Nova marca de batata Princesa Amandine já se encontra disponível no mercado português

Nova marca de batata Princesa Amandine já se encontra disponível no mercado português

O nascimento da marca Princesa Amandine Ibérica resulta da conjugação de quatro empresas, Ibérica de Batatas (Madrid), Zamorano (Barcelona), Udapa (País Basco) e a portuguesa Campotec, que se unem para lançar uma nova marca de batata. «Queremos ser, em cinco anos, uma variedade reconhecida por consumidores e distribuidores, com um posicionamento de produto de qualidade, mas para o uso diário. A nossa variedade de batata, que pertence ao segmento de batatas de polpa firme, não existe actualmente no mercado nacional, por isso começámos do zero», refere Alfonso Sáenz de Cámara Barrón presidente da Princesa Amandine Ibérica.

Este conjunto de empresas uniu assim esforços para comercializar e promover uma batata que «é conhecida em França pelas suas características organolépticas únicas, com o objectivo de criar valor no mercado».

Portugal é 42,4% autossuficiente em batata, sendo por isso cada vez mais necessário aumentar a produção de batata de forma a reduzir as importações. Todos os anos são produzidas em Portugal cerca de 500 mil toneladas, com uma área de cultivo de 22 mil hectares, entre elas, a zona do Ribatejo e Oeste, de Maio a Setembro, onde a batata Princesa Amandine encontra o seu local de cultivo.

«O nosso principal objectivo é promover a Princesa Amandine para que em Portugal se coma mais batatas de forma saudável; cozidas, em saladas, guarnições, purés, formas de consumo de baixa caloria de batata, que já se fazem noutros países europeus e não aqui. Tem sido feito um grande esforço para adaptar a imagem da Princesse Amandine ao mercado ibérico e, para isso, iremos colocar em prática um grande plano de comunicação e marketing para fazer desta batata a preferida dos consumidores», refere Sáenz de Cámara.

Este plano inclui presenças em televisão, meios de comunicação especializados, promoções e acções no ponto de venda, que pretendem ajudar a divulgar «a imagem marcante desta batata, que se destaca das restantes prateleiras pela sua inovadora embalagem cor-de-rosa».

Produção local

Além do contrato de concessão da marca, a associação francesa assinou um contrato de concessão de produção. Até 2020, já está previsto plantar mais de 55 hectares em Espanha e Portugal, espalhados pelas regiões da Andaluzia (Sevilha), Castela e Leão, Múrcia (Cartagena) e zona Ribatejo e Oeste .

«É a primeira vez que abrimos a possibilidade de produzir a princesa Amandine em outro lugar que não em França. Mas a produção local faz parte das expectativas sociais», afirma Francisco Moya, presidente do grupo de trabalho franco-ibérico e director da sociedade Négonor.

Alfonso Sáenz de Cámara acrescenta que a associação se chama “Asociación Princesa Amandine Ibérica” e, como o próprio nome indica, será responsável pela comercialização no mercado espanhol e português. «Por outro lado, assumimos também o nosso próprio compromisso de fornecer batatas aos membros da associação em França nos meses de batata nova espanhola, altura em que eles não têm produção no seu país. Procuramos ser complementares».

Supermercados

Depois de uma década no mercado francês, a Princesa Amandine está disponível em Portugal nas lojas Sonae, Auchan, Pingo Doce, Aldi e Intermaché. Em breve, estará disponível em outras redes de distribuição.

Para comemorar o seu lançamento em Portugal, «a marca devolve o valor de compra aos primeiros consumidores que decidam experimentá-las. Esta operação terá lugar de 15 de Novembro a 15 de Janeiro».

O objectivo desta iniciativa é promover o consumo da batata em Portugal, introduzindo novas variedades destinadas a satisfazer as novas exigências e hábitos culinários dos consumidores que procuram produtos de qualidade e uma forma mais saudável de cozinhar.

«Cremosa, leve e saborosa ao mesmo tempo, adapta-se a qualquer prato e é adequada para todas as receitas: alourada, salteada, gratinada, cozida ao vapor, assada ou em saladas. Tratada com extremo cuidado desde o cultivo até à colheita, os exigentes requisitos técnicos que o produto deve superar e a homogeneidade que deve apresentar, colocam-no na mais alta faixa de qualidade no mercado. A batata Princesa Amandine é a única batata que oferece a mesma variedade durante o ano inteiro, o que significa que durante o ano inteiro não altera a qualidade nem o sabor. Com um formato mais longo e homogéneo que as demais variedades, assim como uma casca lisa e regular, a batata Princesa Amandine possui características que marcam a diferença na sua aparência, enquanto a sua maciez, leveza e sabor, tornam-na numa clara aliada dos consumidores pela versatilidade culinária», concluem.

O artigo foi publicado originalmente em Revista Frutas Legumes e Flores.

Comente este artigo
Anterior Produtores de castanha queixam-se dos estragos provocados por javalis e falta de apoio
Próximo A sustentabilidade como arma de arremesso

Artigos relacionados

Nacional

Defender a agricultura, defender Portugal – Idalino Leão

Os portugueses merecem saber que as condições e regras de produção não são as mesmas, os portugueses merecem saber que o sector pecuário nacional é moderno. […]

Últimas

“Tomamos as melhores decisões de quando, quanto e onde regar”

Isabel Ribeiro, responsável de Sustentabilidade e Desenvolvimento de Negócio na Elaia
“No capítulo da preservação da água, a Elaia atua a montante, […]

Últimas

Oferta de emprego – Assistente de Produção – Engenheiro Agrónomo – Montijo

A Florensis Portugal, situada em Pegões (concelho de Montijo) desde 2007 […]