Ana Paula Carvalho: Os desafios para a alimentação e agricultura mundiais

Ana Paula Carvalho: Os desafios para a alimentação e agricultura mundiais

[Fonte: Anipla]

Esta semana falámos com Ana Paula Carvalho, Subdiretora-Geral da Direção-Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV).

A DGAV tem, na sua missão, a definição, execução e avaliação das políticas de segurança alimentar e a proteção vegetal e fitossanidade, sendo investida nas funções de Autoridade Sanitária Veterinária e Fitossanitária Nacional e de Autoridade responsável pela gestão do Sistema de Segurança Alimentar.

Em Portugal, a DGAV é a entidade responsável por promover e coordenar as atividades técnicas inerentes à implementação da proteção integrada das culturas, pelo que no site desta entidade é disponibilizada informação actualizada sobre a prática da proteção integrada.

Na sua perspetiva, qual a importância que a agricultura tem na alimentação mundial?

A agricultura é fundamental para assegurar a alimentação do Homem, mas desempenha também um importante papel na preservação da paisagem rural, do ambiente, incluindo da fauna selvagem, e na fixação das populações rurais, para além de constituir uma importante atividade económica. É uma das atividades mais nobres e desafiantes que o Homem desenvolve, não só por ser essencial à vida humana, mas também por depender de inúmeros fatores dificilmente controláveis, como o clima e as pragas e doenças emergentes, que podem devastar as culturas.

Considera que a população está ciente dos desafios da agricultura?

A população em geral desconhece a realidade da agricultura, as suas dificuldades e desafios, mas também os excelentes exemplos de inovação que têm permitido aumentos de produção, melhorias de qualidade dos produtos e redução do uso de fatores de produção, tornando a agricultura cada vez mais sustentável.

Na sua perspetiva, quais os maiores mitos existentes, por parte do consumidor, sobre a agricultura moderna?

O consumidor tem uma ideia frequentemente negativa da agricultura, associando a agricultura desenvolvida ao uso massivo de pesticidas, à intensificação da produção pecuária, à «artificialização» da produção vegetal. Isso não corresponde à realidade, porque tanto a sociedade como a comunidade científica são cada vez mais exigentes e os programas de pesquisa de resíduos têm critérios qualitativos apertadíssimos. Da mesma forma, os programas de sanidade e bem-estar animal são também muito controlados. Hoje, os chamados “casos” são em número cada vez mais reduzido e são altamente penalizados.

Quais são, na sua visão, os desafios ao setor agrícola para os próximos anos?

São desafios que têm que ver com a realidade que acabei de descrever. O setor agrícola terá que saber lidar com uma cada vez maior exigência dos consumidores em matéria de qualidade e de diversidade de alimentos, mas também com crescentes limitações à utilização de determinados recursos, como sejam a água, os fertilizantes e os produtos fitofarmacêuticos. A par deste desafio, o setor tem igualmente que continuar a ajustar-se ao desafio da globalização de mercados.

Que medidas considera que deveriam ser tomadas pelo setor agrícola para aproximar o consumidor da agricultura moderna?

Trazer o campo à cidade, explicando e demonstrando a agricultura. É essencial, por exemplo, alterar os manuais escolares. De forma geral, estes manuais transmitem às nossas crianças uma ideia errada da agricultura atual, relevando o uso de pesticidas e uma forte intensificação. É fundamental transmitir ao consumidor que o agricultor é o pilar do seu dia-a-dia, é da sua atividade que resulta o alimento que se come à refeição. É importante que se perceba que os agricultores trabalham de forma responsável, respeitando normas muito restritivas em termos de fertilização, de proteção das culturas e de bem-estar animal, ao invés de se passar a ideia contrária.

Comente este artigo
Anterior Agosto é mês de declaração obrigatória de existências de suínos
Próximo Investigado por robar gasoil y baterías de motores de riego en cuatro explotaciones agrarias

Artigos relacionados

Dossiers

España y Polonia coinciden en el rumbo de la futura PAC

[Fonte: Agropopular – UE]
La ministra de Agricultura con su homólogo polaco, Krzysztof Jurgiel
La ministra de Agricultura y Pesca, Alimentación y Medio Ambiente, Isabel García Tejerina, se reunió el 24 de enero en Varsovia (Polonia) con el ministro de Agricultura y Desarrollo Rural Krzysztof Jurgiel, […]

Sugeridas

Andalucía comenzará a abonar la próxima semana los 750 millones del anticipo del 70% de las ayudas directas de la PAC

[Fonte: Agro Informacion]
El consejero de Agricultura, Pesca y Desarrollo Rural, Rodrigo Sánchez Haro, ha anunciado  en Comisión parlamentaria que la próxima semana empezará a abonarse el anticipo del 70% de las ayudas directas de la Política Agrícola Común (PAC) tras aprobar Bruselas el incremento del montante de este adelanto en un 20% con el fin de paliar en parte los efectos de la falta de lluvias en las explotaciones. […]

Sugeridas

Entre la sequía, la PAC y las tres ‘C’ pendientes en el sector oleícola para 2018

[Fonte: Agro Informacion]
Este 2018 recién estrenado deparará nuevos retos en el sector oleícola, nucleados en torno al deseo de lluvias para aliviar el estrés hídrico del olivar, sin olvidar el debate de la nueva Política Agrícola Comunitaria, la PAC post 2020, […]