Governo investe 591 milhões em regadios para tornar agricultura mais exportadora

Governo investe 591 milhões em regadios para tornar agricultura mais exportadora

[Fonte: O milho]

O ministro da Agricultura afirmou hoje, em Vila Verde, que até 2023 vão ser investidos 591 milhões de euros em regadios, para tornar o setor mais competitivo e aumentar a sua capacidade exportadora.

Segundo Capoulas Santos, neste momento já estão aprovados cerca de 200 projetos de pequenos, médios e grandes regadios, num investimento de 311 milhões de euros.

Estão ainda previstos mais 280 milhões de euros para ampliar em mais 100 quilómetros a rede de regadios.
“O objetivo é dotar o país de mais condições para uma economia competitiva, que, no contexto climático em que vivemos, é praticamente impossível sem disponibilidade de água”, referiu o ministro.

Capoulas Santos falava durante a assinatura do auto de consignação da empreitada da Rede de Rega do Bloco de Sabariz/Cabanelas, em Vila Verde, que tem um custo estimado de 8,1 milhões de euros, incluindo a recuperação de caminhos e a rede de drenagem.

Com captação direta no rio Cávado, aquele Bloco de Rega terá um comprimento de 20,8 quilómetros, equipará uma área com cerca de 345 hectares e beneficiará 433 explorações.

Para Capoulas Santos, os regadios são essenciais para melhorar as condições de competitividade da agricultura portuguesa os planos europeu e mundial.

“Nos últimos três anos, abrimos 53 mercados para países terceiros, isto é, extra União Europeia, para mais de 200 produtos portugueses, como hortícolas, frutícolas, carne, produtos transformados”, sublinhou.

Adiantou que neste momento estão “em negociação” mais cerca de meia centena de mercados, entre os quais a Índia e a China, para outras duas centenas de produtos portugueses, como fruta, láteos e carne de suíno.

“Isto para além de estarmos a bater recordes [de exportação] em vários setores. Nos hortofrutícolas, que é o exemplo mais paradigmático, ultrapassámos a barreira dos 1.500 milhões de euros de exportação e temos um enorme potencial para aproveitar pelo factor de termos condições únicas do ponto de vista climático que nos permitem termos legumes com sabores e colorações que são dificilmente batidos nos mercados internacionais”, acrescentou.

Comente este artigo
Anterior Farm Europe welcomes the decision of Comagri Members to take sufficient time to improve the CAP reform proposals
Próximo Reunião geral da indústria "Ambiente & Alimentação Animal" - 3 de abril - Fátima

Artigos relacionados

Últimas

Novos concursos abertos para apoiar agricultores do Ribatejo Interior

[Fonte: Voz do Campo]

Desde início do mês a TAGUS – Associação para o Desenvolvimento Integrado do Ribatejo Interior está a receber candidaturas aos apoios do Programa de Desenvolvimento Rural (PDR 2020), enquadrados nas medidas 10.2.1.2. Pequenos Investimento na Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas e 1.2.1.5. […]

Nacional

PSD/Açores teme centralização de fundos comunitários a nível nacional

[Fonte: ECO]

O vice-presidente do PSD/Açores, António Ventura, acusou esta segunda-feira o Governo Regional, socialista, de estar em “silêncio” sobre o próximo quadro comunitário de apoio, temendo os sociais-democratas uma “possível centralização dos fundos comunitários a nível nacional”.
“Consideramos que os Açores têm de ter a sua fatia própria para usar os fundos de acordo com as suas especificidades”, […]

Notícias cadeia alimentar

Mercadona abrirá en Portugal un centro de coinnovación

[Fonte: ALIMARKET ALIMENTACIÓN]
Mercadona ha anunciado que abrirá en Matosinhos -perteneciente a la región portuguesa del Gran Oporto- el que será primer centro de coinnovación en el país. Ubicado en la en la avenida Menéres, contará con una extensión de más de 1.000 m2, que se sumarán a los de los 12 centros de este tipo que la compañía gestiona actualmente en España. […]