Ministro da Agricultura privilegia fundos comunitários nos apoios para “não sacrificar” dinheiro nacional.

Ministro da Agricultura privilegia fundos comunitários nos apoios para “não sacrificar” dinheiro nacional.

[Fonte: Sapo24]

O ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural disse esta quarta-feira, no parlamento, que no que toca à atribuição de apoios privilegia os fundos comunitários de forma a não sacrificar o dinheiro nacional.

“Estamos a tentar gerir o melhor possível os recursos que temos. Tudo o que seja imputável a fundos comunitários não será para sacrificar o dinheiro nacional”, disse Capoulas Santos, durante uma audição parlamentar conjunta com a Comissão de Agricultura e Mar e a Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa.

Para o ministro da Agricultura, havendo fundos comunitários disponíveis, não se justifica utilizar verbas públicas penalizando outras áreas como, por exemplo, a saúde.

Em resposta aos deputados, após a terceira ronda de intervenções, o governante esclareceu que os apoios aos agricultores lesados pelo incêndio de Monchique são “rigorosamente iguais” aos atribuídos a outros agricultores, ressalvando que a fonte de financiamento é que pode não ser a mesma.

Já no que se refere à burocracia associada aos processos de candidaturas a apoios, o governante justificou-a com o facto de se tratar da gestão de dinheiros públicos, notando que os registos “não demoram mais de dois minutos” a preencher.
Capoulas Santos lembrou ainda que foram realizadas algumas alterações para facilitar o acesso aos apoios e respetivos pagamentos.

No âmbito do Programa de Desenvolvimento Rural (PDR) 2020, “só eram elegíveis despesas após a realização do projeto. Alterámos esta condição para que os projetos valessem a partir da data da ocorrência”.

Segundo, o ministro da Agricultura “só era possível pagar as faturas contra-entrega de recibos, [por isso], alterámos a legislação e as pessoas que apresentam faturas têm 45 dias para entregar o recibo”, que é necessário para a União Europeia ressarcir o Governo.

“Introduzimos também outra questão que era o facto de todos os pagamentos terem de ser feitos através de processos eletrónicos, mas verificamos que haveria a possibilidade de abrir uma exceção até 3.000 euros para pagamentos em dinheiro”, acrescentou.

Por último, o governante esclareceu que optou por não criar parques públicos para a madeira ardida porque “há uns anos atrás deu mau resultado e houve consequências financeiras negativas”.

No entanto, “apoiámos a instalação de parques organizados pelos próprios interessados. Definindo preço mínimo para a madeira que entra e sai do parque”.

Neste âmbito, o ministério constatou que “algumas pessoas preferem não vender [nestes moldes] e encontrar outras formas de comercialização que não são legais”, prometendo agir em conformidade face a situações de que tenha conhecimento.

Especificamente para o caso de Monchique, Capoulas Santos garantiu que o Governo está disponível para receber iniciativas da autarquia para o escoamento da madeira.

Comente este artigo
Anterior A Arrogância da Ignorância: a Razão Pela Qual o Manifesto Ativista Está Manifestamente Errado
Próximo Orçamento de Estado 2019 - Leite com chocolate no contexto escolar

Artigos relacionados

Últimas

Anadia assinalou o Dia Mundial da Árvore


Anadia assinalou o Dia Mundial da Árvore
A Câmara de Anadia assinalou, no passado dia 21 de março, o Dia Mundial da Árvore / Dia Internacional das Florestas levando a cabo várias ações de sensibilização ambiental, […]

Últimas

Governo avança com linhas de crédito até três mil milhões de euros para as empresas

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, anunciou um conjunto de linhas de crédito disponibilizadas através do sistema bancário com garantia do Estado que vão alavancar três mil milhões de euros para as empresas mais afetadas pela (quase) paralisação da economia devido à […]

Eventos

Mercado Fora d’Horas – 7 de Junho, 5 de Julho, 9 de Agosto 2017 – Silves

Após o sucesso da primeira edição, o Mercado Fora d’Horas ressurge em 2017 com três noites dedicadas aos sentidos: o olfato, […]