Monchique pede prazo maior para candidaturas a apoios à floresta

Monchique pede prazo maior para candidaturas a apoios à floresta

O presidente da Câmara Municipal de Monchique pediu ao Ministério da Agricultura o alargamento do prazo para a entrega de candidaturas aos apoios para restabelecimento da floresta, que termina na próxima semana.

Rui André pede que seja prorrogado o prazo, aberto até dia 28 de Fevereiro, sob pena de a medida vir a ser “um fracasso” e lembra que a submissão de candidaturas tem sido dificultada devido ao Regime Jurídico das Acções de Arborização e Rearborização, cuja apresentação é obrigatória para a zona ardida integrada na Rede Natura 2000.

Caso seja aprovado, o alargamento “permitirá que mais pessoas possam concorrer e beneficiar dos apoios, ao mesmo tempo que se combate um eventual fracasso desta medida”, lê-se na nota da autarquia emitida nesta terça-feira. Este é o “momento ideal para envolver os proprietários privados na alteração necessária da paisagem” do concelho, acrescenta.

A autarquia defende a alteração do aviso deste concurso de forma a permitir “a análise faseada das candidaturas apresentadas, com corte quinzenal, o que implica a análise e consequente aprovação periódica, estimulando o surgimento de outras candidaturas e não prejudicando aqueles que já apresentaram pedidos de apoio”.

“Torna-se fundamental este alargamento, até pelas condições em que algumas espécies se encontram e que carecem de um apoio técnico mais próximo”, refere a nota, que acrescenta que o município está a preparar-se para criar um Gabinete da Apoio Técnico, em conjunto com uma associação, para ajudar directamente os proprietários.

O município justifica esta medida com o facto de o Governo “não ter acedido ao pedido do presidente para a reabertura dos serviços do Ministério da Agricultura” no concelho (extensão rural), principalmente numa fase em que o apoio “seria fundamental”, também para o acompanhamento e ajuda aos produtores agrícolas e florestais.

Reconstrução estrutural

“Se esta fase de candidaturas não for aproveitada para envolver os proprietários nesta reconstrução estrutural, teremos que esperar por mais uma catástrofe para repensar de novo a nossa floresta”, sublinha a autarquia, considerando que é “urgente que sejam definidos programas concretos para determinadas espécies como o sobreiro”.

Estas árvores, das quais é retirada a cortiça, foi “grandemente afectada neste incêndio e com prejuízos, para já incalculáveis”, já que se desconhece a forma como vão regenerar, “o que não se coaduna simplesmente com a candidatura em aberto”, acrescenta.

Por esse motivo, o presidente da câmara propõe a criação de um Observatório Técnico, com o envolvimento do Governo, para monitorização e acompanhamento da recuperação vegetativa destas espécies autóctones, situação que deverá envolver também o conhecimento académico.

O concelho de Monchique foi o mais afectado pelo maior incêndio registado em 2018 em Portugal e que durante uma semana não deu tréguas aos bombeiros, consumindo mais de 27 mil hectares de floresta e terrenos agrícolas.

O fogo, que deflagrou há seis meses, em 3 de Agosto, na zona da Perna Negra, em Monchique, alastrou primeiro para o Alentejo, tocando o concelho de Odemira (distrito de Beja), sem grande impacto, e logo depois, com mais violência, para Silves e Portimão (distrito de Faro).

O incêndio destruiu ao todo 74 casas, 52 das quais elegíveis para receberem apoio do Estado para a sua construção ou recuperação.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Público .

Anterior Observatório considera planos florestais uma "oportunidade perdida"
Próximo Syngenta lança cinco novas soluções para proteção das culturas

Artigos relacionados

Nacional

Fogos de Vila de Rei e Mação estão já em fase de resolução

Os fogos que surgiram no sábado em Vila de Rei e Mação tiveram uma evolução positiva durante a noite. Cerca de 90% do incêndio está […]

Dossiers

Los líos de Planas


El año se presenta complicado para Luis Planas, el ministro más desconocido de todo el Gobierno. Con la negociación de la Política Agraria Común (PAC) empantanada en Bruselas, […]

Últimas

Agricultores do Baixo Alentejo não percebem fim do apoio à fileira do olival em Alqueva

O ministro da Agricultura, Luís Capoulas Santos, anunciou no passado dia 12 de Junho o fim dos apoios a novos projectos para instalação de olival no perímetro do Alqueva, […]