecossistemas em Espaços Rurais, […]

Nacional

Quercus preocupada com incumprimento do Programa de Acção Nacional de Combate à Desertificação

A Quercus – Associação Nacional de Conservação da Natureza mostra “muita preocupação pela falta de cuidado dado ao Plano da Acção Nacional de Combate à […]