Museu do Côa produz primeiro azeite biológico para comercialização

Museu do Côa produz primeiro azeite biológico para comercialização

O Museu do Côa (MC) produziu, em parceria com uma empresa local, o primeiro produto agrícola originários dos terrenos do Parque Arqueológico, tratando-se de um azeite biológico que vai ser vendido na loja da unidade museológica.

“Este será o primeiro produto de outros que vamos apresentar e que resulta da colheita de azeitona de vários olivais instalados em pleno Parque Arqueológico do Vale do Côa (PAVC). Trata-se de um azeite em modo biológico que foi produzido em parceria com empresa agrícola ‘Gerações de Xisto'”, disse hoje à Lusa a presidente da Fundação Côa Parque (FCP), Aida Carvalho.

O novo azeite será apresentado ao público na loja do MC, na segunda-feira, altura prevista para reabertura da unidade museológica do Vale do Côa, após o segundo confinamento devido à pandemia covid-19.

Nesta primeira fase, serão comercializas na loja 800 garrafas de azeite, numa edição especial dedicada ao Museu do Côa.

Segundo Frederico Lobão, gerente da empresa Gerações de Xisto, projetos desta índole são de extrema importância, porque mostram outras valências do MC e ajudem a promover os produtos excelência produzidos no território e “marcas de pequenos produtores”.

Para além desta novidade, Aida Carvalho, avançou que o MC vai receber uma exposição do mestre João Cutileiro, resultante de uma parceria entre FCP, Centro de Arte João Cutileiro e a Direção regional de Cultura do Alentejo(DRCA).

O início da exposição está previsto para 18 de abril, quando se assinala o Dia Internacional dos Monumentos e Sítios.

O PAVC detém mais de mil rochas com manifestações rupestres, identificadas em mais de 80 sítios distintos, sendo predominantes as gravuras paleolíticas, executadas há cerca de30 mil anos, cada vez mais expostas a adversidades climatéricas e geológicas.

O PAVC a foi criado em agosto de 1996.

A arte do Côa foi classificada como Monumento Nacional em 1997 e, em 1998, como Património da Humanidade pela UNESCO.

Desde a revelação das gravuras rupestres do Vale do Côa, em 1995, continuam a acrescentar-se novas descobertas e são mais de 70 os sítios arqueológicos já identificados, tornando-se assim numa das maiores áreas a céu aberto da arte representativa do Paleolítico Superior.

O PAVC ocupa uma área de cerca de 20 mil hectares de terreno.

Comente este artigo
Anterior Workshop Internacional de Produtividade Florestal - 28 e 29 de abril
Próximo A um passo das frutas e legumes terem códigos de barras 

Artigos relacionados

Últimas

Incêndio em Monchique dado como dominado às 07:15

O incêndio que deflagrou este sábado em Monchique, no distrito de Faro, foi dado como dominado às 07:15, mantendo-se ainda 451 operacionais no terreno, 155 veículos e oito máquinas […]

Últimas

Uma forma de fazer a diferença num mundo global

Estima-se que nos últimos 30 anos a área de cereais praganosos em Portugal tenha reduzido de cerca de 900 mil hectares para aproximadamente 257 mil, […]

Últimas

AGRIANGUS está focada em trazer o melhor da raça para Portugal

Há uma seleção criteriosa da genética utilizada e só são selecionados para reprodução os animais melhoradores. Só assim se conseguem preservar as características que fazem desta raça uma das preferidas no mundo e que desde a primeira hora foi a escolha da empresa de Tomar. […]