Ministro do Ambiente: “A barragem de Fridão é um péssimo negócio e é por isso que a EDP não a quer fazer”

“Esta barragem é um péssimo negócio e é por isso que a EDP não a quer fazer”. A declaração é do ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, que esta terça-feira afirmou no Parlamento continuar convencido de que o Estado português não tem que devolver à EDP os 218 milhões de euros de prémio de concessão que a elétrica reclama pela não construção da barragem de Fridão.

O diferendo arrasta-se há meses e será decidido por um tribunal arbitral. O Governo acusa a EDP de não ter construído a barragem porque não quis, enquanto a empresa imputa ao Governo a decisão de suspender a construção do empreendimento e de também não estar interessado em que ele avance, não prescindindo de recuperar o que já pagou ao Estado. Em causa está a restituição à EDP dos 218 milhões de euros que a empresa avançou em 2008 para ganhar esta concessão.

No Parlamento o ministro do Ambiente garantiu aos deputados que, pelas estimativas do Governo, a construção de Fridão, além de ser irrelevante para cumprimento das metas portuguesas de energias renováveis, nunca dará lucro ao promotor. A projeção de receitas futuras, com base em vários cenários, dá, pelas contas do Governo, um valor atualizado líquido (VAL) negativo para este investimento. “O VAL deste projeto é muito negativo, situando-se entre -200 e -600 milhões de euros”, afirmou Matos Fernandes aos deputados.

“Parece-me evidente o desinteresse da EDP na construção da barragem”, apontou o governante, garantindo que não acusa ninguém de estar de má-fé e admitindo até que dois anos do atraso que Fridão leva se deveram ao atual Executivo.

Na sua audição no Parlamento, o ministro lembrou a correspondência entre a EDP e o Governo sobre esta matéria, notando que as cartas trocadas sugerem o desinteresse da elétrica pelo projeto.

Segundo Matos Fernandes, não construir Fridão é a melhor decisão quer para o Estado, quer para a EDP. “Temos a fortíssima convicção de que para o Estado esta é a melhor decisão. E para a EDP também é a melhor decisão”, sublinhou o ministro do Ambiente. “Para nós é muito claro que nada há a ser restituído”, acrescentou.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Expresso.

Anterior Vinhos do Tejo surpreendem na crítica internacional da The Wine Advocate
Próximo Ataques a agricultores na África do Sul aumentaram 60% nos últimos dez anos

Artigos relacionados

Últimas

Setenta e quatro espécies de cogumelos descobertas na Mata da Margaraça

Um levantamento feito por um aluno de mestrado da Universidade de Évora na Mata Nacional da Margaraça, em Arganil, identificou 74 espécies de cogumelos que nunca tinham sido registadas no país. […]

Nacional

Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro atribui título de Honoris Causa a Paul Symington

A Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) vai conceder o título de Doutor Honoris Causa a Paul Symington na próxima sexta feira, […]

Últimas

Centralismo macrocéfalo

O pirómano pouco encartado está ligado ao mundo mais arcaico e na freguesia é muitas vezes o tolo da aldeia – […]