Nova segmentação de mercado da maçã proposta em estudo do Freshness

Nova segmentação de mercado da maçã proposta em estudo do Freshness

[Fonte: Gazeta Rural]

A maçã é o principal fruto consumido em Portugal e na Europa. A conveniência de consumo, a facilidade de preparação e o preço acessível fazem da maçã uma fruta compatível com os estilos de vida e hábitos de consumo modernos. Os consumidores esperam que as lojas disponham de vários tipos de maçã. Até agora as maçãs são classificadas no mercado em função da cor da casca e da doçura ou acidez percebidas.

A cor é um critério facilmente avaliável pelo consumidor em loja. O mercado classifica as maçãs em verdes, amarelas, vermelhas, bicolores e pardas. Para além deste critério, os consumidores também se habituaram a maçãs de sabor mais doce ou mais ácido.

No estudo acabado de publicar no International Journal of Food Properties o Freshness Lab do Instituto Superior de Agronomia da Universidade de Lisboa propõe uma nova classificação da maçã com base na sua riqueza em compostos bioativos benéficos para a saúde. O estudo liderado por Domingos Almeida, coordenador do Freshness Lab, analisou oito variedades da Indicação Geográfica Protegida “Maçã de Alcobaça” para a riqueza relativa em compostos fenólicos bioactivos. Com base nesta análise foi proposta uma nova classificação mercadológica para a maçã composta por quatro classes: maçãs ricas em flavonoides, maçãs ricas em quercitina, maçãs ricas em flavonóis e procianidinas e maçãs ricas em ácido clorogénico.

Os resultados mostram que a segmentação de mercado convencional, baseada na cor, não coincide com a composição em compostos bioativos, nomeadamente os flavonoides. O estudo agora publicado documenta as propriedades fitoquímicas da “Maçã de Alcobaça” (IGP) e propõe uma segmentação inovadora a nível mundial.

“Existe enorme diferença quando a maçã é consumida com a casca” afirma Domingos Almeida. A casca é rica em flavonoides, quercitina e em procianidinas, mas o ácido clorogénico, que contribui para a atividade antioxidante das maçãs, está na polpa. Maçãs da IGP “Maçã de Alcobaça” comidas com a casca são segmentadas em três classes:

i)                     Ricas em flavonóides: ‘Starking’, ‘Reineta’, ‘Galaxy’, ‘Casa Nova’, Jonagored’

ii)                   Ricas em quercitina: ‘Fuji’, ‘Galaxy’, ‘Casa Nova’

iii)                 Ricas em flavonóis e em procianidinas: ‘Starking’, ‘Reinette’, ‘Jonagored’, ‘Casa Nova’.

Quando as maçãs são descascadas as variedades classificam-se em dois segmentos:

i)                     Ricas em flavonoides: ‘Reineta’ e ‘Casa Nova’

ii)                   Ricas em ácido clorogénico: ‘Reineta’, ‘Casa Nova’, e ‘Starking’.

“A composição da maçã encontra-se muito bem estudada. A novidade do estudo é a proposta de segmentação que considera uma das tendências fundamentais no mercado dos frutos frescos, os benefícios para a saúde” afirma Domingos Almeida. “Temos de ir além da aparência”.

O artigo Nova segmentação de mercado da maçã proposta em estudo do Freshness LAB foi publicado originalmente em Gazeta Rural

Comente este artigo
Anterior PortugalFoods e FIPA querem premiar universitários com ideias inovadoras para o agroalimentar
Próximo Protesto de Produtores de Leite - 23 de Janeiro - Bruxelas

Artigos relacionados

Nacional

Opinião: Milagre de Fátima De Roma a Fátima


Norberto Canha

Rezo ao Criador para que no momento em que se comemora: o centenário do milagre de Fátima, […]

Nacional

Mais de 270 homens e 12 meios aéreos combatem incêndio em Pampilhosa da Serra

Pelo menos 272 operacionais apoiados por 12 meios aéreos e 68 viaturas estavam, na tarde desta terça-feira, a combater um incêndio em Pampilhosa da Serra, […]

Últimas

EU production and trade in oranges

The Member States of the European Union (EU) harvested 6.5 million tonnes of oranges in 2018. This was the highest production level since 2010 […]