Molécula que torna plantas em zombies é descoberta

Molécula que torna plantas em zombies é descoberta

Um grupo de investigadores do John Innes Centre, centro de pesquisa britânico, identificou a molécula de manipulação produzida pela bactéria phytoplasma que se apodera do desenvolvimento das plantas, tornando-as, por vezes, em plantas zombie (que deixam de reproduzir-se e servem apenas de habitat para os patogénicos).

Em comunicado, o John Innes Centre explica que a bactéria phytoplasma pertencem a um grupo de micróbios que são notórios pela sua capacidade de reprogramar o desenvolvimento das suas plantas hospedeiras, sendo responsáveis pela ‘vassoura-de-bruxa’ presente em algumas árvores. A bactéria pode ainda causar doenças como a Aster yellows, que causa perdas de rendimento nas culturas de cereais, alface e cenoura.

A professora Saskia Hogenhout, autora do estudo, afirmou: “as nossas descobertas lançam uma nova luz sobre o mecanismo molecular por trás deste fenómeno, de uma forma que poderia ajudar a resolver um grande problema para a produção de alimentos. Destacamos uma estratégia promissora para as fábricas de engenharia alcançarem um nível de resistência duradoura das culturas ao phytoplasma”.

A investigação mostrou como a proteína bacteriana conhecida como SAP05 manipula as plantas aproveitando algumas das máquinas moleculares do hospedeiro. Esta maquinaria, chamada proteassoma, geralmente decompõe proteínas que já não são necessárias dentro das células vegetais. O SAP05 sequestra este processo, fazendo com que as proteínas vegetais importantes na regulação do crescimento e desenvolvimento sejam efetivamente atiradas para um centro de reciclagem molecular.

Sem estas proteínas, o desenvolvimento da planta é reprogramado para favorecer as bactérias, desencadeando o crescimento de múltiplos rebentos e tecidos vegetativos e colocando a pausa no envelhecimento da planta.

Através de experiências genéticas e bioquímicas na planta modelo Arabidopsis thaliana, a equipa descobriu as proteínas de desenvolvimento da planta que são alvo do SAP05 são semelhantes às proteínas também encontradas em animais. No entanto, a bactéria não afeta os insetos, devido a algumas diferenças nas proteínas hospedeiras em animais.

A investigação revelou que, se as proteínas vegetais que são alvo do SAP05 forem substituídas pelas dos animais, deixa de existir degradação. A descoberta oferece a possibilidade de ajustar apenas essas proteínas, por exemplo, através de tecnologias de edição de genes, para fornecer resiliência duradoura ao phytoplasma e aos efeitos do SAP05.

O artigo foi publicado originalmente em Vida Rural.

Comente este artigo
Anterior Incêndios: 2021 é o ano com menor número de fogos da última década - Ministério
Próximo Os três pilares da sustentabilidade

Artigos relacionados

Dossiers

Oferta de estágio – Engenheiro Zootécnico – Moita

Se tem paixão pela Agropecuária,
Gosta de aprender e de fazer aprender, […]

Nacional

Açores vão formar mais de 200 agricultores e criadores cabo-verdianos

O Governo dos Açores e associações daquela região autónoma portuguesa vão apoiar a formação de mais de 200 agricultores e criadores cabo-verdianos, […]

Ofertas

Oferta de emprego – Técnico de SIG – Sistemas de Informação Geográfica – Lisboa

2BForest Lda: Empresa consultoria em Certificação Florestal, encontra-se a recrutar, para a implementação de projeto SIG, no departamento SIG. […]