Miguel Freitas chega a secretário de Estado a meio da reforma da floresta

Miguel Freitas chega a secretário de Estado a meio da reforma da floresta

[Fonte: Público] Costa foi buscar um segurista, antigo director-geral do Desenvolvimento Rural, para concretizar uma das suas reformas estruturais. Depois do incêndio de Pedrógão, a escolha recaiu sobre o autor do relatório sobre incêndios que o parlamento aprovou por unanimidade em 2014.

Dois anos depois de o ter deixado de fora das listas para deputados, António Costa foi agora buscar à Comunidade Intermunicipal do Algarve o engenheiro agrónomo Miguel Freitas para o lugar de secretário de Estado da Floresta e do Desenvolvimento Rural. A sua principal tarefa será executar a reforma da floresta, uma das reformas estruturais em que o Governo aposta e que ainda está para aprovação na Assembleia da República.

A escolha após os grandes incêndios de Pedrógão e Góis não podia ser mais específica: Miguel Freitas foi o relator do grupo de trabalho sobre incêndios florestais da Assembleia da República que, em 2014, elaborou um duro relatório com diagnóstico e soluções, então aprovado por unanimidade.

Ainda há dois dias, Miguel Freitas recordou, num artigo de opinião no PÚBLICO, como esse relatório identificou debilidades e soluções, a começar pela coordenação das operações de combate a incêndios, defendendo um comando único. Aponta também “a instabilidade permanente nas autoridades de proteção civil e florestal”, defende a duplicação da verba para prevenção e a criação de um Plano Nacional para a Autoproteção, “preparando, educando e investindo na organização das populações para dar resposta aos riscos do seu território”.

O professor universitário e engenheiro tem um longo currículo no sector: a nível nacional já foi director-Geral de Desenvolvimento Rural, director Regional de Agricultura do Algarve, enquanto no tabuleiro europeu foi coordenador de Agricultura e Pescas da REPER (Representação de Portugal junto da União Europeia), presidente do Comité Especial de Agricultura da EU.

Miguel Freitas é também o terceiro “segurista” a integrar o Executivo de António Costa, depois de Jorge Seguro Sanches, secretário de Estado da Energia desde o início do mandato, e entra agora ao lado de Eurico Brilhante Dias, que vai assumir a pasta da Internacionalização.

Miguel Freitas foi deputado durante 10 anos, entre 2005 e 2015, tendo presidido à Federação do Algarve do PS durante a direcção de António José Seguro. Há dois anos, quando foi preterido das listas para a Assembleia da República, escreveu uma carta aos militantes socialistas dizendo não ter sido escolha sua deixar o lugar de deputado, mas sobretudo prestando contas do que fizera na última legislatura.

De regresso ao Algarve, foi eleito primeiro secretário da AMAL –Comunidade Intermunicipal do Algarve, e não voltou a candidatar-se à Federação do PS.

Comente este artigo
Anterior Tainted feed likely cause of post-ban BSE cases, says EFSA
Próximo Maior plataforma de microalgas da Europa instala-se em Vila Franca de Xira

Artigos relacionados

Últimas

Asfertglobal testa soluções para melhorar a coloração da Fuji

[Fonte: Voz do Campo]

Sendo a fruticultura uma atividade de grande relevância a nível nacional, não poderia deixar de o ser também para a Asfertglobal, uma empresa de capital 100% português, focada em desenvolver soluções inovadoras a nível da biotecnologia aplicada à […]

Sugeridas

Lumiar é +BIO!

Dia 7 de Julho, a partir das 10 horas, a AGROBIO em cooperação com a Câmara Municipal de Lisboa convidam a conhecer o renovado Mercado do Lumiar + Bio. Trata-se do primeiro mercado biológico diário da cidade de Lisboa, resultado de uma parceria entre o Município, a Junta de Freguesia do Lumiar e a AGROBIO – Associação Portuguesa de Agricultura Biológica. […]

Sugeridas

Que futuro para a política agrícola comum da união europeia? – João Pacheco

Teve lugar perto de Pavia (Itália) a 14 e 15 de Outubro o Global Food Forum, uma iniciativa do think-tank Farm Europe.
O objetivo do Fórum foi de contribuir para uma visão do futuro da agricultura na UE, com um destaque muito especial para o futuro das políticas agrícolas europeias. […]