Município e Juntas de Proença-a-Nova disponibilizam equipamentos para destroçar sobrantes

Município e Juntas de Proença-a-Nova disponibilizam equipamentos para destroçar sobrantes

O Município de Proença-a-Nova, em articulação com as Juntas de Freguesia do concelho, irá disponibilizar equipamentos para destroçar sobrantes, com o objetivo de “mitigarmos a situação das queimas uma vez que se têm mostrado de potencial risco em provocar incêndios”. A novidade foi avançada por João Lobo, presidente da autarquia, nas ações de sensibilização que o Município se encontra a realizar nas freguesias do concelho, em conjunto com a GNR, Bombeiros, Proteção Civil e Gabinete de Cadastro do Município, reforçando a importância da defesa da floresta e da proteção de pessoas e de bens. Em dias e locais a combinar, e que serão oportunamente divulgados, os interessados terão de juntar os materiais a destroçar, com um máximo de 20 centímetros de diâmetro, transformando-os em biomassa, dando-lhes, desta forma, outro fim que não o da queima.

Esta medida pretende reduzir as estatísticas que revelam que das 40 ocorrências registadas no concelho em 2018 e 2019, mais de 77% devem-se a negligência, relacionadas com a realização de queimas ou a utilização de maquinaria agrícola e florestal sem os dispositivos necessários devido ao risco elevado de incêndio, de acordo com o levantamento feito por Daniel Farinha, coordenador operacional municipal. Além disso, a maior parte dos incêndios florestais de grandes dimensões começa junto aos aglomerados populacionais, na faixa dos cem metros. No âmbito da fase 2 da Operação Floresta Segura 2020, a SEPNA – Secção de Proteção da Natureza e do Ambiente da GNR realiza no concelho, nos dias 27 e 28 de março, a georreferenciação das situações críticas de incumprimento do Decreto Lei 124/2006, de 28 de junho, que prevê a gestão de combustível nos cem metros em redor dos aglomerados populacionais e nos 50 metros em redor das habitações isoladas. Os proprietários que ainda não tiverem realizado a limpeza nestas faixas poderão ser autuados.

Foi ainda divulgado o Regulamento de Apoio à Reconversão de Áreas Florestais em Áreas Agrícolas, tendo João Lobo apresentado um vídeo que sintetiza a experiência da aldeia da Mó, já na fase final deste processo, mostrando que a união de todos os proprietários de terrenos na área de gestão de combustível dos cem metros é possível. “Através da Pinhal Maior temos uma candidatura que já foi aprovada relativamente à agricultura biológica, que inclui a produção de azeite, frutas e legumes biológicos, parte a ser feita em Sobreira Formosa. Esta é uma resposta àquilo que pode ser produzido nestas áreas, de modo a potenciar os perímetros em redor das aldeias, sabendo de antemão que esses produtos vão ter escoamento”, informou João Lobo.

Ricardo Tavares, do Gabinete de Cadastro do Município, voltou a relembrar as condições de exceção para a georreferenciação no âmbito do BUPi – Balcão Único do Prédio, havendo novamente disponibilidade de agendamentos na Conservatória para se continuar a realizar o processo de cadastro simplificado do concelho, ferramenta essencial para a gestão florestal. As próximas ações estão marcadas para o dia 6 de março, na sede da União de Freguesias de Proença-a-Nova e Peral, às 19h00; no dia 8 de março, às 15h00 na sede da União de Freguesias de Sobreira Formosa e Alvito da Beira e, às 17h30, no edifício da Junta de Freguesia de Alvito da Beira; e dia 13 de março no Centro de Dia do Peral, às 19h00.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Gazeta Rural.

Anterior Mercadona marca presença no dia europeu do retalho
Próximo ¿A cuánto se pagan las naranjas en origen?

Artigos relacionados

Eventos

Município de Reguengos de Monsaraz promove seminário sobre “Saúde e Bem-estar Animal – Novos Desafios” – 23 de novembro

“Saúde e Bem-estar Animal – Novos Desafios” é o tema do seminário que o Município de Reguengos de Monsaraz […]

Nacional

Produtores de frutas e legumes pedem fim da TSU durante seis meses para travar “enormes prejuízos”

Os produtores de frutas, legumes e flores associados da Portugal Fresh apelaram esta terça-feira ao Governo para que as empresas do setor fiquem isentas do pagamento da Taxa Social Única durante seis meses, […]

Sugeridas

Anpromis: Há uma praga de javalis. Agricultores pedem licença para matar

[Fonte: Anpromis]
São abatidos todos os anos em Portugal entre 20 mil a 30 mil javalis, mas estima-se que a população daquela espécie selvagem possa situar-se acima dos 100 mil e não para de aumentar Agricultores e proprietários de zonas de caça garantem que o país está perante uma situação de praga de javalis e, […]